Siga-nos!

Sociedade

“Se houver algo sério e autêntico, publiquem”, pede Sérgio Moro

Os vazamentos de conversas privadas das autoridades envolvidas na Lava Jato começaram em junho.

em

Sérgio Moro. (Foto: Isaac Amorim/MJSP)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, criticou os vazamentos das conversas obtidas de modo ilegal para prejudicar a Lava Jato.

Através do Twitter, Moro comentou o suposto conluio com a força-tarefa em Curitiba, afirmando que o material publicado está “beirando o ridículo”.

No microblog o ex-juiz falou que os jornalistas deveriam fazer uma reflexão “para não se desmoralizarem”, pedindo em seguida para que “se houver algo sério e autêntico, publiquem por gentileza”. O ministro não reconhece a autenticidade do material publicado pelo site The Intercept.

“Sou grande defensor da liberdade de imprensa, mas essa campanha contra a Lava Jato e a favor da corrupção está beirando o ridículo.Continuem, mas convém um pouco de reflexão para não se desmoralizarem. Se houver algo sério e autêntico, publiquem por gentileza”, destacou Moro.

Os vazamentos de conversas privadas das autoridades envolvidas na Lava Jato começaram em junho, após um hacker invadir os celulares e extraído os diálogos no aplicativo Telegram. Apesar do sensacionalismo, os trechos das conversas vazadas até agora não prejudicam os julgamentos na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, que era comandada pelo ex-juiz Sergio Moro.

Nos últimos vazamentos, o site acusa Moro de ter dado orientações ao procurador Deltan Dallagnol sobre como atuar em processos da operação. Mas o ex-juiz não reconhece os diálogos, apesar de não haver nada que comprometa seu julgamento no âmbito da Operação Lava Jato.

Segundo o site, Moro deu orientações ao procurador sobre como atuar em processos da Lava-Jato, inclusive em um que investigava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O ex-juiz ainda teria orientado os procuradores a divulgar uma nota para rebater pontos de contradição no depoimento de Lula, após o que teria chamado de “showzinho da defesa” do líder petista.

Publicidade