Siga-nos!

sociedade

Oficial de natação renuncia após 30 anos devido a políticas trans nos EUA

Segundo treinadora, participação de homem biológico em competições vai destruir a natação feminina.

em

Piscina de natação
Piscina de natação (Foto: Reprodução/Unsplash)

Uma veterana funcionária da natação dos Estados Unidos, renunciou ao seu cargo em protesto contra a Universidade da Pensilvânia permitir que Lia Thomas compita na equipe de natação feminina da universidade depois de competir por três anos na equipe masculina.

Em 17 de dezembro, Cynthia Millen, que tem oficializado ativamente a natação há cerca de três décadas, renunciou alegando que acredita que atletas biologicamente masculinos não devem ser autorizados a competir na natação feminina.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Eu disse aos meus colegas funcionários que não posso mais participar de um esporte que permite que homens biológicos compitam contra mulheres. Lia não pode competir contra essas mulheres porque isso não é justo”, escreveu Millen em uma carta de renúncia.

A participação de Lia Thomas, um atleta biologicamente masculino, na equipe feminina da Penn é o último episódio do conflito cultural em curso sobre a “identidade de gênero”, particularmente no atletismo.

De acordo com Millen, o fato é que a natação é um esporte em que os corpos competem contra os corpos. Identidades não competem contra identidades. E desde o início os nadadores são divididos por sexo e por faixa etária.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Desde o início, a natação dos EUA reconhece que os meninos nadam de forma diferente das meninas. Os meninos sempre terão maior capacidade pulmonar, corações maiores, maior circulação, um esqueleto maior e menos gordura. Mulheres não só possuem seios e quadris, mas têm períodos e, muitas vezes, um centro de gravidade totalmente diferente”, afirmou ela.

Segundo The Christian Post, a treinadora acredita que, por causa disso, meninas serão desencorajadas e Thomas, que vem quebrando diversos recordes femininos nesta temporada, vai destruir a natação feminina.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A organização progressista de direitos civis, American Civil Liberties Union, negou a alegação de que exista vantagem “injusta” porque atletas trans identificados variam em capacidade atlética como atletas cisgêneros e que o sucesso muitas vezes se resume à técnica e ao treinamento.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending