Siga-nos!

cosmovisão

Por que tantas “igrejas” se ela é uma só?

Imagina se todas as igrejas fossem como a Bola de Neve, Batista Lagoinha, Aviva.

em

Igreja
Igreja (Foto: Direitos Reservados/Deposiphotos)

O apóstolo Paulo diz aos cristãos de Éfeso que toda a separação causada pelas leis judaicas foi derrubada por Cristo e Sua ressurreição (Efésios‬ ‭2:11-22).

Por que? Porque os mestres das leis judaicas diziam que somente o judeus eram considerados o povo de Deus, pois eles tinham descendência direta de Abraão e entendiam que todas as promessas que Deus derramou sobre ele seriam derramadas apenas sobre sua descendência, que era o povo de Israel.

Os judeus consideravam os outros povos pagãos, gentios e rejeitados por Deus, pois nenhum dos outros povos tinha descendência direta de Abraão, a não ser eles mesmos.

Porém, Jesus veio ao mundo e mostrou que Deus não era um Deus apenas de judeus, mas um Deus de todas as tribos, línguas e nações, e Israel somente tinha o privilégio de ser a nação modelo para as demais e aquela que daria o pontapé inicial para que todas as outras nações do mundo pudessem conhecer a Deus e Sua salvação através da morte e ressurreição de Jesus.

Portanto, Jesus ao morrer e ressuscitar, abriu a possibilidade para qualquer pessoa ser salva por Ele pela e ter o privilégio de ser íntimo dEle, tanto na terra como na eternidade.

A essas pessoas que entregaram, entregam e entregarão a vida para Jesus, chamamos de Igreja, ou seja, a união de todos os cristãos ao redor do planeta que têm o mesmo Deus, a mesma fé e os mesmos princípios bíblicos para seguir.

Por isso de fato, Jesus só possui uma Igreja, pois não existem mais de um tipo de Salvador e mais de um tipo de fé. É apenas um salvador e uma só fé, o que faz com que os cristãos brasileiros se tornem irmãos dos cristãos japoneses e assim se tornem apenas uma Igreja.

Mas nesse momento você pode perguntar: Se é apenas uma Igreja, por qual razão existem então tantas denominações? Isso é algo muito julgado e criticado, mas bem simples de entender e receber.

Depois que a Igreja Católica Romana foi confrontada em seus erros e heresias por Martinho Lutero, que protestou contra suas corrupções e idolatrias que iam totalmente contra a Palavra de Deus, surgiu finalmente o Movimento Protestante.

E, depois disso, surgiu a igreja baseada nos princípios que Lutero defendeu, chamada Igreja Luterana. Mais para frente outras mudanças aconteceram e surgiu a Igreja Calvinista, que era mais fiel as doutrinas que João Calvino ensinava.

O tempo foi passando e surgiu os batistas, também os movimentos pentecostais, que creem na manifestação dos dons espirituais. Surgiram mais tarde igrejas neopentecostais, que visam ensinar sobre Cristo com ênfase em símbolos judaicos. Depois também surgiram as comunidades baseadas em encontros de células ou pequenos grupos. E assim foram surgindo de tempos em tempos várias denominações evangélicas.

Em nossos tempos, temos Assembleia de Deus, Brasil para Cristo, Quadrangular, Deus é Amor, Aviva, entre outras, que seguem com algumas diferenças na forma de apresentar o Evangelho e no estilo de culto e liderança, mas permanecem unidas como uma só Igreja, porque mantém o mesmo Senhor e Salvador, que é Jesus, além da mesma fé e mesma Palavra.

Aquilo que une as denominações, que é Jesus, é bem maior do que aquilo que as separa, que são as suas diferenças teológicas ou forma de apresentação do Evangelho.

E aqui que está a resposta para a pergunta inicial: “Se a Igreja é uma só, porque existem tantas igrejas?”

Por Deus ser um Deus de todas as nações, tribos, povos e estilos, Ele permitiu que a Sua grande árvore chamada Igreja tivesse vários galhos e vários frutos diferentes, que chamamos de denominações. Isso para alcançar o maior número de pessoas possíveis e alcançar todos os tipos de pessoas usando vários tipos de denominações.

Imagine se todas as denominações fossem tradicionais, como aquelas que não são muito de aplausos e manifestação de dons? Muitos que não possuem esse estilo, não poderiam se adaptar a ela e com isso certamente teriam dificuldades em crescer na sua espiritualidade.

E se todas as denominações fosses pentecostais ou neopentecostais? Muitos que possuem um perfil mais quieto e intelectual não se adaptariam a tais igrejas e não conseguiriam praticar a comunhão com tais cristãos.

Imagina se todas as igrejas fossem como a Bola de Neve, Batista Lagoinha, Aviva, etc? Muitos que não gostam destes estilos de adoração ou culto ficariam desconfortáveis.

Por isso que devemos entender, receber e glorificar a Deus por Ele ter feito com que a sua Igreja, que é uma, pudesse se subdividir em várias denominações para que com isso todas as pessoas fossem alcançadas pelo Seu Evangelho de Salvação.

Mas aqui ainda cabe uma pergunta: “Quer dizer que qualquer grupo religioso pode ser considerado uma parte da Igreja de Cristo?” Não! Só pode ser considerada uma denominação evangélica que faz parte da única Igreja de Cristo quando essa instituição reúne pessoas que creem que Jesus é Deus, que é o único Senhor e Salvador, que a salvação é apenas por fé e não por obras e que a Bíblia é a Palavra de Deus.

Caso tal grupo não se adequar a essas normas, pode ser considerado religião, seita, ou qualquer outra coisa que não foi levantado por Deus, menos Igreja de Cristo.

Assim, glorificamos ao nosso Deus pai, ao nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo e ao Espírito Santo que guia e pastoreia Sua Igreja no caminho da verdade através de várias denominações evangélicas nesse mundo afora.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Pastor da Igreja Aviva Panambi, Bacharel em Teologia, Pós Graduado em Liderança Exemplar, especialista em Aconselhamento Pastoral e Libertação e Cura, Escritor com dois livros lançados, Músico e Compositor. É casado com Cíntia Stürmer e pai do Benjamin e Natanael.

Trending