Siga-nos!

Política

“Se quiserem publicar tudo, publiquem. Não tem problema”, desafia Sergio Moro

Em entrevista, ministro critica “sensacionalismo” sobre os diálogos da Lava Jato.

em

Sérgio Moro. (Foto: Isaac Amorim/MJSP)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, desafiou os criminosos que promoveram ataque cibernético e tornaram público diálogos atribuídos a ele com procuradores da Lava Jato, a publicarem todas as conversas. Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, Moro vê a questão como “sensacionalismo”.

Perguntado se temia novas publicações de diálogos com a força-tarefa da Lava Jato, o ministro afirmou não temer, pois seus diálogos sempre caminharam no âmbito da licitude. “Não, meus diálogos e minhas conversas sempre caminharam no âmbito da licitude. Se quiserem publicar tudo antes, publiquem, não tem problema”, disse.

Moro disse também que o país está diante de “um crime em andamento”, promovido por uma organização criminosa profissional. O ex-juiz também disse não haver riscos de anulação do processo do tríplex do Guarujá (SP), que levou à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na avaliação de Sergio Moro, existe viés político-partidário na divulgação das mensagens tiradas do aplicativo do coordenador da força-tarefa em Curitiba, o procurador Deltan Dallagnol. Ele afirmou ainda que réus e investigados da Lava Jato teriam interesse em utilizar suas mensagens particulares para anular o processo.

O ministro também colocou em dúvidas a autenticidade das mensagens, pois afirma que os diálogos podem ter sido adulterados pelos criminosos que hackearam os celulares das autoridades.  Ele afirmou não ver ilicitude e que costuma conversas “normalmente” com advogados por aplicativos.

Na entrevista concedida em seu gabinete em Brasília, Moro descartou impactos do caso para o governo Bolsonaro e para o pacote anticrime, que defende no Congresso. Moro diz ainda que “esse foi um trabalho realizado enquanto eu não era ministro. Então não é responsabilidade do atual governo”.

Publicidade