Siga-nos!

Estudos Bíblicos

Adorar a Bíblia ou Cristo?

Os bibliólatras colocam a Bíblia acima de Jesus, do mesmo modo como alguns religiosos colocam a tradição acima da Palavra.

José Brissos-Lino

em

Bíblia. (Photo by Ben White on Unsplash)
Publicidade

A ortodoxia protestante firma-se na centralidade das Escrituras, por oposição ao denominado magistério, predominante na Europa religiosa até ao século XVI, isto é, à relevância e autoridade então atribuída à Tradição. A praxis evangélica, como herdeira natural da Reforma protestante, deu sequência a essa perspectiva. Assim, vamos encontrar hoje muito arreigado o princípio do que é ou não “bíblico”, como orientação geral em matéria de fé e doutrina, o que se torna num modo conveniente de afirmar que algo está “certo” ou doutrinariamente sólido de acordo com os padrões cristãos.

O problema é que esta espécie de teste acabou por perder sentido e hoje corre o risco de não passar dum slogan. Na maior parte dos contextos as expressões “bíblico”, “baseado na Bíblia” ou “biblicamente” podem significar qualquer coisa para qualquer pessoa, e o recurso a esse léxico tem em vista normalmente reforçar um ponto de vista ou uma agenda particular, um recurso de linguagem que se destina a aprovar algo como “cristão” sem submissão a Cristo como modelo e inspiração da fé cristã.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

Qualquer denominação de inspiração cristã se reclama da Bíblia, a ela recorrendo a fim de obter credibilidade teológica e doutrinária, mas a verdade é que tal estratégia não representa mais do que uma forma de justificar bases de fé, ideias ou práticas, pelo que as mesmas Escrituras são utilizadas para procurar fundamentar conceitos diversos e opostos.

Como alguém disse, a Bíblia é elástica e dá para apoiar qualquer agenda ou ideologia, até mesmo as mensagens anti-cristãs. Os defensores da escravatura, os ideólogos do apartheid, da África do Sul, os racistas e supremacistas dos estados do Sul na América e o Ku Klux Klan ou o nazismo, assim como os promotores da guerra e de grandes massacres sempre se apoiaram na Bíblia…

Convém não esquecer que o próprio Satanás tentou conduzir Jesus Cristo ao pecado, no deserto, com recurso às Escrituras, ao citar o Salmo 91 de forma capciosa. Noutra ocasião Jesus é desafiado pelos seus opositores, que argumentam igualmente com a Bíblia: “E na lei nos mandou Moisés que as tais sejam apedrejadas. Tu, pois, que dizes? Isto diziam eles, tentando-o, para que tivessem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia com o dedo na terra” (João 8:5,6).

Ou seja, lançaram esta pergunta como armadilha, a fim de poderem acusá-lo de desrespeito à legislação judaica. No fundo utilizaram a lei de Moisés como os cristãos se referem hoje às Escrituras. Sempre que a hermenêutica não é séria, as Escrituras podem ser manipuladas a fim de parecer confirmar ou significar quase tudo. Já o discurso, os actos e a vida de Jesus não se prestam a tais maleabilidades. Por outro lado, boa parte das divisões no cristianismo são alimentados por diferentes versículos, textos e interpretações da Bíblia, como é exemplo o caso da eterna discussão entre calvinistas e arminianos.

Continua depois da Publicidade

Mas afinal o âmago da fé cristã não é antes a figura do Salvador? Parece que alguns ousam colocar a Bíblia no lugar que só pertence a Jesus Cristo. Ele é que é o caminho, a verdade e a vida (João 14:6). É por Ele que vamos ao Pai. Foi Ele que levou o nosso pecado na cruz do Calvário. Em vez de estarmos centrados num texto (ou melhor, num texto traduzido, na maior parte dos casos), podemos e devemos centrar a nossa fé na pessoa de Cristo, da qual a Bíblia testifica.

Faríamos bem em substituir o conceito de “bíblico” pelo de “semelhante a Cristo”. Apesar de tudo trata-se de dois modelos diferentes. Enquanto um se baseia em interpretações e opiniões textuais, o outro decorre das palavras, acções e postura do Deus que se fez homem e habitou entre nós.

Como a história demonstra com eloquência é muito fácil idolatrar a Bíblia, e ao mesmo tempo ignorar o exemplo de Cristo, deixando que a paixão pelas escrituras substitua a paixão por Jesus. O propósito da Bíblia é ajudar-nos a ser semelhantes a Cristo, e não a tirá-lo do nosso foco. De facto, Jesus é a Palavra: “No princípio era o Verbo (logos, Palavra), e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens” (João 1:1-4).

Continua depois da Publicidade

Os bibliólatras colocam a Bíblia acima de Jesus, do mesmo modo como alguns religiosos colocam a tradição acima da Palavra. Até a usam de forma descontextualizada para condicionar as palavras do próprio Mestre, como os fariseus, que confrontavam Aquele que dera a lei a Moisés… Um dia Ele perguntou-lhes: “Que está escrito na lei? Como lês?” (Lucas 10:26). Ambas as questões estão ligadas, a leitura e a interpretação. Jesus é a Palavra feita carne e as Escrituras testificam d’Ele: “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam” (João 5:39).

Charles Sheldon (1857-1946), pastor da Igreja Congregacional Central em Topeka, Kansas, e editor-chefe do jornal Christian Herald, escreveu o livro “Em Seus Passos o Que Faria Jesus?”, que se tornou a segunda obra mais vendida na época, depois da Bíblia. A vida eterna está em Cristo, não nas Escrituras. Ele, sim, é a essência, o centro, o foco das Escrituras. Portanto, nunca deixe de ler a Bíblia procurando encontrar nela a figura de Cristo, quer como tipo (no Antigo Testamento) quer como testemunho (no Novo).

Publicidade

Nasceu em Lisboa (1954), é casado, tem dois filhos e um neto. Doutorado em Psicologia, Especialista em Ética e em Ciência das Religiões, é director do Mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, em Lisboa, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e investigador.