Siga-nos!

Internacional

Relatório de liberdade religiosa dos EUA aponta países hostis ao cristianismo

A lista é usada para punir países com sanções econômicas

Avatar

em

Monumento à Fundação do Partido dos Trabalhadores
Monumento à Fundação do Partido dos Trabalhadores em Pyongyang, na Coreia do Norte. (Foto: Reuters / Damir Sagolj)

O Departamento de Estado dos Estado Unidos divulgou na semana passada o relatório de liberdade religiosa, documento que ponta países hostis ao cristianismo como Mianmar, China, Eritreia, Irã, Coreia do Norte, Paquistão, Arábia Saudita, Sudão, Tajiquistão e Turcomenistão.

Segundo o secretário de Estado dos Estados Unidos, Michael Pompeo, o relatório aponta “uma série de abusos cometidos por regimes opressivos, grupos extremistas violentos e cidadãos individuais”.

Leia mais...

A lista é usada para exigir que esses países melhorem as condições de minorias religiosas para não serem punidos com sanções econômicas.

“Países de Preocupação Particular, que são os infratores mais notórios, segundo o governo do país. A lei exige que o Congresso norte-americano promulgue sanções econômicas aos países da lista, caso tentativas diplomáticas não econômicas não consigam exterminar as violações à liberdade religiosas”, diz o documento.

Para o embaixador americano para a liberdade religiosa internacional, Sam Brownback, o Irã tem “um dos piores registros sobre liberdade religiosa no mundo”, disse ele, e a China “declarou guerra à fé”.

Através de um comunicado divulgado na semana passada, o presidente da comissão da Liberdade Religiosa, Tony Perkins, incitou o governo a adotar uma posição mais agressiva em relação aos países da lista.

“Encorajamos o Departamento de Estado a abster-se de usar sanções preexistentes ou renúncias indefinidas que forneçam pouco ou nenhum incentivo aos governos dos países designados por essa lista para reduzir ou suspender violações notórias de liberdade religiosa”, disse ele.

Vale dizer que os países listados pelo relatório de liberdade religiosa dos Estados Unidos também aparecem na Lista Mundial da Perseguição 2019, lançada pela Portas Abertas.

Continue lendo