Siga-nos!

estudos bíblicos

Unção de ousadia, de conquista e de multiplicação. Existe isto na Bíblia?

“E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo” (1 Jo 2.20) 

Armando Taranto Neto

em

Ilustração da unção no Antigo Testamento (Reprodução)

Atendendo às várias solicitações de nossos diletos leitores do Gospel Prime, vamos ampliar ainda um pouco mais o assunto sobre a “unção”.

Levítico capítulo 8 nos diz:

“O Senhor disse a Moisés: “Traga Arão e seus filhos, suas vestes, o óleo da unção, o novilho para a oferta pelo pecado, os dois carneiros e o cesto de pães sem fermento; e reúna toda a comunidade à entrada da Tenda do Encontro”.  Moisés fez como o Senhor lhe tinha ordenado, e a comunidade reuniu-se à entrada da Tenda do Encontro. Então Moisés disse à comunidade: “Foi isto que o Senhor mandou fazer”; e levou Arão e seus filhos à frente e mandou-os banhar-se com água; (…) Derramou o óleo da unção sobre a cabeça de Arão para ungi-lo e consagrá-lo. (…) A seguir mandou trazer o outro carneiro, o carneiro para a oferta de ordenação, e Arão e seus filhos colocaram as mãos sobre a cabeça do carneiro. Moisés sacrificou o carneiro e pôs um pouco do sangue na ponta da orelha direita de Arão, no polegar da sua mão direita e no polegar do seu pé direito. A seguir pegou um pouco do óleo da un­ção e um pouco do sangue que estava no altar e os aspergiu sobre Arão e suas vestes, bem como sobre seus filhos e suas vestes. Assim consa­grou Arão e suas vestes; seus filhos e suas vestes.” 

Observamos que o texto de Levítico em apreço trata especificamente sobre as três “unções” com os respectivos elementos: água, óleo e sangue, pelos quais deveriam passar o sumo sacerdote Arão e seus filhos sacerdotes.

Unção para Deus é coisa muito séria.

Não há como desconsiderar a questão da unção nas Escrituras Sagradas, pois este procedimento é evidente, entretanto, todas as vezes que esta atividade é mencionada na questão espiritual, está relacionada com a consagração ou a separação de alguém ou alguma coisa. Como é o caso de Êxodo 29.36-37:

“Também cada dia prepararás um novilho por sacrifício pelo pecado para as expiações, e purificarás o altar, fazendo expiação sobre ele; e o ungirás para santificá-lo. (37) Sete dias farás expiação pelo altar, e o santificarás; e o altar será santíssimo; tudo o que tocar o altar será santo.” (Grifo meu)

Perceba que, na perícope acima, ao se ungir os objetos eles se tornavam santos e também tinham o poder de santificar, uma vez que tudo o que tocasse neles também se tornaria santo.

Em nossas congregações temos uma infinidade de móveis e objetos que são separados para uso estrito em nossos cultos, contudo não os “ungimos” para torná-los santos ou com poder santificador.

“Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?  Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” (I Coríntios 3.16-17)

Hoje o templo consagrado, separado e santificado onde Deus se manifesta é a vida de cada crente salvo em Jesus. Nós somos o santificado Templo do Espírito Santo do Senhor.

Ungindo as pessoas

No Antigo Testamento, como exposto em levítico 8 acima, quando o Senhor tinha um propósito específico com uma pessoa, ela era separada por meio da “unção”. O escolhido, então, poderia ser separado (Ungido) para ser Rei, Sacerdote ou Profeta.

Cabe ressaltar que, sendo Jesus “Cristo” (“Χριστός” = Cristos = Ungido na língua grega), O Unigênito “Ungido” do Pai, Ele assumia estes três ofícios, sendo Rei, Sumo Sacerdote e Profeta.

Todavia, no Novo Testamento, a separação ou consagração ministerial de pastores, presbíteros e diáconos foi substituída pela imposição de mãos e não “unção” com óleo.

