Siga-nos!

mundo

Médicos pedem que parlamento da Escócia rejeite lei para suicídio assistido

Médicos escoceses se recusam a participar de suicídio assistido.

em

Médicos e enfermeiros em hospital. (Foto: Piron Guillaume/Unsplash)

Dezenas de médicos juniores escreveram aos Deputados instando-os a votar contra a legalização do suicídio assistido na Escócia. Eles alegaram que se recusariam a participar de suicídios assistidos se a lei for alterada. Um Projeto de Lei apresentado ao Parlamento escocês por Lib Dem MSP Liam MacArthur propõe a legalização do suicídio assistido.

Segundo Christian Today, Christopher Marshall, um trabalhador de cuidados paliativos de 24 anos no Borders General Hospital, e Ed Tulloch, um estagiário de 30 anos em Fife, foram coautores de uma carta de oposição que foi assinada por mais de 30 outros médicos juniores.

Segundo a carta, o foco da assistência médica deve ser o valor da vida humana, alertando os médicos a não usarem sua posição para o dano. Eles alegam que a legalização do suicídio assistido vai “esticar as relações” entre pacientes e médicos, bem como seus entes queridos e cuidadores.

Citando uma pesquisa do estado americano de Oregon, onde o suicídio assistido é legal, que descobriu que 59% das pessoas que optaram por acabar com suas vidas dessa forma mencionaram o medo de serem um fardo para os outros como um fator em sua decisão.

“A legalização do suicídio assistido, sem dúvida, colocará pressão incalculável sobre as pessoas vulneráveis, deficientes ou idosas para acabar com suas vidas prematuramente. Alguns podem até sentir que é seu “dever morrer”. Essas são as pessoas que fizemos tanto para proteger e apoiar durante a pandemia”, disseram os médicos.

Os médicos são apoiados pela Aliança Care Not Killing (CNK), que está liderando a oposição ao Projeto de Lei, e Nosso Dever de Cuidado (ODOC), um grupo de profissionais médicos que se manifestaram contra o Projeto de Lei.

A carta continua dizendo que os médicos devem se esforçar para construir e manter a confiança com os pacientes, e promover uma morte “boa” que busca gerenciar sintomas ao invés de legalizar uma ‘opção de tratamento’ que desvalorize a própria vida que busca acabar.

“Onde nós desenhamos a linha? O que isso diz sobre nós como sociedade quando encorajamos alguém a acabar com a vida prematuramente?”, concluíram os médicos. 

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending