Siga-nos!

Entretenimento

Fé e descrença são o tema do filme “Imortais”

O conflito de deuses pagãos e humanos chegam às telas em nova produção

Avatar

em

O novo filme do diretor Tarsem Singh (A Cela, A Queda) é um conto épico de vingança, traição e destino. Imortais, que estreia amanhã em todo o Brasil, é uma aventura de ação visualmente espetacular. É a história do brutal e sanguinário rei Hipérion (Mickey Rourke) e seu exército de assassinos na busca, por toda a Grécia, de um artefato mítico de guerra. Com esse arco invencível, o rei será capaz de derrubar os deuses do Olimpo e se tornar o mestre supremo de seu mundo.

Com eficiência impiedosa, Hipérion e suas legiões destóem tudo em seu caminho. Aldeia após aldeia são destruídas até que um pedreiro chamado Teseu (Henry Cavill) jura vingar a sua mãe, que foi morta em um dos ataques brutais. Quando Teseu encontra a sacerdotisa do Oráculo Fedra (Freida Pinto), suas visões perturbadoras sobre o futuro do jovem o convencem que ele é a chave para parar a destruição. Com sua ajuda, Teseu reúne um pequeno grupo de seguidores e desesperado, tenta slvar para o futuro da humanidade.

Para quem gosta de filmes de guerra em cenários históricos, como 300 ou Guerra de Titãs, é uma boa pedida. Em suma,é violência e sangue dominando a tela quase o tempo todo. Mas o que chama atenção na história de Teseu équ se trata de um conto de vingança bastante simples. O rei Hipérion quer vingar-se dos deuses e Teseu quer vingar-se do rei que matou a sua mãe. A raiva que guia ambos os personagens é o fio condutor da história.

Rourke dá ao rei Hipérion a seriedade cruel de um humano impulsionado por raiva, tristeza e decepção. Cavill retrata um herói que quer vingança, mas também não quer perder-se no caminho, pois seu obejtivo maior é fazer justiça. É a disputa clássica de luz e trevas, mas com um resultado brutal. O conflito marca outros personagens, como Zeus (Luke Evans) que aprosiona os Titãs no Monte Tártato ao mesmo tempo que deseja libertar os humanos na sua luta contra o mal.

Os nome do filme remete aos deuses pagãos da Grécia Antiga. A questão da fé e da descrença fica bem clara no roteiro. Tanto Teseu quanto Hipérion compartilham o sentimento de que os deuses são caprichosos e não merecem sua confiança, especialmente quando parecem alheios às suas necessidade. A humanidade sempre parece ser rápida em ficar zangada com o divino, seja ele quem for.

A sociedade modern continua fazendo isso em relaçao ao Deus bíblico, dizendo que devemos confiar em nós mesmos e não naquele que não podemos ver nem entender. Uma das raízes dessa crença em geral vem de algum tipo de decepção. Especialmente quando Deus não corresponde às nossas expectativas ou não atende nossos pedidos.

Nossa dor, frustração ou decepção são culpa dele e por isso vamos de uma forma ou outra, voltarnos contra ele.

Trata-se do dilema de Jó e seus amigos, que lutaram contra isso até finalmente descobrirem a verdade. Se crermos que Deus raramente faz jus às nossas expectativas, o motivo é simples: nossas expectativas são limitados, egoistas e limitadas. Portanto, colocamos nossa confiança mais em nós mesmos do que em um Deus que é poderoso, justo, amoroso e bom. Mas que atua de maneiras muito além de nossa compreensão.

Em Imortais, Teseu acaba aprendendo a ver as coisas em uma perspectiva diferente, enquanto Hipérion não muda. Um deles é destruído, o outro prevalece. Como na vida real, não é difícil saber os motivos para que isso aconteça.

Com informações Hollywood Jesus e Wikipedia

Publicidade