Siga-nos!

devocional

Refletindo como um espelho

Paulo utiliza diversas imagens para explicar o que pretende transmitir, como o véu, a prisão, o teatro ou o espelho.

José Brissos-Lino

em

Espelho no chão refletindo o céu (Inga Gezalian / Unsplash)

O apóstolo fala na sua segunda Carta aos Coríntios (3:15-18) sobre os judeus que não reconhecem Cristo e depois apresenta uma imagem do que deve ser o cristão. Para isso utiliza um conjunto de metáforas a fim de ilustrar o seu pensamento.

O véu

O véu é um tecido que encobre, mas não totalmente. Paulo explica que a lei de Moisés para os judeus era como uma espécie de véu que não permitia ver com nitidez: “E até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles” (v 15). Este era o véu da lei mosaica que não lhes permitia ver o Messias de Israel.

Mas logo de seguida explica que tal véu será tirado quando se converterem a Cristo: “Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará” (v 16). Só então eles poderão ver a realidade espiritual com toda a nitidez.

A prisão

A prisão é um lugar que restringe a liberdade da pessoa.

Paulo sugere de seguida que a lei de Moisés era uma espécie de prisão, mas que os israelitas convertidos a Cristo entrariam então em verdadeira liberdade espiritual: “Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade” (v 17). E porquê? Porque a lei já fora cumprida por Jesus em seu lugar. É como se eles estivessem encarcerados numa jaula, mas sem saber que a porta não estava trancada e que podiam aceder à liberdade.

Assim, a postura do cristão não será cobrir o rosto com qualquer véu – seja o véu da lei de Moisés ou de um sistema religioso qualquer – mas permanecer de rosto descoberto, o que significa sem máscaras.

O teatro

O teatro é a arte de representação da vida, isto é, a vida em palco.

A máscara era tradicional no teatro grego naqueles dias e a cultura secular no I século era de forte influência helénica. Com a máscara o actor representava uma dada personagem no palco. Mas ela pode significar também a hipocrisia, uma vez que esconde o rosto do actor.

Por isso, o apóstolo procurou contrastar a máscara do actor no teatro com o seu próprio rosto, descoberto, pois só assim podemos reflectir a glória do Senhor que em nós habita, como um espelho: “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (v 18).

O espelho

O espelho reflecte uma determinada imagem. Neste caso trata-se duma imagem que não é física mas moral e espiritual. A mensagem verbal e não verbal que passamos aos outros entende-se através da nossa postura, isto é, os nossos actos e palavras, que os outros podem observar.

O apóstolo Tiago também recorre à metáfora do espelho na sua epístola. Mas enquanto Tiago fala dum reflexo da nossa própria imagem frente ao espelho, no confronto com a Palavra de Deus (1:23,24), Paulo refere-se à capacidade de reflectir para os outros o Cristo que está em nós, como um espelho (II Coríntios 3:18).

No fundo é disso que o mundo necessita, de ver Cristo e não os cristãos. Mas se os cristãos não reflectem o seu Senhor sem máscaras, de rosto descoberto, ao contrário dos actores no antigo teatro grego, se apenas podemos ver neles o ego de cada um, o reflexo da sua organização eclesiástica, dos seus princípios doutrinários particulares ou da sua agenda política, Cristo vai permanecer escondido.

As pessoas andam azedas devido à pandemia e à incerteza, um pouco em todo o mundo. Mas os filhos de Deus podem e devem reflectir a glória do Senhor no seu rosto descoberto, sem as máscaras da religiosidade, da moralidade, da superioridade ou quaisquer outras. Até porque, “é necessário que ele cresça e que eu diminua” (João 3:30).

Nasceu em Lisboa (1954), é casado, tem dois filhos e um neto. Doutorado em Psicologia, Especialista em Ética e em Ciência das Religiões, é director do Mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, em Lisboa, coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo e investigador.

Trending