Siga-nos!

Mundo Cristão

Transgêneros são encorajados a se tornarem sacerdotes na Igreja Anglicana

“Percepção de que a Igreja é homofóbica e transfóbica prejudica nossa missão”, afirma documento.

Avatar

Publicado

em

Sacerdote gay
Publicidade


Transexuais estão sendo encorajados a se tornarem sacerdotes da Igreja Anglicana da Inglaterra. Os bispos de Lichfield lançaram uma campanha de “diversidade”, divulgando um documento com novas orientações aos fiéis e ao clero. Eles afirmam que as pessoas LGBT “podem ocupar funções de liderança e serviço na igreja local”.

O material, intitulado “Acolher e apoiar as pessoas LGBT+”, lamenta que a reputação da igreja como um local hostil em relação a pessoas gays e transgênero está impedindo os jovens de comparecerem.

Publicidade

Leia mais...

“Nós esperamos que eles [LGBTs], como todos os outros, sintam-se encorajados a servir como líderes da igreja ou ainda líderes de louvor, por exemplo, e sejam apoiados caso queiram seguir vocações para ministérios leigos e ordenados”, diz a orientação. “Não deveríamos dizer a ninguém que sua identidade sexual ou de gênero, por si só, os torna inadequados para servir na liderança da Igreja.”

A liderança anglicana, encabeçada pelo bispo Michael Ipgrave, também alerta contra “questionamentos intrusivos sobre práticas sexuais ou desejos de alguém, ou sobre sua experiência de gênero”, afirmando que a prática é “imprópria”.

Publicidade

No ano passado, o Sínodo Geral da Igreja Anglicana do Reino Unido votou favorável ao pedido que o governo proíba a chamada “terapia de conversão”, cujo objetivo é ajudar gays a mudar sua “orientação sexual”.

Também aprovou a introdução de uma nova liturgia para o batismo de transexuais em sua ‘nova identidade’, embora no início do ano a denominação afirmou que isso não era necessário, pois as pessoas nestas circunstâncias poderiam usar a liturgia existente.

Para os bispos anglicanos, a Igreja não deveria mais “dizer ou insinuar às pessoas que sua orientação sexual ou identidade de gênero será mudada pela fé nem que a homossexualidade é um sinal de falta de fé”.

Publicidade

O documento assinado por eles também alerta para que a recriminação dessas práticas não abra caminho para “abuso espiritual ou emocional”. Encerra dizendo que “a percepção de que a Igreja é homofóbica e transfóbica está prejudicando nossa missão, especialmente junto aos jovens. Precisamos desafiar essa percepção, chegando até as pessoas LGBT+ com as boas novas do amor de Deus e cuidando de todas as pessoas que vem [à igreja].”

Essa posição não é unanimidade na Igreja Anglicana, onde há grupos conservadores que ainda se opõem à nomeação de sacerdotes gays. Essa questão já causou divisão em vários países, que não querem seguir a orientação da liderança inglesa. Com informações de Telegraph




Gosta do nosso conteúdo? Considere ajudar nosso ministério! Saiba mais em apoia.se/gospelprime


Comente!

Publicidade





    Publicidade
    Publicidade

    Trending