Siga-nos!

Entretenimento

Zorra ridiculariza Santa Ceia

Humorístico da Globo insiste em piadas religiosas

Avatar

em

Santa Ceia da Zorra
Publicidade

O programa Zorra, humorístico dos sábados a noite da rede Globo, voltou a ridicularizar a fé cristã. O esquete que encerrou a edição de ontem (16) chamava-se “Bota-fora de Jesus”. Embora seja uma pretensa piada, o problema não é ela não ser engraçada – pois não é – mas sim o que ela sugere.

O tema é a Última Ceia, reunião que deu origem a ceia celebrada pelas igrejas cristãs até hoje com um profundo significado espiritual. Sentado à mesa, Jesus reúne seus discípulos para fazer o que chama de “bota-fora”, expressão usada para referir-se a uma despedida para quem sai para uma viagem.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

“Hoje eu vou oferecer, tudo liberado, o pão e o vinhozinho que vocês tanto gostam”, afirma o ator que interpreta Cristo. Ele começa a ouvir reclamações sobre o “cardápio”, enquanto um dos apóstolos diz que ele teria um “potencial maior” para oferecer, dando uma “modernizada”.

A cena corta para o mesmo cenário, mas Jesus agora é um atendente de lanchonete. Entre a preparação de um sanduíche e outro, faz sucos e serve a cada apóstolo um tipo diferente de lanche. Mateus recebe um “xis-burguer vegetariano”, enquanto Tiago, o Menor ganha um “xis-tudo e um dogão”.

Quando chega a vez de Tomé, Jesus lhe entrega um “xis-bacon”. O discípulo reclama, lembrando que pediu um “duplo xis-bacon”, o que força o Cristo-atendente a fazer um milagre da multiplicação do bacon, realizado com um raio de luz e um “amém” no final.

O que poderia passar como mais uma piada religiosa do programa, destaca apenas o desejo de seus produtores de zombarem da fé alheia. O principal roteirista do Zorra, Marcius Melhem, repetidas vezes ridicularizou da figura de Cristo, tanto no programa quanto em sua coluna na Folha de São Paulo.

Continua depois da Publicidade

No esquete em questão, destacam-se duas questões principais: a ‘desconstrução’ da imagem de Jesus e a violação da lei judaica. A primeira é uma ideia recorrente no programa, que parece obcecado em fazer do cristianismo um piada. Ele já mostrou Jesus em várias situações constrangedoras e zombou de seus milagres e ensinamentos desde que se chamava “Zorra Total”.

O outro aspecto, que poderia passar despercebido para muitos, é colocar Jesus em flagrante desobediência à lei judaica. O bacon vem do porco, um animal considerado imundo pela lei levítica, e tinha a ver com questões de ‘pureza’ religiosa. Até hoje os judeus praticantes e alguns segmentos cristãos – como os adventistas – não consomem a carne desse animal.

A principal “lição” que o programa tenta passar é que a ceia não tem o significado atribuído a ela pelas igrejas cristãs. Ao mesmo tempo, mostra desprezo pela que dizem as Escrituras. Em Mateus 5:18, Jesus diz que não veio “revogar a lei”, mas cumpri-la. Ainda que seja possível argumentar que ele não proibiu o consumo da carne suína, a questão principal é que colocar carne de porco na Santa Ceia seria visto como uma “abominação” e atenta para o aspecto sacerdotal do ministério de Jesus na terra.

Continua depois da Publicidade

Isso contraria frontalmente o discurso de Melhem e sua equipe. Em uma entrevista ele afirmou: “Não estamos aqui para criticar religião. Quando fazemos uma crítica, geralmente é ao uso que se faz dela, não à religião em si. Ela a gente respeita”.

Pelo que se viu nas últimas semanas, onde Deus já foi mostrado como LGBT, o respeito só vale quando é uma religião não cristã.

Assista (ou não) nesse link.

Publicidade