Siga-nos!

Sociedade

STF recua em caso de aborto de criança com microcefalia

O presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, retirou a ação de pauta.

Antonio Carlos Junior

em

Dias Toffoli. (Foto: Carlos Moura/SCO/STF)
Publicidade

Há duas semanas começamos nossa coluna no portal Gospel Prime publicando o artigo STF pode decidir que criança com deficiência não é “humana”.

Na oportunidade dissemos que no dia 22 deste mês o Supremo analisaria um pedido para que não houvesse qualquer tipo de punição para as mães que abortassem suas crianças pelo simples fato de estas serem diagnosticadas com microcefalia.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

Ainda, defendemos o absurdo de uma decisão nesse sentido. Seria preconceituoso classificar pessoas em “normais” ou “com deficiência”, como se estas não merecessem viver! Ao final, bradamos em alta voz para o STF: criança com deficiência NÃO é coisa, mas pessoa que merece ser defendida pelo Estado!

Mas no último dia 09, sem muito alarde, o presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, retirou a ação de pauta. E isso faz com que o caso não tenha data certa para julgamento.

Trata-se de uma vitória, ainda que provisória. As vozes da sociedade brasileira se fizeram ouvir em defesa da vida humana e contra o ativismo judicial.

Publicidade

Receba nossas notícias e colunas diretamente no seu WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo Gospel Prime!


Antonio Carlos da Rosa Silva Junior é Doutor e Mestre em Ciência da Religião (UFJF), Especialista em Ciências Penais (UNISUL) e em Direito e Relações Familiares (UNIVERSO), e Bacharel em Direito (UFJF) e em Teologia (CESUMAR). Autor de quase uma dezena de livros que abordam as inúmeras relações entre o Direito e a Religião, ou as diversas áreas de capelania.

Publicidade
    Publicidade
    Publicidade

    Trending