Siga-nos!

mundo

UNICEF diz que alguns talibãs apoiam a educação de meninas

Grupo terrorista não permite que mulheres trabalhem ou estudem.

em

Minorias no Afeganistão
Minorias no Afeganistão (Foto: Jafar Khan/AP)

Entre os anos de 1996 e 2001, o Talibã não permitia que mulheres trabalhassem, meninas não tinham permissão de ir para escola e tinham que cobrir seus rostos, o que deve continuar sendo observado pelos radicais.

No entanto, de acordo com a Agência das Nações Unidas da Infância (Unicef), representantes do Talibã em algumas partes do Afeganistão expressaram apoio à educação de meninas depois que tomaram o controle do país.

A UNICEF ainda está fornecendo ajuda para a maior parte do Afeganistão e está bastante esperançosa com cooperação com representantes do Talibã, segundo Mustapha Ben Messaoud, chefe de operações de campo da UNICEF no Afeganistão.

“Temos discussões em andamento, estamos bastante otimistas com base nessas discussões. Não temos um único problema com o Talibã nesses escritórios de campo”, disse ele, acrescentando que 11 dos 13 escritórios de campo são atualmente operacionais.

O chefe da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, alertou sobre o possível “relaxamento” dos direitos humanos sob o Talibã e aumento das violações contra mulheres e meninas.

A UNICEF também citou alguns representantes locais do Talibã dizendo que estavam esperando por orientações de seus líderes sobre o assunto da educação das meninas, enquanto outros disseram que querem escolas funcionando.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending