Siga-nos!

Opinião

Rumores de guerra: os ânimos exaltados dos governantes mundiais

Os homens parecem estar mais dispostos ao conflito do que ao diálogo.

Abner Ferreira

em

Rumores de guerra: os ânimos exaltados dos governantes mundiais
Foto ilustrativa de uma guerra (Foto: ThePixelman)

Vivemos tempos difíceis. Isso pode ser observado em qualquer lugar do mundo. A polarização, as crises econômicas, as disfunções sociais, a instabilidade política e o extremismo religioso nunca nos ameaçaram tanto.

E isto, como bem sabe o cristão, é cumprimento das Escritoras: “Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos […], mais amigos dos prazeres que amigos de Deus” (2 Timóteo 3.1,2,4).

O próprio Mestre nos advertiu de que nos últimos dias haverá “guerras e rumores de guerras” e que “se levantará nação contra nação e reino contra reino” (Mateus 24.6 e 7).

Nós vivemos tempos assim, onde os homens parecem estar mais dispostos ao conflito do que ao diálogo. Qualquer coisa vira motivo de ameaças e indisposição entre as nações, levando muitas vezes ao conflito bélico.

Apesar de entendermos que essas coisas acontecem para cumprir as Escrituras, acredito também que o cristão não deve se conformar com isso, mas buscar transmitir o padrão de paz ensinado por Jesus Cristo.

Afinal, às Escrituras nos ensinam que devemos seguir “a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12.14).

Por isso, os líderes governamentais, principalmente aqueles que manifestam a fé cristã, precisam aprender a buscar o bem de todas as maneiras, pois os cristãos devem promover a paz e não o conflito.

Sabemos que a paz permanente só será alcançada através do governo de Cristo, que é o Príncipe da paz (Isaías 9.6), mas isso não significa que devemos nos conformar com o ódio e o conflito.

A verdade é que não podemos desistir de fazer o bem (Gálatas 6.9), pois um dia receberemos nossa recompensa, se não desfalecermos.

Contudo, o que tenho visto é que existem pessoas que se dizem cristãos, mas gostam de promover embates, conflitos e ódio entre as pessoas. Ignoram toda a dor e sofrimento que esses conflitos causam.

Não posso concordar que os cristãos estejam conformados com os rumos que o mundo está tomando. Acredito que o cristão deve repudiar toda a forma de violência e promover a paz entre os povos.

Tenho convicção que essa perspectiva é compartilhada por todos os pastores que tem a Bíblia como guia de conduta. Ninguém quer ver os homens se digladiando e a humanidade sofrendo por tantas guerras.

A célebre frase de Benjamin Franklin traz a melhor expressão sobre o que estou tentando transmitir: “Nunca houve uma guerra boa nem uma paz ruim”.

O cristão genuíno deve anunciar o “evangelho da paz” (Efésios 6.15) e promover o amor, a fraternidade e o diálogo, refutando o ódio e a violência. Demos instruir os governos a acalmar os ânimos.

Cristão, advogado, esposo, escritor, discípulo e Presidente da Assembleia de Deus em Madureira.

Publicidade