Siga-nos!

Mundo Cristão

Psicoterapeuta conta como venceu a homossexualidade e o desejo de se tornar mulher

Ele teve uma vida dupla por anos, até que tentou se matar para acabar com a dor que sentia e então tudo mudou em sua vida.

em

Jim Pocta. (Foto: TGC)

O psicoterapeuta Jim Pocta escreveu um artigo para o site The Gospel Coalition contando sua história de vida que inclui o transgenerismo, a homossexualidade e uma tentativa de suicídio.

Hoje ele é conselheiro bíblico e fala abertamente sobre tudo que passou, revelando que aos 5 anos de idade já acreditava ser uma menina no corpo de menino.

Ele tinha seis irmãs e, quando ninguém estava olhando, ele se vestia com as roupas delas.

“De alguma forma eu simplesmente sabia [que era uma menina]. E eu também sabia que havia algo errado com isso, então eu teria que guardar para mim mesmo”, revelou.

Pocta disse que, enquanto os meninos da sua idade sonhavam em jogar na World Series, campeonato de basebol, ele sonhava em se tornar uma mulher fabulosa e ter um namorado bonito.

Por ter um pai alcoólatra, ex-militar, com tendências violentas, ele resolveu guardar o seu segredo até que aos 14 anos relevou que “poderia ser gay”, seu pai lhe contou que espancava gays em Cleveland. “Recuei rapidamente e sabia que teria que viver sozinho”.

Aos 18 anos ele encontrou o Evangelho, mas ao ser informado de que poderia perder a salvação por sua orientação sexual, resolveu não seguir a religião, foi servir na Marinha dos EUA e assumiu sua homossexualidade.

Enquanto estava na Marinha, ele conheceu um marinheiro, Tom, que estava interessado em fazer um estudo bíblico com ele. Pocta concordou, mas não disse a Tom que ele era gay e transgênero.

“Eu trabalhava como cozinheiro da Marinha durante o dia, me encontrava com Tom e memorizava seus versos. Depois, eu voltava para casa, para meu povo, onde me vestia de mulher e me envolvia em imoralidade e bebidas. Era a vida dupla perfeita”, disse ele.

Não demorou muito para que Pocta fosse batizado em uma megaigreja, solidificando seu compromisso com “encenação”. A Marinha o enviou para o exterior, onde decidiu deixar seu antigo estilo de vida para trás – pelo menos na superfície.

Enquanto estava no exterior nas Filipinas, Pocta conheceu Linda – uma enfermeira da escola que estava interessada no ministério – e a propôs em casamento. Após o casamento, os dois se mudaram para Dallas, onde Pocta começou a frequentar o Dallas Bible College.

Mesmo casado ele continuava sentindo atração por homens e também sentia um desejo de se tornar mulher. “Eu tentei negar, mas o desejo não iria embora. Então, eu fingi com mais força”.

Dessa relação ele teve um filho, diante da gravidez de Linda, resolveu que precisava de ajuda e começou a frequentar um grupo de apoio que, mais tarde, decidiram iniciar um ministério para gays e lésbicas, isso em meados do final dos anos 80, diante da epidemia de Aids.

Mas depois de um tempo o ministério falhou. “Acabei deixando o ministério, depois a igreja e, finalmente, Deus. Eu essencialmente abandonei minha querida esposa. Eu falhei com meus filhos. Eu me provei inútil, sem esperança, impotente”, declarou.

Lutando contra a depressão e o transtorno bipolar, Pocta pensou em suicídio e começou a escrever sua carta revelando que sempre fingiu ser alguém que não era e não queria mais fingir.

Mas enquanto ele preparava sua carta de despedida para sua esposa, ela entrou pela porta muito mais cedo do que o esperado, frustrando seus planos de se matar.

Ela informou que ele precisava lamentar as mágoas de seu passado, forçando-o a lidar com os abusos, os insultos, o bullying e a humilhação que ele havia sofrido ao longo de sua vida.

“Foi quando eu percebi que Jesus poderia ter parado tudo, mas ele não parou. Ele deve ter pensado em algo melhor”, disse Pocta.

“Redenção. Era isso que ele estava planejando para mim. Por não ter medo de sentir a dor que vem do pecado, tristeza, vergonha e sofrimento, encontramos reconciliação e redenção”, declarou.

Depois de se arrepender e realmente lamentar seu passado, Pocta disse que agora é capaz de “amar Linda como o homem que eu fui projetado para ser” e “ser um pai de verdade para meus três filhos”.

E ele continua: “Posso me alegrar na minha história hoje – tudo – porque as impressões digitais de Jesus estão em todas as páginas”, escreveu ele. “Eu posso abraçar a minha história porque fui abraçado pelo autor da minha história.”

Hoje Pocta é conselheiro bíblico e também dirige o Pocta Counselling em Dallas (Texas – EUA), aconselhando homens e mulheres que sofrem de depressão, ansiedade, vício em sexo, raiva, tendências suicidas e problemas conjugais.

Publicidade