Siga-nos!

opinião

Sobre ter o nome na Bíblia e não o ter no livro da vida

Racismo, teologia da prosperidade e incompreensão.

Jônatas Ferreira

em

Mateus em ato racista (Reprodução)

Na primeira semana deste mês fomos bombardeados com o vídeo que trouxe indignação para todos que o assistiram: o do senhor de camisa azul que humilha gratuitamente um motoboy que tentava fazer uma entrega em sua casa, localizada dentro de um condomínio em Valinhos (SP).

Nele, um detalhe que passa despercebido, mas que merece a nossa atenção: este mesmo senhor, em referência a sua suposta prosperidade, alega que seu nome está na Bíblia ao ser indagado sobre a origem da sua riqueza, se do trabalho ou dos pais. Por coincidência ou não, ambos se chamam Mateus.

Sobre essa questão faz-se necessário duas discussões, as quais quero apresentar ao decorrer do texto. A primeira delas é a da falsa sensação de acharmos que termos algo relacionado a Bíblia, como o nome, por exemplo, nos faz ser diferentes, especiais ou superiores a alguém.

Ser pastor ou membro, não diz nada a não ser agregar ao nome um suposto título. O que se deve levar em consideração é a vida que essa pessoa leva e os caminhos pelos quais seus passos a conduzem.

Ter o nome na Bíblia não é sinônimo de ter um registro nos anais dos salvos. Não mesmo. Tampouco diz algo sobre ser abençoado ou não.

O outro ponto, e que considero mais importante, é a problemática já conhecida da teologia da prosperidade, a qual claramente ensina que todos os cristãos devem ter uma vida rica e saudável. Estranhamente, essa prosperidade está atrelada somente às posses materiais que alguém pode conquistar nesta Terra. Isso faz com que os adeptos dessa doutrina acreditem que a riqueza é o alvo final, e não a ter é sinal de que Jesus não está com a pessoa ou falta-lhe .

É triste e preocupante saber que esse conceito tem sido espalhado amplamente pelas igrejas, chegando em passos de algodão e tomando, pouco a pouco, os nossos púlpitos e os corações dos fiéis.

Cristo em sua passagem pela Terra trouxe lições que nos fazem focar no nosso objetivo: a vida eterna. Os bens materiais, a riqueza e tudo que a traça pode corroer, Ele chamou de “coisas”.

Ser próspero não é ser rico. Não basta ter somente dinheiro, é necessário ter amor, felicidade e viver bem com você e com os seus. E, claro, acima de tudo, amar e servir a Deus, pois Ele é quem cuida das nossas necessidades e nos abençoa conforme a Sua soberana vontade.

Quem deu a Ele primeiro para exigir ou achar que Ele nos deve algum favor? Deus não é mercadoria, nem amuleto. Esse tipo de teologia aumenta a ganância das pessoas e as fazem olhar para o seu próprio umbigo; e o pior: faz acreditar que tudo está bem. E assim, olhar para o próximo e humilhá-lo por sua cor, pela sua “falta de riqueza” ou por qualquer outra coisa, torna-se algo normal e aceitável, pois os olhos estão voltados às conquistas terrenas e somente isso que importa.

A Bíblia nos ensina verdades que vão de encontro a essa forma de pensamento. Longe de entrar no mérito se o senhor de camisa azul é cristão ou não, é salvo ou não, afinal, quem sou eu para afirmar algo que somente Deus o sabe, mas ouvir e se calar é aceitar que esse tipo de pensamento é correto.

Esse senhor lembrou-se de mencionar o seu nome, que realmente está escrito na Bíblia, mas esqueceu-se de lembrar um dos principais ensinamentos de Jesus: achar o próximo superior a si mesmo e amar o próximo como a ti mesmo. Poderia elaborar mais uma lista de outras lições de Jesus sobre o caso, mas seria necessário copiar aqui a Bíblia inteira.

Se isso não for compreendido e aplicado na vida, não bastará ter o nome na Bíblia, pois ele, dificilmente poderá estar no da Vida.

Jornalista, casado e amante da Bíblia. Pós-graduação em curso de Produção Textual e MBA em Marketing Digital. É ghostwriter e produtor de conteúdo. Sonha em concluir o seu livro sobre Cristo revelado no Antigo Testamento.

Trending