Siga-nos!

opinião

Marcas de nosso tempo

Esquecemo-nos que estamos em um processo.

Abner Morillas

em

Rosto de idoso (JD Mason / Unsplash)

Vivemos hoje um fenômeno da pós-modernidade conhecido como aceleração histórica, o qual se caracteriza por uma série de fatos importantes que acontecem em um espaço de tempo muito curto. Fatos estes que se sobrepõem, e que nos dão a impressão de que o que aconteceu há duas semanas é notícia velha e de menor importância.

Somos bombardeados por informações de todos os cantos da terra. As fronteiras foram rompidas, as distâncias já não se apresentam mais como dificuldades a serem superadas, em muitos casos, vivenciamos os dramas, as guerras, as contaminações, as mortes, as catástrofes e as grandes vitórias que acontecem em várias partes do mundo dentro de nossas próprias salas de estar, por meio de imagens via satélite.

O que faz com que muitas vezes as necessidades e as tragédias que acontecem a nossa volta assumam proporções de menor importância. É como se fôssemos anestesiados e a imagem do trágico, do inadmissível, do impensável que antes nos aterrorizava, passe hoje por nós como algo banal, comum e rotineiro.

Quando vemos um homem, uma mulher ou uma criança revolvendo o lixo nas ruas à procura do que comer, não nos comovemos mais. Quando vemos a figura de duas crianças magrinhas, desnutridos, com um saquinho de cola na mão, andando pelas ruas, não choramos mais.

As cenas que antes nos causavam perplexidade, já não nos tocam mais. Perdemos a capacidade de sentirmos compaixão e o sentimento de indignação com as desigualdades e atrocidades sociais foi substituído por um sentimento de que isto tudo é normal e faz parte de nosso dia a dia, faz parte do urbano.

Trabalhamos mais e nos divertimos menos. Corremos mais e descansamos menos. Dormimos mais tarde e nos levantamos mais cedo. Temos menos tempos para nossas famílias, amigos e relacionamentos.

Nossa capacidade de tolerância diminui tremendamente e nossas ansiedades aumentaram descomunalmente.

Tudo o que demanda tempo nos aborrece e nos cansa. Já não dedicamos tempo para cultivar relacionamentos e termos momentos para crescermos juntos. Contentamo-nos com relacionamentos rasos, superficiais e virtuais; a profundidade que outrora exercia fascínio e atração não nos interessa mais.

Não temos mais tempo para amar porque temos medo dos compromissos, e das relações mais douradoras. As pessoas se casam crendo que há divórcio. Crianças e jovens precisam receber níveis absurdos de estímulos para manterem a atenção por alguns minutos, pois o vídeo game, a Internet e os jogos virtuais trazem uma gama muito alta de estímulos.

Ao passo que a vida real, quando comparada a este mundo cibernético, fica parecendo sem graça e opaca. Somos massacrados pelas marcas do urgente, urgentíssimo e do instantâneo.

E todos esses fatos exercem uma forte influência em nosso estilo de vida, em nossas prioridades e na maneira como vemos o mundo.

Tratamos de pessoas como tratamos nosso café instantâneo, queremos resultados imediatos, esperamos conversões radicais e um “Giro Copérnico” em todas as áreas da vida daqueles que discipulamos e dos projetos que investimos. Esquecemos que a vida é constituída por etapas e que os anos junto com as experiências vivenciadas em profundidade e atenção vão colorindo nossa caminhada.

Esquecemo-nos que estamos em um processo. E, principalmente, que somos “curadores feridos”.

Esquecemo-nos que as de pessoas têm nome e sobrenome, são singulares e que devem ser tratadas como indivíduos únicos e que necessitam de cuidados e acompanhamento.

Esquecemos que amigos são frutos de tempo investido, de ouvidos atentos, de palavras honestas e aceitação incondicional.

Esquecemo-nos que a imagem e semelhança de Deus nas crianças, adolescentes e jovens em situação de rua, apesar de estar coberta e escondida em meio às sujeiras e deformidades causada pela vida, ainda estão lá.

Temos que vê-los como Nosso Senhor os vê. Acreditando que por traz de toda esta roupa maltrapilha, há uma pessoa escondida, um ser humano que clama por amor e atenção e que pode ser recuperado pelo Evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para a “sozo” (salvação do corpo da alma e do espírito) de todo aquele que crê. (Rm 1:16)

Há um pecado que se refere a nós cristãos que não nos damos conta: A OMISSÃO.

De acordo com o texto em Mateus 25:31-46, quando estivermos diante do Senhor, nosso amado Deus não nos elogiará por nossa grande fé, nem pela nossa frequência na igreja, nem tão pouco pelos nossos períodos de orações e devocionais, muito menos por nossa adoração extravagante ou por nosso muito falar. Nosso Senhor contemplará aquilo que fizemos para o nosso próximo.

Jesus chama de “benditos de meu Pai” os que manifestaram uma vida frutífera em boas obras, que é o sinal exterior da presença de Cristo na vida dos que realmente creem NELE.

“O Rei, respondendo, lhes dirá: Em verdade vos afirmo que sempre que o fizeste a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes (…) sempre que deixaste de fazer a um destes mais pequeninos, a mim o deixaste de fazer”.

Manifestamos a Glória de Deus através do amor expresso de maneira concreta na vida daqueles que estão à nossa volta.

Pastor, psicólogo (CRP 43974-6). Doutor em Psiquiatria (FMUSP). Mestre em Ciências Médicas (FMUSP). Especialista em aconselhamento, professor na Faculdade Teológica Batista de São Paulo. Visite: www.gaip-saude.com.br

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Trending