Siga-nos!

Internacional

Vitória de premier nacionalista aumenta preocupação com os cristãos na Índia

“Os resultados desta eleição são uma tragédia absoluta”, declarou o CEO do Portas Abertas nos EUA.

Avatar

em

Narendra Modi. (Foto: Reuters)

O primeiro-ministro Narendra Modi foi reeleito na Índia e sua vitória tem preocupado a comunidade cristã que teme o aumento da perseguição religiosa naquele país.

Os ataques contra as minorias religiosas cresceram consideravelmente desde 2014, sob a liderança de Modi e do partido nacionalista hindu. Os extremistas perseguem, humilham e praticam violência com quem não segue a religião majoritária na Índia.

Além da vitória de Modi, o parlamento ganhou mais representantes nacionalistas, dando apoio maior ao primeiro-ministro. São 303 assentos nacionalistas em um parlamento com 542 assentos.

“Enquanto nos preocupamos com o futuro da Igreja na Índia, também estamos preocupados com a própria sobrevivência da Constituição da República, que garante igualdade e liberdade de religião, expressão e associação a todos os cidadãos”, disse a Federação de Organizações Cristãs da Índia.

Modi e seu partido querem implantar uma Constituição Hindu que pode acabar com as liberdades individuais hoje garantidas na constituição, ainda que na prática não sejam respeitadas.

A reeleição de Modi foi vista como parte de uma tendência mundial da ascensão de governos de direita populistas e nacionalistas e neste caso tem preocupado a minoria cristã que é alvo de perseguição dos hindus.

Desde a primeira eleição do premier, em 2014, o número de ataques contra cristãos passou a ser multiplicado. “Extremistas hindus têm promovido ativamente o ódio contra suas minorias cristãs e muçulmanas, o que levou a uma trágica escalada de violência”, disse David Curry, CEO da Portas Abertas americana. “Portanto, os resultados desta eleição – que mantém as mesmas pessoas no poder – são uma tragédia absoluta”, declarou.

Segundo ele, os cristãos nesta região já sofrem rotineiramente assédio e discriminação na forma de ostracismo social, destruição de propriedade, discurso de ódio e condenação de suas atividades religiosas. “Precisamos que a comunidade internacional se levante e faça mais”, completou.

Diante do risco eminente, muitos cristãos estão desencorajados e preparados para o que pode acontecer. “É verdade que nem o Congresso nem outros partidos trabalham pelo bem-estar dos cristãos. Nós teríamos enfrentado oposição de qualquer maneira. Então, em vez disso, nos preparamos para enfrentar o que Deus preparou para nós”, disse um sócio indicado da Portas Abertas americana.

“É possível que as leis indianas e até mesmo cláusulas na constituição sejam alteradas neste mandato, dando ao governo mais ferramentas para perseguir as minorias”, lamentou o pastor Samuel.

Publicidade