Siga-nos!

Opinião

Ações de graças e o advento do Natal

Celebremos com votos de paz na Terra!

Carlito Paes

em

Jesus na Manjedoura. (Foto: Walter Chávez / Unsplash)

Acabamos de celebrar nesta semana o Dia de Ações de Graças e, agora, entramos no ciclo do Advento da maior celebração da Terra, o Natal do nosso Senhor Jesus.

No primeiro século da era cristã, sob domínio do Império Romano em Israel, um acontecimento mudou para sempre a humanidade, trazendo um impacto histórico e cultural sem igual, muito além da religião, em especial na civilização ocidental, com mudanças sociais, educacionais e espirituais: o nascimento de Jesus Cristo em Belém, na época, terra de Judá, antiga província romana da Judeia.

Segundo o Evangelho, certa noite, o anjo trouxe a grande notícia aos pastores que cuidavam de seus rebanhos no campo: “Não tenham medo! Estou aqui a fim de trazer uma boa notícia para vocês, e ela será motivo de grande alegria também para todo o povo!” (Lucas 2:10).

Ao percebermos o que é o Natal em essência, admitimos que o mundo continua precisando destas boas novas! Na verdade, todos precisamos vencer nossos medos e receber uma verdadeira alegria.

Jesus Cristo veio ao mundo trazer notícias de alegria para todos os homens!

Para o contexto do povo hebreu, oprimido pela ocupação romana, a notícia do nascimento do Messias prometido em Belém, profetizado 600 anos antes pelo profeta Miqueias, trazendo alegria, paz, luz e libertação, sem dúvida era a maior e melhor notícia de todos os tempos.

Alguém pode perguntar, será que o Natal aconteceu de fato nesta época do ano? Certamente que não, pois pastores não estariam em pleno inverno, ao relento, guardando rebanhos. Contudo, diante do fato, a data exata torna-se um fator menor. Festividades já eram celebradas em Roma no ano 336 d.C. Com o crescimento da fé cristã, as datas de celebrações pagãs, como a chegada do solstício de inverno, foram ressignificadas.

Historiadores apontam que o dia 25 de dezembro, antes dedicado ao deus sol da antiga Europa, foi adotado a partir do século IV como o dia de celebração do Natal. Na parte oriental do Império Romano, o nascimento de Jesus passaria a ser celebrado no dia 7 de janeiro. Na parte Ocidental, passou a ser celebrado no dia 6 de janeiro a Epifania (que significa “manifestação”), data em que se comemora a visita dos Magos. De fato, a Bíblia aponta Cristo como o “sol da justiça” e a “luz do mundo.”

Se Jesus não nasceu exatamente no dia 25 de dezembro, o que importa é que Ele nasceu. Ele é o nosso Deus Emanuel, Deus presente, a mais linda manifestação de amor que a humanidade já conheceu. O Pai tornou-se nosso!

Ao longo dos anos cada povo trouxe sua contribuição cultural: da Alemanha, veio a árvore, da Itália, o presépio, da Turquia, a tradição de São Nicolau, o famoso Noel, dos EUA, os grandes musicais, os cartões e a ceia com o peru.

No Brasil, o amigo secreto. É tempo de celebrar de forma marcante e feliz esta data singular, sem deixar de fora a essência do Natal, Jesus vivo em nossos corações, e Sua mensagem de amor e fraternidade entre os homens.

Que neste Natal, acima das crises e adversidades, pensemos uns nos outros! Seja você um doador do amor, não um cobrador de atenção.

Tenha um coração agradecido, fraterno, altruísta e que, no pouco ou na fartura, está satisfeito. A celebração é do aniversariante! Que venha o advento do Natal de Jesus sobre todos nós! Celebremos com votos de paz na Terra!

Carlito Paes, pastor Batista, Palestrante e Escritor. Bacharel e Mestre em Teologia, Pastor Líder da Igreja da Cidade em S. J. dos Campos-SP. Fundador da Rede de Igrejas da Cidade e da Rede Inspire de Igrejas, autor de 26 livros públicados pelas Editoras Vida e Inspire e fundador de diversas organizações ministeriais como Colégio Inspire! Escreve semanalmente para o Jornal O Vale e para o Gospel Prime, casado com Leila Paes, pastora e psicóloga, vivem em SJC desde de 1997 com 4 filhos!

Publicidade