Siga-nos!

mundo

Suprema Corte dos EUA vai analisar caso de treinador demitido por orar

Treinador conta que distrito escolar o forçou a escolher entre sua fé e seu trabalho.

em

Joe Kennedy orando com o time
Joe Kennedy orando com o time (Foto: Reprodução/YouTube)

O caso do treinador de futebol Joe Kennedy, um sargento aposentado do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, contra o Distrito Escolar de Bremerton está agora na Suprema Corte para revisão.

Ele foi  demitido por um distrito escolar do estado de Washington por continuar orando após seus jogos. Segundo ele, o distrito escolar o forçou a escolher entre sua fé e seu trabalho.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Antes de treinar meu primeiro jogo, em 2008, me comprometi com Deus de agradecer depois de cada jogo, ganhando ou perdendo, pela oportunidade de ser treinador de futebol e pelos meus jogadores. Fui inspirado a fazer isso depois de assistir o filme “Enfrentando os Gigantes””, revelou.

Ele foi convidado pela administração da escola a parar de orar com sua equipe em público. Ele conta que o distrito escolar o instruiu que poderia orar enquanto não estivesse incluindo os jogadores em oração. Porém as coisas mudaram, o distrito emitiu uma nova política dizendo que ele não poderia orar onde outras pessoas pudessem o ver.

Kennedy conta que durante sete anos, após cada jogo, ele caminhou em direção ao centro do campo, se ajoelhou, e orou uma pequena oração de ação de graças. Então, segundo ele, poucas horas antes do que seria seu último jogo como treinador, o distrito escolar deu um ultimato, se ele orasse após aquele jogo, eles o  suspenderiam.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Como um fuzileiro aposentado, algo dentro de mim mexeu. Eu teria dado minha vida defendendo a liberdade religiosa de qualquer americano, e ainda assim esse mesmo direito foi negado a mim. Isso parecia errado e injusto”, afirmaou Kennedy.

De acordo com Faithou Pot, o treinador continuou a orar e isso custou seu emprego. Ele entrou com um processo contra a escola para reivindicar meus direitos de liberdade de expressão e livre exercício de suas crenças religiosas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O caso começou no Tribunal Distrital, depois foi encaminhado para o Tribunal de Apelações para o Nono Circuito, e agora, chegou ao Supremo Tribunal para revisão. A Suprema Corte inicialmente se recusou a ouvir seu caso em 2019 depois que o Nono Circuito o rejeitou.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending