Siga-nos!

Opinião

Por que a timidez é pecado?

Já parou para pensar no texto de Apocalipse 21.6-8?

Maycson Rodrigues

em

Timidez. (Photo by Akshar Dave on Unsplash)

“E disse-me mais: Está cumprido. Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida. Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho. Mas, quanto aos TÍMIDOS (ênfase minha), e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.”

É no mínimo intrigante a timidez estar presente na categoria de pecados perversos aos olhos de Deus. Causa certa estranheza que ser tímido é como ser incrédulo, abominável, homicida etc. Porém, é exatamente isso.

Uma melhor tradução deste versículo supracitado traz a palavra “covarde”, que aponta para aqueles que não vencem este mundo por meio da fé e perseverança. Esta denúncia afeta tantos os covardes (ou “tímidos”) quanto os incrédulos (vs. 8).

A timidez, aqui, não se trata de personalidade e sim de postura ante a uma demanda do Reino de Deus. É apatia espiritual, semelhante ao espírito de covardia que o apóstolo Paulo menciona na sua segunda carta à Timóteo (1.7).

Jesus é compreendido nos evangelhos como o Emanuel (Deus conosco), um homem “manso e humilde de coração (Mateus 11.28-30)”. No entanto, quando o vemos falando em Apocalipse, percebemos que sua voz não é a de um Cordeiro, mas de um Leão.

Jesus, no capítulo 21 de Apocalipse, está completando a redenção dos santos. Aqueles que vieram a Ele pela fé, agora bebem da água da vida e não sofrerão nunca mais (vs. 4). Ele mesmo limpará dos olhos toda lágrima.

O Apóstolo João viu “novo céu e nova terra” (vs. 1) e a cidade santa, a “nova Jerusalém” (vs. 2). E somente entrará na cidade eterna “o vencedor” (vs. 7). Este é o que derrotou a dureza do próprio coração e literalmente padeceu com Cristo, por amor a Ele.

Os tímidos não entram na nova Jerusalém porque sua estima de si (ou autoestima) é elevada demais para considerar outra pessoa, mesmo que seja a Pessoa de Deus. Eles têm medo de testemunhar publicamente da fé em Jesus.

Talvez você concorde comigo que o orgulho é uma coisa ruim e a humildade uma coisa boa, mas aí você pensa: “Mas eu não tenho grandes dificuldades com orgulho”. Bem, faça um autoexame. Você é tímido demais para contar aos outros sobre sua fé? É introvertido demais para contar às pessoas a verdade? O que é isso se não um tipo de orgulho, receio de dar má impressão?

Perceba isso: não se pode viver eternamente na presença de Deus se sua “estima de si” é maior do que o seu amor por Ele.

Os tímidos não reinarão com Cristo porque amam demasiadamente a própria vida, ao ponto de negá-lo na sociedade e nas relações.

Se você teme a própria exposição em nome do evangelho, saiba que a fé salvadora ainda não te alcançou, infelizmente.

Ainda assim, há esperança para o tímido! O evangelho afirma que Cristo se expôs a vergonha para que você pudesse receber dupla honra (Isaías 61.7). Lance fora o medo de expressar sua nova vida nele em público! Se você nasceu do alto, se você está no amor de Deus, então “o perfeito amor lança fora o medo” (1 João 4.18).

Abrace a verdade pela fé e apegue-se a Cristo, pois a promessa da vida eterna é para o justo que vive pela fé e não retrocede (Hebreus 10.38), mas prossegue para o alvo até o fim.

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes e dos homens da Betânia Igreja Batista (Sulacap - RJ) e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

Publicidade