Siga-nos!

Opinião

As profecias bíblicas, Irã, EUA, Israel e a terceira guerra mundial

O que o profeta Ezequiel fala sobre a tensão e os rumores de guerra atualmente.

Alexandre Dutra

em

EUA, Irã, Iraque e Israel. (Foto: Reprodução / Montagem)

O Irã entra na história bíblica e profética, ainda como Pérsia, através de seu mais famoso guerreiro e conquistador, Ciro, o grande, que estrategicamente uniu os medos e os persas na conquista da Babilônia (539 A.C.), pondo fim ao império do grande e terrível rei Nabucodonosor. O Império Persa, na época do rei Assuero, descendente de Ciro, se estendia da Índia à Etiópia (Ester 1:1-2).

Foi no governo persa que o povo judeu teve autorização real, apoio político e material para voltar para a terra de Israel, por meio de decreto para restaurar e construir a cidade de Jerusalém e seus muros, conforme Daniel 9:25a: “Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém”. Esse decreto foi dado por Artaxerxes Longimanus, em 445 a.C. (Neemias 2.1-8), dando início à reconstrução da cidade, dos muros e do Templo de Salomão.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Foi, todavia, durante o Império Persa, na época da rainha Ester, que o povo judeu travou uma de suas maiores batalhas pela sobrevivência.

Hamã, inimigo mortal de Israel, ascendeu a ministro do Império, e, de forma vingativa, elaborou a morte de todos os judeus, fazendo a seguinte proposta indecorosa ao rei Assuero: “Se bem parecer ao rei, decrete-se que os matem; e eu porei nas mãos dos que fizerem a obra dez mil talentos de prata, para que entrem nos tesouros do rei” (Ester 3:9).

Ao saber do plano macabro de Hamã, Mardoqueu, o judeu, assistente do rei, mandou avisar à rainha Ester que seu povo, sua família e ela mesma corriam iminente perigo de aniquilação. Ester se colocou diante do rei (Et.5:1-3) e rogou por sua vida e pela de seu povo (Et.7:1-6). Hamã foi desmascarado e executado (Et.7:7-10), e os judeus foram salvos pela intervenção do rei persa. Portanto, concluímos que a relação dos antigos persas com o povo judeu foi positiva no período bíblico.

Os judeus na Pérsia no período pós-bíblico

As relações da Pérsia com os judeus nos séculos seguintes foram relativamente boas e amistosas. Muitas famílias judaicas no fim do cativeiro não retornaram para Israel, mas se estabeleceram, permanentemente, tanto na Babilônia (atual Iraque) quanto em Susã (antiga capital do Império Persa), mantendo seu vínculo histórico com Israel e servindo a nação que os acolheu.

As tradicionais famílias de judeus persas permaneceram no Império Persa por, aproximadamente, dois mil e quinhentos anos, convivendo com o zoroastrismo (religião antiga dos persas), e prosperaram em todas as áreas em que lhes foi permitido atuar pelos reis (Xás) persas.

Passaram pelo colapso do Império Aquemênida em 330 a.C. após as conquistas de Alexandre, o Grande, depois pelo Império Sassânida em 224 d.C., até que, em 633, árabes muçulmanos invadiram o Irã, conquistando o país por volta de 651. Com o surgimento do Império Safávida (1501), promoveu-se o xiismo islâmico como a religião oficial, em detrimento do sunismo (corrente ou tradição religiosa muçulmana dos sunitas), que durou até 1722.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Já no período moderno, temos o governo dos Xás (reis), com o grande guerreiro e general persa Nader, que se tornou o Xá do Império Persa. Em 1906 houve a Revolução Constitucional Persa, e se estabeleceu o primeiro parlamento da nação, que operava dentro do sistema político de monarquia constitucional. Já em 1935, por meio de um decreto real, mudou-se o nome de Pérsia para Irã, que significa “terra dos arianos”.

Após um golpe de Estado apoiado por Reino Unido e Estados Unidos, em 1953, o Irã tornou-se gradualmente autocrático. A crescente oposição contra a influência estrangeira e a repressão política culminou no fim da monarquia dos Xás através da Revolução Iraniana, liderada pelos aiatolás (os mais altos dignitários na hierarquia religiosa xiita), em 11 de Fevereiro de 1979, desde então, a nação é chamada de República Islâmica do Irã.

A comunidade judaica no Irã

Comunidade judaica no Irã. (Foto: BEHROUZ MEHRI / AFP)

Apesar de todos estes acontecimentos envolvendo a nação dos antigos persas, a comunidade judaica continua presente no atual Irã: “os 25 mil judeus que ainda vivem no país podem praticar a sua fé. Isto é, com a condição de que não se envolvam na política e não se manifestem a favor de Israel” (Revista Judaica Morashá).

Historicamente, os judeus do Irã já foram em número muito maior, a evasão em massa intensificou-se depois da independência do Estado de Israel, prática que contabiliza, a cada ano, centenas de judeus que deixam o Irã e imigram para Israel (não sem grandes dificuldades burocráticas promovidas pelo governo de Teerã). E soma-se 80% os números dos judeus iranianos que abandonaram o país depois dos acontecimentos políticos ocorridos no Irã, a partir de 1979, quando a Revolução Islâmica colocou o aiatolá Ruhollah Khomeini como líder supremo do país e muitos judeus foram executados sob a acusação de serem sionistas (pró-Israel).

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Desde a Constituição Iraniana de 1979, sujeitou-se os judeus ao status de dhimmi, isto é, a todas as restrições impostas pelo Islã às minorias religiosas, o que impede a comunidade judaica iraniana a se manifestar contra o governo, ou mesmo a favor de Israel e EUA: “Além disso, a vida comunitária é totalmente monitorada pelo Ministério da Cultura e Guia Islâmico, bem como pelo da Inteligência e Segurança” (Revista Judaica Morashá).

Irã, Iraque, EUA e Israel na Equação

Dado esse pano de fundo bíblico/histórico, podemos partir para uma análise do atual momento envolvendo o Irã, Iraque, EUA e Israel.

O conflito dos EUA com o Irã tem seu início, ou pelo menos seu marco histórico, no ataque à embaixada americana no Irã por jovens estudantes militantes e islâmicos, que a tomaram em 04 de Novembro de 1979, quando 52 norte-americanos foram feitos de reféns, sendo libertos apenas no dia 20 de Janeiro de 1981, depois de 444 dias, em face do acordo de Argel, na Argélia, em 19 de Janeiro de 1981.

Esta atitude contra a soberania americana foi entendida como uma reação iraniana radical contra: a presença estrangeira no país; a tentativa de “ocidentalizar” uma nação predominantemente muçulmana; a liderança do Xá Mohammad Reza Pahlavi, em face de sua aproximação ao ocidente, especialmente ao governo americano, e da corrupção em seu governo.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A partir de então, os EUA passaram a ser o “grande Satã” para a liderança dos aiatolás no Irã, servindo como agente catalizador de uma unidade nacional contra um inimigo externo, bem distante, o que frustrava qualquer ideia democrática e permitia uma repressão interna.

A tentativa iraniana de influenciar religiosamente o Iraque, país vizinho de maioria xiita governado, com mão de ferro, pela minoria sunita, foi por água abaixo quando o presidente e ditador Saddam Hussein iniciou um ataque ao Irã no dia 22 de setembro de 1980. A guerra Irã-Iraque durou 8 anos (término: 20 de agosto de 1988, após a Resolução 598 da ONU) e resultou em um banho de sangue, com grandes perdas de vidas entre os combatentes e a população civil (oficialmente 1 milhão de mortos).

Com a queda do regime de Saddam Hussein em 2003, a relação entre Irã e Iraque começou a se normalizar, a ponto do Iraque permitir que muçulmanos xiitas do Irã fizessem suas peregrinações a lugares sagrados xiitas no país. Em março de 2008, o presidente Mahmoud Ahmadinejad foi o primeiro presidente iraniano a visitar o Iraque desde a revolução islâmica de 1979. O premiê iraquiano Nouri al-Maliki fez várias visitas de Estado ao Irã desde 2006. Em janeiro de 2010, Irã e Iraque assinaram mais de 100 acordos econômicos e de cooperação («Mottaki: No one can harm Iran-Iraq relations»).

Essa aproximação só foi possível devido à ascensão dos muçulmanos xiitas ao governo iraquiano, o que também possibilitou a entrada ilegal de muitos iranianos no Iraque para apoiar os grupos insurgentes, além de fomentar a retaliação às tropas americanas no Iraque. Além disso, o Irã tem enviado armamentos e tropas terrestres ao Iraque para auxiliar na luta contra os extremistas da al Qaeda e contra o Estado Islâmico (grupos terroristas de orientação sunita) no Iraque.

Podemos afirmar que, atualmente, o governo de Teerã é o maior aliado de Bagdá, algo simplesmente impossível há duas décadas. Esta aproximação justifica a presença do terrorista iraniano Qasem Suleimani no Iraque.

Israel entrou na equação como efeito colateral, como peão no jogo de xadrez, o bode expiatório.

Qasem Soleimani – O general terrorista admirado no Irã

Qasem Soleimani. (Foto: AFP / Getty)

Quem é Qasem Soleimani e por que no “dia 3 de janeiro de 2020, o presidente Donald Trump, autorizou um ataque aéreo por meio de um drone MQ-9 Reaper contra um comboio que viajava perto do Aeroporto Internacional de Bagdá”? (BBC Brasil). “O ataque causou a morte de dez passageiros, incluindo o general iraniano Qasem Soleimani, o vice-comandante das Forças de Mobilização Popular do Iraque, Abu Mahdi al-Muhandis, além de quatro altos oficiais iranianos e quatro oficiais iraquianos” (BBC Brasil).

De acordo com a BBC Brasil “Trump alegou que Soleimani tem cometido atos de terror para desestabilizar o Oriente Médio nos últimos 20 anos”. Cabe destacar que o ataque contra o general e terrorista Soleimani aconteceu poucos dias após manifestantes invadirem a embaixada dos EUA em Bagdá, entrando em confronto com as forças americanas no local. De acordo com o Pentágono, Soleimani teria aprovado os ataques à embaixada, assim como uma resposta a um ataque de míssil contra uma base militar no Iraque, que matou um civil americano na sexta-feira passada.

Nas palavras de Filipe Figueiredo, Soleimani foi quem “articulou a operação russa na Síria, para manter Assad no poder, forneceu equipamentos e treinamento aos houthis do Iêmen, arregimentou os diversos grupos iraquianos em uma frente coesa e transformou as relações entre Irã e o Hezbollah em uma parceria que transpôs as fronteiras do Líbano, presentes hoje na Síria e no Iraque”. Além disso, também foi ele quem articulou e pensou o atentado no centro judaico em Buenos Aires, em 1994, que deixou 300 feridos e 85 mortos.

Por quê o Irã e EUA estão envolvidos no confronto?

O Irã e os EUA estão envolvidos diretamente nesse confronto pelo fato de estarem disputando influência no Iraque, devido à sua importância estratégica, em face da presença de petróleo no país (5o maior produtor de petróleo do Mundo), e tendo em vista sua importância para manter um equilíbrio mundial na produção de petróleo juntamente com a Arábia Saudita.

O Irã sempre teve uma importância geopolítica significativa devido à sua localização, no cruzamento entre o Sul, o Centro e o Ocidente da Ásia. E, principalmente, em face das suas grandes reservas de combustíveis fósseis, que incluem a maior oferta de gás natural no mundo, a quarta maior reserva comprovada de petróleo e o escoamento deste para Rússia e China, seus maiores compradores e aliados políticos.

Por isso, este tem disputado a liderança política e religiosa na região do Oriente-Médio, principalmente contra a Arábia Saudita (aliada dos EUA). Acredito que agora esteja explicado porque o aumento no preço do petróleo nos últimos dias.

A retaliação imediata do Irã como ato de vingança à morte de seu famoso general terrorista foram os ataques a duas bases americanas no Iraque, sem vítimas americanas e com baixo prejuízo material.

O que foi uma demonstração de força externa dos aiatolás para o público interno, mas sem maiores complicações no atual confronto com os EUA. São temerosas, porém, as retaliações que virão através de atentados terroristas. Uma vez que a vida alheia não tem valor algum para o radicalismo dos líderes iranianos (vide a notícia da morte de cinquenta pessoas pisoteadas e as centenas de feridos no sepultamento de Qasem Soleimani).

Israel, no confronto indireto contra o Irã

Quanto às ameaças do líder religioso supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, e de seus porta-vozes de atacar Israel, se os EUA atacarem o Irã em resposta à retaliação ou “terrível vingança”, Tzvi Jofrre registrou: “Se o [presidente dos EUA, Donald] Trump retaliar a vingança do Irã, atacaremos Haifa, Tel Aviv e acabaremos com Israel”, disse Mohsen Rezaei no domingo.

O secretário acrescentou que o Irã é “muito sério” em se vingar e teria como alvo todos os interesses dos EUA na região. “O assassinato do mártir General Soleimani estabeleceu uma nova revolução no Irã contra a América”, disse Rezaei.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em coletiva de imprensa concedida no dia 8 de janeiro de 2020, ao lado do embaixador americano em Israel, David Friedman, advertiu o Irã de que o país sofrerá “um golpe esmagador” se atacar Israel.

Os altos oficiais de segurança israelenses reportaram ao gabinete de defesa que é improvável que o Irã ataque Israel em retaliação à ação dos EUA, que matou Soleimani no Iraque.

Também, nesta segunda-feira (6), em seus primeiros comentários públicos, o major-general israelense, Herzi Halevi, chefe do Comando Sul das IDFs, disse que o episódio faz parte do conflito entre o Irã e os EUA por busca de influência no Iraque. Halevi disse que Israel está pronto para lançar uma “resposta significativa” se a retaliação da República Islâmica incluir operações de seus aliados palestinos, como a Jihad Islâmica Palestina, com sede em Gaza.

Apesar das chances serem baixas de um ataque do Irã ao país dos judeus, as Forças de Defesas de Israel (IDFs) estão se preparando militarmente para proteger as fronteiras com a Síria e o Líbano e reforçando a defesa na região da Faixa de Gaza.

Posicionamento do Brasil

Uma leitura da nota oficial do Itamaraty mostra um posicionamento claro e maduro sobre o terrorismo ao afirmar: “Ao tomar conhecimento das ações conduzidas pelos EUA nos últimos dias no Iraque, o Governo brasileiro manifesta seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo e reitera que essa luta requer a cooperação de toda a comunidade internacional sem que se busque qualquer justificativa ou relativização para o terrorismo”.

Demonstrou-se, portanto, que se deixou um posicionamento passivo para um posicionamento ativo no combate ao terrorismo: “Diante dessa realidade, em 2019 o Brasil passou a participar em capacidade plena, e não mais apenas como observador, da Conferência Ministerial Hemisférica de Luta contra o Terrorismo, que terá nova sessão em 20 de janeiro em Bogotá”. Se apoiando em condições sine qua non, “O Brasil condena igualmente os ataques à Embaixada dos EUA em Bagdá, ocorridos nos últimos dias, e apela ao respeito da Convenção de Viena e à integridade dos agentes diplomáticos norte-americanos reconhecidos pelo governo do Iraque presentes naquele país”.

A questão profética – 3a Guerra Mundial?

O profeta Ezequiel no seu capitulo 38 profetizou que, no futuro, ou nos últimos tempos, a nação de Israel seria terrivelmente atacada por uma coalizão que viria do extremo norte de Israel, liderada por Gogue, da terra de Magogue, de uma forma devastadora: “Então subirás, virás como uma tempestade, far-te-ás como uma nuvem para cobrir a terra, tu e todas as tuas tropas, e muitos povos contigo” (Ez.38:9).

Gogue, o príncipe e chefe de Meseque, e Tubal não virão só, mas terão grandes e fortes aliados, incluindo a Pérsia (Ez.38:5), que é o atual Irã, para batalhar contra Israel.

Contudo, essa federação de nações, incluindo os persas, não prosperará e será derrotada: “E te farei voltar, e porei anzóis nos teus queixos, e te levarei a ti, com todo o teu exército, cavalos e cavaleiros, todos vestidos com primor, grande multidão, com escudo e rodela, manejando todos a espada” (Ez.38:4).

À primeira vista, isso pode parecer a 3a Guerra Mundial às portas, envolvendo Israel, Irã e muitas outras nações em uma grande batalha sangrenta (Ez.38:14-23).

Entretanto, a verdade é que essa porção profética refere-se a um período em que Israel estará vivendo em paz na terra (Ez.38:8-12), o que aponta para a primeira metade da Tribulação, quando Israel estará gozando de seu tratado de paz com o Anticristo nos primeiros três anos e meio (Dn.9:27; Ap.11:2; 12:6; 13:5).

Aliança de paz quebrada pelo próprio Anticristo, que moverá uma grande perseguição a Israel. Porém, este já é um outro assunto.

Pastor Batista, Diretor dos Amigos de Sião, Mestre em Letras - Estudos Judaicos (USP).

Continua depois da publicidade