Siga-nos!

testemunhos

Psicopata ateu planejava matar seu pai, mas foi alcançado por Jesus

Homem encontrou Jesus Cristo na prisão, após ler a Bíblia.

em

David Wood e sua família (Foto: Reprodução/God Reports)

David Wood queria provar que não respeitava as regras sociais, então planejou cometer um assassinato, mas não mataria qualquer pessoa, ele desenvolveu um plano para matar seu próprio pai.

“Algumas pessoas não querem viver como gado”, explica David em seu canal Atos 17 Apologetics, no YouTube. “Algumas pessoas não querem seguir esse padrão que todos nós devemos seguir sem pensar. Alguns preferem bater na cabeça de um homem, ou atirar em um teatro, ou andar pelo corredor da escola esfaqueando as pessoas. Por que não deveriam? Porque está errado? Por causa da sua avó? Ou as pessoas têm valor intrínseco? Os seres humanos eram (para mim) nada além de máquinas para propagar o DNA.”

De acordo com o God Reports, desde a infância David tinha tendências que colocavam seu comportamento como de um psicopata. Além disso, tornou-se ateísta, além de ser um adepto da filosofia niilista.

Quando seu amigo morreu, David não sentiu nada. Quando sua mãe foi espancada por um namorado, ele também não sentiu nada. Havia se tornado um monstro por dentro, sem sentimentos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Não me lembro de nunca ter vivido com violência na família”, diz David no Premier Christianity . “Minha mãe costumava ter namorados muito abusivos. Uma das minhas primeiras lembranças foi ouvir muitos gritos e entrar na cozinha e ver sangue por toda parte, e minha mãe dizendo: ‘É ketchup, volte para a cama.’”

Ao longo dos anos, David passou a infringir regras sociais, invadindo casas, fugindo da polícia e causando problemas. Para David, a moralidade era, na melhor das hipóteses, uma “ficção útil”.

“Minha visão de mundo ateísta era de todo o universo ou através do tempo, somos coleções de células”, diz ele. “Você pode matar 1.000 pessoas ou pode passar a vida inteira ajudando as pessoas. Não faz nenhuma diferença real. Você também pode fazer o que quiser com o tempo que tem.

Filosofia

A influência da filosofia niilista levou ele a adotar o autoconceito nietzschiano de um ubermensch . Ele estava bravo com a sociedade por tentar fazer uma “lavagem cerebral” nele com suas regras. A coisa certa a fazer, ele acreditava, era livrar-se de todas as restrições e provar sua superioridade. Ele era “Humanidade 2.0”.

Ao longo do tempo, ele acreditava que estava certo em sua forma de ver a vida, que todos os outros é que estavam errados e que ele era o único inteligente e sensato. Com isso, David começou a estudar como construir bombas, mas acabou rejeitando o assassinato em massa porque era muito prosaico.

“Qualquer um pode explodir um monte de pessoas aleatórias, você não as conhece”, diz ele. “Se você está cansado da vida pendurada no final das cordas da sociedade, a matança tem que começar muito mais perto de casa. Meu pai era o único parente que eu tinha em algumas centenas de quilômetros e, portanto, ele obviamente precisava morrer, e eu tinha um martelo de caneta esférica que faria o truque.”

Com 18 anos, David planejava matar seu pai, buscando algo errado que motivasse o ataque contra ele, mas não conseguia pensar em nada. Mesmo sem motivo, ele decidiu atacar o pai de qualquer maneira, golpeando com um martelo.

“Eu subestimei a quantidade de dano que uma cabeça humana poderia suportar, crânios esmagados aparentemente poderiam ser reconstruídos por médicos”, diz ele. “Meu pai teve danos cerebrais, mas sobreviveu ao ataque.”

David foi preso e sentenciado a 10 anos de prisão por “ferimento doloso” sob a lei de Nova York.

Depois de ser preso, ele conheceu um cristão chamado Randy, na prisão, de quem zombou por sua fé. Mas Randy não se intimidou e passou a debater com David, que depois tornou-se seu amigo.

Jejum

Para compor argumentos para refutar o cristianismo, David começou a ler a Bíblia. Como Randy jejuava, David decidiu que também jejuaria, com o objetivo de superar Randy.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Entramos na primeira batalha de jejum do mundo. Não era uma batalha para ele. Ele não estava tentando me superar”, diz David. “Mas eu certamente estava tentando superá-lo.”

Foi no 11º dia de um jejum, quando seu objetivo era atingir 42 dias para superar os 40 dias de jejum de Randy, que David caiu e bateu a cabeça. Como a história de David já era conhecida na prisão, os funcionários pensaram que ele estava tentando morrer de fome e o transferiram para um isolamento monitorado.

Mas uma coisa engraçada aconteceu na cela solitária onde ele lia a Bíblia vorazmente para debater com Randy.

“Eu não comia há dias e li Jesus dizendo: ‘Eu sou o Pão da Vida. Quem vem a mim nunca passará fome’”, lembra. “Eu estava obcecado em me libertar de uma sociedade que me prendeu em uma cela de 1,80 por 2,5 metros, e eu li, ‘Se o Filho te libertar, você será realmente livre'”, lembra.

Liberdade

Ele relata ter sido tomado por três ideias que lhe perturbaram a mente. A primeira dizia respeito ao design inteligente. “A célula viva básica é inimaginavelmente mais complicada do que alguns tijolos empilhados na parede”, que não chegaram lá sozinhos, explica ele.

A segunda ideia era que, na sua concepção, não fazia sentido que todos os discípulos fossem voluntariamente ao martírio para defender uma mentira, se a autopromoção fosse o motivo para inventar a história da ressurreição.

“Terceiro, comecei a me preocupar que Jesus pudesse realmente ser melhor do que eu”, diz ele. “Eu tinha duas crenças que simplesmente não combinavam. Por um lado, eu acreditava que os seres humanos eram apenas pedaços de células sem sentido e tudo era inútil. Ao mesmo tempo, acreditava que era a melhor e mais importante pessoa do mundo”, lembra.

Para haver uma pessoa melhor, tinha que haver um padrão de bem estabelecido por uma fonte externa, como Deus. Nesse caso, ele não era o melhor, mas Jesus era.

“Em um momento de clareza, tudo me atingiu: eu sou um cara que uma vez sufocou meu amigo até sair espuma sangrenta de sua boca, eu bati nele com uma pá porque ele discordou de mim”, ele supôs. “Que sentido fazia pensar que eu era o melhor?”

Ao enfrentar a verdade de sua vida naquela cela de isolamento, David perguntou: “Quem tinha a capacidade de pegar pessoas psicologicamente, emocionalmente e espiritualmente destroçadas e dar-lhes uma nova vida? Recebemos uma lista de um.”

Salvação

David caiu de joelhos naquela cela em 1996. Após uma oração encontrada em um estudo bíblico preparado na prisão, o psicopata finalmente reconheceu que era um pecador que precisava de um Salvador.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Se você pode fazer qualquer coisa comigo, você é bem-vindo,” ele orou. “Quando me sentei daquela oração, o mundo inteiro parecia diferente, como se tudo tivesse uma cor diferente. Pela primeira vez em muitos anos, eu não queria machucar ninguém.”

Depois de cinco anos atrás das grades, David foi solto em 2000. Ele se matriculou na Old Dominion University, onde conheceu e se casou com Marie e fez amizade com Nabeel Qureshi, a quem ele trouxe a Jesus após longos debates. Sua exposição a vencer este muçulmano o levou ao ministério apologético que ele tem hoje, um cristão que alcança os muçulmanos com a verdade descarada sobre o Islã.

David, agora com 46 anos, expõe os excessos do Islã moderno, a hipocrisia dos apologistas muçulmanos que tentam tornar o Islã atraente para o público moderno via YouTube. Ele debate com proponentes proeminentes do Islã.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending