Siga-nos!

Internacional

Polícia resgata centenas de meninos de “casa de tortura” islâmica na Nigéria

Crianças e adolescentes eram acorrentados, chicoteados e até estuprados no local.

em

Crianças nigerianas. (Foto: Reprodução / Fox News)

A polícia nigeriana resgatou mais de 300 meninos e adolescentes que estavam em um edifício considerado uma escola islâmica.

Segundo a Fox News, esses garotos estavam sendo mantidos contra sua vontade e foram abusados sexualmente, torturados e estavam passando fome.

Crianças de até 5 anos estavam entre as resgatadas na cidade de Kaduna, no norte do país. A agência Reuters informou que a maioria das vítimas vistas por um repórter eram crianças, algumas no final da adolescência.

Um garoto, segurando a mão de um policial enquanto balançava instável, tinha feridas visíveis nas costas, possivelmente o resultado de chicotadas.

“A condição sob a qual encontramos as vítimas era tão desumana, muitas delas foram acorrentadas”, disse o porta-voz da polícia Yakubu Sabo à Associated Press.

O proprietário e seis outros que se diz serem professores foram presos.

O chefe da polícia de Kaduna, Ali Janga, declarou à BBC que a polícia recebeu uma denúncia e ao chegarem no local comprovaram que ali era uma “casa de tortura”.

O proprietário do prédio disse à polícia que as crianças haviam sido trazidas por suas famílias para aprender o Alcorão ou porque tinham problemas como o uso de drogas. Mas a polícia disse que o local não estava licenciado para executar nenhum programa de recuperação ou educacional.

“Passei três meses aqui com correntes nas pernas”, disse um detento, Bell Hamza, à mídia nigeriana.

Outro jovem, Hassan Yusuf, disse à Reuters que havia sido enviado para a escola devido a preocupações com seu modo de vida depois de estudar no exterior por alguns anos. “Eles disseram que meu estilo de vida mudou – eu me tornei cristão, deixei o modo de vida islâmico”, disse Yusuf.

Hassan Mohammed, tio das três crianças libertadas, disse à Reuters que denunciou a escola à polícia depois que as autoridades negaram o contato da família com as crianças. A mãe das crianças os enviou para a escola depois que o pai morreu.

“Eu implorei, eles disseram que não, não podemos ver essas crianças até três meses. Quando voltamos para casa … dissemos que a única coisa agora é que devemos denunciar esse problema à delegacia; foi exatamente o que fizemos”, disse Mohammed.

As crianças resgatadas foram transferidas para um campo em um estádio em Kaduna e o governo do estado vai sustentá-las enquanto a polícia tenta localizar seus responsáveis.

Publicidade