Siga-nos!

opinião

A razão e a arte

O relativismo moral, o descrédito do casamento e os ataques às religiões.

Amanda Rocha

em

Gregório Duvivier como Judas. (Foto: Reprodução / Youtube - Porta dos Fundos)

O célebre escritor Johann Goethe afirma que “o declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Através do estudo literário percebemos o contexto histórico e as concepções filosóficas preponderantes em determinada época numa dada sociedade.

Ao esmiuçar a literatura brasileira e regressarmos aos primórdios de nossa história literária encontraremos traços importantes da formação de nossa gente. Para Roger Scruton, “a cultura de uma civilização consiste na arte e na literatura por meio das quais ela ascende à consciência de si mesma e define a sua visão a respeito do mundo”.

Dentre os aspectos mais fecundos que influenciaram as produções artísticas, está o antagonismo histórico entre razão e emoção. Em cada espaço de tempo, a guerra entre esses polos moldou os pensamentos e controlou (de alguma forma) as ações humanas e estabeleceu liames para a produção artística.

O fato é que vivemos um período do predomínio da emoção. A subjetividade tem ditado regras e determinado que alucinações abjetas saiam das páginas de filósofos embriagados e encontrem agentes que impõem esses frenesis.

O conceito sobre Beleza relativizou-se e tudo passou a ser visto como arte, todavia, como bem lembra ainda o grandioso Scruton “Se qualquer coisa pode ser considerada arte, então a arte deixa de ter relevância”. O fato é que a degradação das artes antecipa a putrefação do próprio indivíduo, é bem verdade que não faltam teorias que auxiliam no avanço dessa deterioração.

Dentre os exemplos (brevemente analisados) temos: as teorias de gênero (que odeiam quando a chamamos por seu nome devido: ideologia de gênero), cujos teóricos creem que a biologia não sopesa sobre a formação sexual e identitária do indivíduo, sendo ele um mero resultado de uma construção social estabelecido de forma arbitrária e impositiva. Em outras palavras, parafraseando Simone de Beauvoir, ninguém nasce homem ou mulher, mas a sociedade impõe conceitos e papéis aos indivíduos fundamentados, erroneamente, a partir de seus órgãos genitais.

Outro agente destrutivo (na realidade um tentáculo do primeiro) são as teses do gênero neutro na linguagem, que inflige o uso de uma gramática impraticável e espurca, contrariando todas as regras e aniquilando todo o processo histórico de formação da língua. Esse processo anda lado a lado com o policialesco e grasnador politicamente correto, que esvazia as palavras de seu valor polissêmico e trata seus imagináveis referentes como verdade absoluta e incontestável.

Ademais, temos todas as bandeiras políticas abomináveis como a legalização do aborto e das drogas, uma nova concepção sobre a pedofilia e o gozo em tragédias econômicas. O relativismo moral, o descrédito do casamento e os ataques às religiões, especialmente ao Cristianismo. Tudo isso repercutindo através do que seus adeptos consideram arte (filmes, músicas, novelas, poesias e romances, etc.). Em grande parte, as pessoas o consomem sem analisar criticamente, uma vez que até a análise crítica volveu-se sinônima de concordância dessas pautas; o contrário, obviamente, é digno das ações de um ódio do bem.

Possivelmente, essas alucinações coletivas justifiquem a repulsa atual dos críticos (e de grande parte da sociedade) contra os versos de Olavo Bilac, Cruz e Souza ou Bruno Tolentino; ou mesmo de romances como Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, e de  Memórias de um Sargento de Milícias, de Manoel Antônio de Almeida. Prefirem aclamar Anitta, com o seu “Vai Malandra”, a ouvir Asa Branca, de Luiz Gonzaga ou As Rosas Não Falam, de Cartola.

Ângelo Monteiro afirma que “a incapacidade de discernimento é o mais alarmante sintoma da desagregação de uma cultura, e onde a vida, assim como a arte, converteu-se em mera extensão da propaganda e do consumo e, por isso, não mais repercute valores que um dia moldou sua formação. Com o falseamento das expressões vitais e artísticas, cindiu-se também o imaginário que serviu de moldura para os sonhos, os ideais e os projetos de gerações e gerações que, por ação das imagens de sua cultura, reconheciam sua própria humanidade”. Parece-nos que ele tem razão!

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Serva do Cristo Vivo, é casada com Diógenes Rocha e mãe de Luiza, Adonai e Maria Júlia. Amante da literatura, é escritora. Formada em Letras, pós-graduada em Linguística. Servidora pública como professora do Estado de Pernambuco.

Trending