Siga-nos!

mundo

Suprema Corte dos EUA permite que agências neguem adoção para gays

Tribunal decidiu contra cidade da Filadélfia que queria obrigar adoção por homossexuais.

em

Suprema Corte dos Estados Unidos em Washington - Foto Manuel Balce Ceneta
Suprema Corte dos Estados Unidos (Foto: Manuel Balce Ceneta/AP Photo)

A Suprema Corte dos Estados Unidos emitiu uma decisão unânime na quinta-feira (17), onde permite que agências de adoção confessional, como instituições cristãs, possam recusar atendimento para pessoas do mesmo sexo em busca de adoção.

O debate em torno da questão foi levantado por conta de decisões de autoridades da Filadélfia, Pensilvânia, que tentaram forçar os Serviços Sociais Católicos de conceder a adoção para pessoas homossexuais, apesar do ensinamento da Igreja apontarem a homossexualidade como pecado.

Conhecida como Fulton v. Cidade da Filadélfia, a opinião do tribunal foi emitida pelo Chefe de Justiça John Roberts, com várias opiniões concorrentes apresentadas por outros juízes.

“A cidade sobrecarregou o exercício religioso do CSS por meio de políticas que não atendem ao requisito de ser neutro e de aplicação geral”, escreveu Roberts.

“A recusa da Filadélfia em contratar o CSS para a prestação de serviços de acolhimento, a menos que concorde em certificar casais do mesmo sexo como pais adotivos, não pode sobreviver a um escrutínio estrito e viola a Primeira Emenda”, disse.

Grupos de esquerda criticaram a decisão do tribunal, acusando a instituição católica de ser preconceituosa por negar adoção para homossexuais.

No entanto, o grupo Americanos Unidos pela Separação da Igreja e do Estado, elogiaram o tribunal superior por restringir a decisão a apenas Filadélfia e CSS.

“O tribunal concluiu que, como a Filadélfia permitiu isenções individualizadas de seus requisitos de não discriminação em seu programa de adoção, teve que isentar os Serviços Sociais Católicos”, disse a CEO do Americans United, Rachel Laser.

“Significativamente, o tribunal se recusou a reescrever a Primeira Emenda para conceder uma ampla licença para discriminar em nome da religião. O tribunal também reconheceu a importância das leis de não discriminação e respeitou especificamente a dignidade das pessoas LGBTQ”, disse.

Tony Perkins, presidente da organização conservadora cristã de Family Research Council, disse em um comunicado que a decisão unânime foi “uma vitória substancial para a liberdade religiosa”.

“Em uma época de crescente hostilidade contra a religião, a reafirmação dessa liberdade fundamental pela Suprema Corte é ainda mais crítica” , disse ele.

A Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, o braço de políticas públicas da maior denominação protestante do país, disse que a decisão “não proíbe ninguém de servir crianças”.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending