Siga-nos!

Igreja

Pesquisa revela as maiores preocupações dos pastores e suas igrejas

Alcançar um público mais jovem está entre as maiores dificuldades.

Filipe Samuel Nunes

em

Pastor ministrando em uma igreja (Kristina Paparo / Unsplash)

Durante décadas, o Instituto Barna tem conduzido pesquisas especificamente sobre os líderes das igrejas americanas, descobrindo o que eles, e outros, acreditam sobre seu papel na Igreja, bem como lançando luz sobre suas preocupações e aspirações tanto para a igreja local quanto para a Igreja nos Estados Unidos.

Como não temos nenhum ministério que trabalhe pesquisas e análises com líderes e pastores brasileiros desta forma, os resultados do instituto norte-americano sempre dão uma ideia do que acontece na igreja brasileira.

Em 2020, Barna tem se ocupado com uma pesquisa principal chamada State of the Church [Estado da Igreja].

A ideia é entender as maiores questões e os problemas mais urgentes dos líderes religiosos, comparando todos os resultados com pesquisas anteriores. Confira:

Alcançar a próxima geração

Quando apresentados com uma lista de possíveis desafios que sua igreja enfrenta hoje, metade dos pastores protestantes observa que “alcançar uma audiência mais jovem” (51%) é uma questão importante para o seu ministério.

Para pouco mais de um terço dos pastores (34%) esta afirmação é uma das três maiores preocupações para a sua igreja, com 12% apontando-a como a maior preocupação.

Metade dos pastores também concorda que o “declínio ou inconsistência no alcance e evangelismo” é uma questão importante para a sua igreja local (50%).

De todos os pastores que concordam com esta afirmação, exatamente dois em cada cinco (40%) dizem que ela se enquadra nas suas três principais preocupações, com 14% concordando que é a sua maior preocupação.

Falta de maturidade espiritual

Os resultados listados acima se enquadram nos estudos anteriores da Barna, que oferecem um vislumbre dos altos e baixos do trabalho ministerial.

Um desses exemplos mostra que a “baixa maturidade espiritual entre os fiéis” (27% em 2017 contra 8% em 1992) tem sido um ponto de dor crescente para os pastores ao longo dos anos.

Enquanto isso, a prática do evangelismo tem caído em desgraça, mesmo com jovens adultos.

No geral, mais de um em cada três pastores (36%) observa que o “declínio ou inconsistência no voluntariado” é um problema que o ministério deles enfrenta hoje, com cerca de um quarto (23%) dizendo que é um dos três maiores problemas.

Proporções semelhantes expressam preocupação em relação ao “crescimento espiritual estagnado”. Enquanto 34% dos pastores rotulam isso como uma grande preocupação para a igreja local, 24% a classificam como uma de suas três principais preocupações.

Jovem não quer mais ser pastor

Um em cada quatro pastores (23%) seleciona “falta de treinamento e desenvolvimento de liderança” como uma das principais preocupações que sua igreja enfrenta hoje.

Em termos de desenvolvimento de jovens líderes, a partir de 2017, apenas 15% dos pastores seniores tinham 40 anos ou menos, ecoando a necessidade de pastores mais jovens no ministério.

A pesquisa também mostrou que sete em cada 10 pastores concordam que “está se tornando mais difícil encontrar jovens cristãos maduros que queiram se tornar pastores” (69%).

Entre os pastores protestantes, os desafios que não suscitaram tanta preocupação incluíram o “modelo econômico” de sua igreja (10%), “gestão multi-campus” (3%) e ou adquirir (8%) ou reduzir (1%) o espaço.

O evangelho numa era secular

Barna também pediu aos pastores que classificassem as dificuldades enfrentadas pela Igreja Cristã em geral.

Embora uma variedade de questões tenha sido mencionada, algumas preocupações relacionadas ao discipulado e ao ensino durante uma era de secularização tiveram destaque.

Os pastores classificam os “ensinamentos do evangelho diluído” (72%) como a maior questão.

Olhando para as respostas denominacionais, mais de três em cada quatro pastores (78%) concordam com esta afirmação, em oposição a cerca de três em cada cinco pastores (59%).

Relativamente, a maioria dos pastores (66%) reconhece a “mudança da cultura para uma era secular” como uma grande preocupação para a Igreja de hoje. Pastores mais jovens – com idade inferior a 45 anos – são menos propensos que seus pares mais velhos a concordarem com esta afirmação (50% vs 73%).

Seguindo este padrão, pastores que estão no ministério há mais tempo são mais propensos do que aqueles que estão apenas entrando no ministério a concordar (71% 20+ anos no ministério vs 65% 10-19 anos, 47% 1-9 anos).

As pessoas se ofendem com questões morais

O clero cristão também falou sobre o desconforto que muitas vezes acompanha a abordagem de questões sociais a partir do púlpito. Exatamente metade do clero relatou com frequência (11%) e ocasionalmente (39%) sentir-se limitado em sua capacidade de falar sobre questões morais porque as pessoas se ofendem.

Outros 40% disseram que frequentemente (6%) ou ocasionalmente (34%) sentem pressão para falar sobre questões morais e sociais que não se sentem à vontade para discutir.

Algumas das questões sobre as quais Barna perguntou aos pastores incluem homossexualidade / LGBTQ+ (44% limitado; 37% pressionado), casamento entre pessoas do mesmo sexo / legalização dos direitos dos gays (22% limitado; 32% pressionado) e aborto / questões pró-vida (18% limitado; 17% pressionado), entre outras.

Formou-se em Teologia na Inglaterra, exerceu trabalho pastoral durante 25 anos em Portugal e vive há 12 anos no Brasil onde ensina Inglês como segunda língua.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Trending