“Não erreis!”

“Então, jejuando, e orando, e impondo sobre eles as mãos, os despediram.” (Atos 13.3)

Qualquer acréscimo além do que nos orienta a Palavra de Deus converge para um erro teológico. E toda a persistência nestes acréscimos equivocados é uma porta aberta para heresias e aberrações.

Acrescento que, a imposição das mãos para a consagração de obreiros na Igreja hoje, não tem o mesmo significado de outrora, uma vez que a pessoa, ao ser consagrada, não se torna “santificada”, pois este ato tem início na conversão e em um processo de purificação contínuo enquanto viver.

Ungindo os reis

Na perspectiva Bíblica os Reis eram ungidos como um pastor ou um libertador para governar Israel, como exemplificado em I Sm 9.16:

Amanhã a estas horas te enviarei um homem da terra de Benjamim, o qual ungirás por capitão sobre o meu povo de Israel, e ele livrará o meu povo da mão dos filisteus; porque tenho olhado para o meu povo; porque o seu clamor chegou a mim.”

 Ungindo os sacerdotes

Jeová orientou seu servo Moisés a ungir seu irmão Arão e seus filhos sacerdotes, a fim de consagrá-los e reconhecê-los como oficiantes escolhidos para ministrar ao Senhor por meio do sacerdócio.

Além disso, os sacerdotes tinham outros atributos, tais como: fazer a expiação, julgavam as questões do povo, ouviam as confissões de transgressões individuais, faziam o serviço de supervisão dos trabalhos no tabernáculo, ofereciam os sacrifícios de ações de graça, etc.

“E vestirás a Arão as vestes santas, e o ungirás, e o santificarás, para que me administre o sacerdócio. Também farás chegar a seus filhos, e lhes vestirás as túnicas, E os ungirás como ungiste a seu pai, para que me administrem o sacerdócio, e a sua unção lhes será por sacerdócio perpétuo nas suas gerações.” (Êxodo 40.13-15 ACF)

Ungindo os profetas

Todo profeta deveria passar pelo ato da “unção”. No Antigo Testamento, o texto de Isaias capítulo 61.1-3 é a narrativa mais abrangente sobre a unção dos “Atalaias do Senhor”:

“O espírito do Senhor DEUS está sobre mim; porque o SENHOR me ungiu, para pregar boas novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; (2) A apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes; (3) A ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê glória em vez de cinza, óleo de gozo em vez de tristeza, vestes de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantações do SENHOR, para que ele seja glorificado.” 

É curioso que não haja nenhum registro bíblico, tanto no Antigo como no Novo Testamento sobre a “unção” de mulheres, seja para os ofícios de rainhas, profetizas, sacerdotisas, bispas, apóstolas ou pastoras.

Sendo assim, a unção é um sinal da graça de Deus que recebemos por no momento que nos entregamos aos cuidados do Senhor Jesus Cristo. A “unção” é “única” e já está em todos nós.

Não existe unção de ousadia, de conquista, de multiplicação ou seja lá o que for, isto é uma invencionice e um erro teológico disseminado por algumas igrejas neopentecostais que propagam a malfadada teologia da prosperidade, um câncer na ortodoxia bíblica.

“E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo” (1 Jo 2.20) 

“E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis” (1 Jo 2.27)

É esta graça que nos impele a termos “ousadia”, de pregar o Evangelho transformador de Cristo Jesus;

É por graça que vamos “conquistar” povos e nações ainda não alcançados pelo poder do Espírito Santo de Deus;

E é por esta mesma graça que vamos ministrar o Santo Evangelho e “multiplicar” o número de salvos que se entregarão a Cristo Jesus.

Unção é isto!

O resto não passa de falácia, erro teológico ou heresia. Que o Senhor nos guarde.

Graduado em Teologia. Pós-graduado em Teologia Bíblica. Mestre em Sociologia da Religião. Doutorando em Teologia.

Trending