Siga-nos!

política

Presidente do TRF-1 derruba liminar e Renan é escolhido relator da CPI

Decisão foi assinada pelo desembargador Francisco de Assis, presidente em exercício do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Avatar

em

Renan Calheiros
Renan Calheiros (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) conseguiu a relatoria da CPI da Covid-19, após ser escolhido pelo colega Omar Aziz (PSD-AM), eleito presidente da comissão que investigará responsabilidades no enfrentamento à pandemia.

A escolha de Renan se deu após o desembargador Francisco de Assis, presidente em exercício do TRF-1, derrubar uma liminar judicial que impedia o senador de assumir o cargo, já que o seu filho é um dos alvos da investigação, visto que é governador do Alagoas.

“A Suprema Corte, em diversas oportunidades, já assentou não ser possível ao Poder Judiciário a análise ou a modificação da compreensão legitimamente conferida às previsões regimentais de organização procedimental pela Casa Legislativa”, diz o magistrado.

“Especificamente quanto ao cerne da questão posta em exame, não há dúvidas de que a designação de senador para assumir a função de relator na CPI da Covid19 no Senado Federal configura ato interna corporis e, como tal, no que tange ao exercício dessa prerrogativa parlamentar, tal ato não se submete ao controle jurisdicional, em virtude da necessária manutenção da autonomia do Parlamento”, segue o desembargador.

“Conquanto tenha constado na decisão impugnada a determinação de que se obstasse a submissão do nome do Senhor Senador José Renan Vasconcelos Calheiros à votação para a composição da CPI da Covid-19 na condição de relator, é de se esclarecer que a designação de relator de Comissão é prerrogativa do Presidente da respectiva Comissão, conforme previsão do art. 89 do RISF”, escreve o desembargador.

“Diante de todo esse cenário, vislumbra-se a possibilidade de grave risco de dano à ordem pública, na perspectiva da ordem administrativa, diante de uma interferência do Poder Judiciário no exercício de prerrogativa conferida pelas normas regimentais internas das Casas Legislativas e que são inerentes ao exercício da própria atividade parlamentar”, segue o magistrado. “Ante o exposto, defiro o pedido para suspender, liminarmente, os efeitos da decisão proferida pelo Juízo da Segunda Vara Federal Cível da Seção Judiciária do Distrito Federal”, conclui.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending