Siga-nos!

Estudos Bíblicos

Ética Cristã e suicídio

Subsídio para a Escola Bíblica Dominical da Lição 6 do trimestre sobre “Valores cristãos”

Tiago Rosas

em

Suicídio. (Foto: Ian Espinosa /Unsplash)

II. O POSICIONAMENTO CRISTÃO PARA O SUICÍDIO

  • Evolucionismo, materialismo e ateísmo: propulsores do suicídio

O teólogo pentecostal Abraão de Almeida sugere que “Darwin, Marx, Freud e Sartre podem ser postos entre os maiores responsáveis pela desvalorização da vida nos tempos modernos. Nos conceitos dessas ilustres personalidades acerca do ser humano – a sua origem e o seu futuro – não há praticamente nada de positivo. Em resumo, não passamos de simples animais trabalhadores ligeiramente evoluídos, destinados a fazer na sociedade um papel ridículo, sem nenhum propósito que justifique a existência”. [3]

Nas palavras do filósofo brasileiro Clóvis de Barros fica evidente como o suicídio pode ser encarado pelos ateus materialistas até mesmo como uma solução plausível para a dor e o desespero. Este filósofo diz que “o suicídio é uma tentativa desesperada de colocar fim a uma tristeza radical. Em outras palavras, o suicídio é uma forma de solução pra vida num contexto muito particular, que é um contexto de você não suportar mais continuar existindo”. Diz ainda que “acabar com essa dor é evidentemente contribuir para uma equação feliz, mesmo que seja com o fim da vida” e que “nesta situação diminuir a dor vale a pena”. [4]

Quando o homem não crê na existência de Deus e encara a vida como um processo sem sentido, cego e não guiado de uma fatídica evolução natural das espécies que desembocará no futuro sabe-se lá em quê, então o suicídio também deixa de ser algo imoral e reprovável, e passa a ser aceito como uma solução, até mesmo como um ato que contribui para uma “equação feliz”. Este é o discurso da antiga serpente, o diabo, que tem arrastado milhares ao suicídio todos os anos, buscando uma equação feliz encontram na verdade a triste e insolúvel equação do tormento eterno. “Sem fé é impossível agradar a Deus”! (Hb 11.6)

A Bíblia, porém, nos diz qual a verdadeira equação da felicidade: crer em Cristo de quem procede a verdadeira alegria (Jo 17.13; Fp 4.4), meditar na Palavra de Deus de dia e de noite (Sl 1.1-3), amar uns aos outros (1Jo 3.11), viver em comunhão com os irmãos (Sl 133), orar a Deus quando o coração estiver entristecido (Tg 5.13) e lançar sobre o Senhor todas e cada uma das necessidades, confiando que Ele cuida de seus filhos (1Pe 5.7; Mt 6.25-34).

  • Salvação para suicidas

No ano passado, uma grande polêmica se disseminou pela internet a partir da declaração de alguns teólogos calvinistas sobre a salvação para suicidas, desde que eleitos por Deus incondicionalmente para a salvação. Rejeitamos peremptoriamente a doutrina calvinista da eleição incondicional, mas reconhecemos que a questão da salvação para os suicidas é uma questão delicada, para a qual devemos descalçar nossos pés. Não obstante, é quase impossível que esta pergunta não ocorra enquanto estudamos este assunto por uma perspectiva teológica: o suicida pode ser salvo?

Sobre esta questão, o Dr. Douglas Baptista responde contundentemente:

Lamentamos, porém, que alguns religiosos no afã de defenderem um dogma de sua denominação religiosa insistem em apresentar argumentos falaciosos, garantindo a salvação de quem comete suicídio, e assim, de maneira insensata e inconsequente, consciente ou inconsciente, fazem apologia à prática do suicídio”. [5]

Ravi Zacharias, admirável apologista indiano, disse mui acertadamente sobre o suicídio: não brinque com ambiguidades [6]. Não se pode brincar com a eternidade que começa logo depois do último suspiro aqui. Se a Bíblia diz que sem fé é impossível agradar a Deus, que os que encobrem as transgressões nunca prosperarão, e que homicidas não herdarão o reino dos céus, é bom considerarmos seriamente se há “perdão automático” para os que cometem suicídio premeditadamente, um homicídio de si mesmo!

Entretanto, podemos afirmar com certeza que para aqueles que não tiveram êxito em sua tentativa de suicídio – graças a Deus, o laço quebrou-se! (Sl 124.7) – há perdão e restauração no Senhor, se houver arrependimento sincero. O sangue de Jesus é poderoso para remover a culpa e até transformar esta pessoa em alguém que viverá para ajudar outras pessoas na prevenção contra o suicídio.

*clique em próxima para continuar lendo…

Casado, bacharel em teologia (Livre), evangelista da igreja Assembleia de Deus em Campina Grande-PB, administrador da página EBD Inteligente no Facebook e autor de quatro livros: A Mensagem da cruz: o amor que nos redimiu da ira (2016), Biblifique-se: formando uma geração da Palavra (2018), Reflexões contundentes sobre Escola Bíblica Dominical (versão e-book, 2019), e Poder, poder pentecostal: reafirmando nossa doutrina e experiência, à luz das Escrituras Sagradas (lançamento previsto para final de 2019).

  • Estudos Bíblicos 1 dia atrás

    Especialista em pregação bíblica ensina elaborar sermões impactantes em 30 dias