Siga-nos!

Sociedade

Perito criminal aponta incongruências na atuação da polícia no caso Flordelis

Especialista questiona se agentes estariam fazendo afirmações como meio de pressão psicológica nos indiciados

Avatar

em

Flordelis. (Foto: Reprodução)
Publicidade

O Dr. Francioni, perito criminal oficial do Estado do Rio de Janeiro e consultor processual para processos de homicídio e Balística Forense, gravou um vídeo levantando diversos questionamentos a respeito da atuação da polícia na investigação da morte do pastor Anderson do Carmo.

Entre os vários pontos levantados, o profissional questiona as informações divulgadas na imprensa pela delegada Bárbara Lomba e outros agentes da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, que investigam o caso. Uma lei estadual, citada pelo Dr. Francioni, proíbe a divulgação de informações sobre investigações em andamento.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

O perito criminal também questionou as informações adiantadas pelo governador Wilson Witzel que, um dia após o crime, já teria divulgado à imprensa os rumos da investigação que havia começado há poucas horas.

Mas o ponto mais destacado pelo profissional é sobre a arma encontrada na casa da deputada Flordelis, item que está sendo divulgado como sendo de Flávio dos Santos Rodrigues, filho biológico da cantora gospel.

Francioni diz que a forma como a polícia encontrou a arma e os testes que ela efetuou não estão corretos, pois as divisões de homicídio do RJ não possuem o micro-comparador balístico, equipamento caríssimo necessário à realização de confrontos balísticos.

Ele chega a dizer que a defesa de Flávio pode usar todos os erros cometidos pela polícia para dizer que a arma não era dele (pois foi manipulada por muitas pessoas) e até mesmo a dizer que não tinha arma ali na casa, podendo ser inocentado das acusações que estão lhe imputando.

Continua depois da Publicidade

“Houve confronto balístico na divisão de homicídios? Se houve, com que comparador? Onde a divisão de homicídios arranjou um micro-comparador balístico que nem os órgãos oficiais de perícia tem?”, disse ele.

O especialista também diz que falta apontar quem foi o perito que realizou essa comparação e disse: “E os peritos? Eles foram treinados para isso ou será que estariam feito afirmações falsas como meio de fazer pressão psicológica com os indiciados?”.

Assista:

Continua depois da Publicidade

Publicidade