Siga-nos!

Opinião

Angola e a necessidade do livre comércio

“Os únicos casos registrados pela história em que as massas escaparam da pobreza extrema foram aqueles em que as massas tiveram… livre comércio em larga escala.” – M. Friedman

Antônio Cabrera

em

“O meu país é livre!”. Hoje milhares de pessoas podem sussurrar essas palavras ao redor do planeta.

Menos aqui em Angola, uma nação que exportou cerca de 30% de todos os escravos da África.

Infelizmente nunca saberemos quantos Thomas Edisons, Marie Cures ou Bachs foram oprimidos por governos coercitivos ou politicas que restringiam a liberdade econômica.

Eu e você nunca saberemos quantos angolanos foram impedidos de desenvolver seu país através de seus talentos para uma nação avançada com qualidade de vida, uma agricultura moderna e empresas inovadoras.

Para piorar, hoje os agricultores angolanos enfrentam uma ação devastadora na sua atividade.

É o subsídio na agricultura dos países ricos e a “ajuda humanitária” oferecida, ambos com um efeito de longo prazo de fazer o oposto do pretendido.

O excesso de produtos agrícolas, principalmente da Europa, do leite ao trigo, é doado, ou, na maioria dos casos é vendido a países africanos por um preço extremamente baixo, possibilitado pelos altos subsídios.

Os preços costumam ser tão baixos que impossibilitam os agricultores angolanos de competir, expulsando os próprios agricultores do mercado e destruindo os já escassos rendimentos.

Os subsídios destes países ricos é uma verdadeira barreira aos alimentos produzidos pelos agricultores destes países em desenvolvimento, impedindo que um agricultor da África use suas habilidades e negocie sua safra nos mercados de forma justa.

Percebe-se claramente que este tipo de ajuda não é eficaz para aliviar a pobreza.

É preciso entender que somente o desenvolvimento econômico pode proporcionar a transformação significativa e de longo prazo necessária para aqueles que vivem na pobreza.

A solução é simples: que os países ricos abram os seus mercados para os produtos agrícolas destes países pobres.

Ao permitir que os agricultores angolanos empreguem seus talentos e negociem os frutos de seu trabalho nos mercados globais, faremos mais do que legitimar um mercado justo.

Estaremos eliminando a extrema pobreza de Angola.

Ex-ministro da Agricultura, veterinário e empresário.

Publicidade