Siga-nos!

Política

“Se fosse deputado, Moro estaria preso”, diz Alcolumbre

Presidente do Senado avalia que troca de mensagens passou o limite ético.

em

Davi Alcolumbre e Renan Calheiros. (Foto: Marcos Brandão/Senado Federal)

Investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por irregularidades durante a campanha de 2014, quando se elegeu senador, Davi Alcolumbre (DEM-AP) considera que as mensagens vazadas ilegalmente entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, chefe da Lava Jato em Curitiba, são “graves”.

O presidente do Senado diz que as conversas vazadas onde o ministro da Justiça e Segurança Pública aparece trabalhando para punir corruptos revelam “problema ético”.

“Se fosse deputado ou senador, estava no Conselho de Ética, cassado ou preso”, afirmou ao Poder 360.

Alcolumbre também acredita que as mensagens, se forem verdadeiras, ultrapassaram o “ponto de vista ético” e que não deveria ter sido “naquele nível” o diálogo entre Sergio Moro e Dalagnol.

“Se isso for verdade, eu acho que vai ter um impacto grande, [mas] não em relação à Operação [por inteiro] porque ninguém contesta nada disso e não vai contestar nunca”, completou o senador.

A frente do Senado Federal, Davi Alcolumbre tem demonstrado não estar disposto a facilitar o avanço de pautas importantes para o governo Bolsonaro.

Constantemente o senador faz declarações críticas ao Planalto. Desta vez ele afirmou que “se forem cancelados 5 pacotes de dados na República, o Brasil vai bem, vai andar”. Referindo-se ao uso das redes sociais.

Sobre o desejo do governo para que o Congresso cancele o recesso parlamentar, Alcolumbre diz que “é difícil” e que não conseguiria manter a maioria dos senadores em Brasília.

Apesar de alvo constante de críticas da sociedade, o senador continua reclamando do modelo de governo de Jair Bolsonaro, que não admite negociar com partidos em troca de cargos.

“Depois da reforma da Previdência vai ser muito difícil unificar a Câmara e o Senado com esse modelo [de governo e de articulação política do presidente Jair Bolsonaro]”, disse.