Siga-nos!

Entretenimento

O sucesso das baladas gospel pelo país

Sem álcool nem pegação, baladas gospel adotam funk e axé para varar madrugada

Avatar

em

O portal IG publicou uma matéria onde faz um levantamento das “baladas gospel” que têm se multiplicado pelo país. Uma das mais antigas é a Gospel Night, criada há 15 anos pelo DJ Marcelo Araújo, do Ministério Voz de Deus. A balada reúne em torno de 3 mil pessoas e acontece trimestralmente no Melo Tênis Clube, no Rio de Janeiro.

“A proposta é se divertir sem se corromper. Não se embebedar, não ter que dançar até o chão, nem ter que andar com roupa sensual para chamar a atenção de alguém e ter um encontro naquela noite. Não precisa ficar com 500 pessoas na noite só para se animar”, esclarece.

Anderson Dias Barbosa, conhecido como DJ Pastor iniciou 13 anos atrás a balada que ocorre todo último sábado do mês na Comunidade Evangélica Crescendo na Graça, em São Paulo. Além do repertório de música gospel, o espaço no templo oferece mesa de bilhar, fliperama, torneio de basquete de rua e competição de videogame.

Fundador da igreja, o DJ veio de família evangélica, mas conta que se afastou da igreja na juventude pois queria “poder sair para dançar”. Depois que voltou, foi isso que decidiu oferecer. A festa tem um custo de R$ 5, que ajuda a financiar o projeto Rei das Ruas, que ajuda no tratamento de dependentes de drogas.

Em geral, a balada vai das 23h até as 4h. O DJ Pastor calcula que mais da metade dos frequentadores não são evangélicos. “A balada não tem o intuito de convertê-los, mas de levá-los a pensar”, explica. Entre as músicas ele faz uma pregação rápida, “que acaba atingindo um objetivo nosso que é fazer o cara refletir sobre a palavra de Deus”, explica. Em 2014 ele pretende organizar a primeira rave gospel, que deve durar 22 horas sem parar.

A maior balada gospel do Brasil é a Sky, que reúne em média seis mil pessoas na sede da Igreja Renascer, na Mooca, em São Paulo. Já existe há seis anos e também ocorre em outras cidades de SP e em breve deve chegar ao Nordeste.

Alexandre Ricardo Pereira, um dos organizadores, contou ao IG: “Nosso foco principal é trazer essa galera que não é evangélica para curtir o evento”. No mesmo local, a Renascer organizou em junho, a Moocareta, uma micareta gospel que deve ter mais uma edição ano que vem.

Embora sejam diferentes, esses eventos tem vários aspectos em comum. Seu público alvo tem idade entre 16 e 26 anos. Os ritmos presentes nas baladas são diversos, incluindo funk, axé, hip hop, black music e forró. Sempre em versão gospel, ou seja, com letras de conteúdo religioso.

Também é proibido o consumo de drogas e álcool. Para beber, refrigerante, energético e coquetel sem álcool. A chamada “pegação” é vedada. Existe até uma equipe da chamada “Operação Desgrude”, que separa os casais mais assanhados.

“Embora levem o nome de gospel, obviamente este tipo de evento é alvo de críticas de várias grupos evangélicos. “Há uma certa repressão. Tem pastores que proíbem os membros de participar”, diz Pereira, da Renascer.

O DJ Marcelo Araújo conta que geralmente convida quem o critica para conhecer a festa ao vivo. “A gente encara a música como louvor a Deus. Eles passam a olhar com outros olhos quando ouvem as letras. Todas têm mensagens totalmente evangélicas”, explica Neto Marotti, baixista e líder da banda de axé gospel DOPA, que também é pastor.

Assista:
[youtube code=”bPbRt5ScHbY”]

Publicidade