Siga-nos!

Pastor que ungiu Bolsonaro afirma que ele é “como Davi” e derrotará “os gigantes”

Taufik Hilal derramou óleo sobre a cabeça do candidato no que afirma ser ato profético

Avatar

em

Taufik Hilal e Jair Bolsonaro
Publicidade

Na manhã de 7 de março, o pastor Taufik Hilal, da igreja Esperança de Israel, participou do tradicional culto de oração da bancada evangélica num dos auditórios da Câmara dos Deputados. Ele entoou louvores, tocou o shofar, instrumento feito com chifre de carneiro e fez orações.

Horas mais tarde visitou o gabinete de Jair Bolsonaro, deputado federal do Rio de Janeiro, que lançaria naquela noite sua pré-candidatura à Presidência da República. Após explicar para o político que desejava ungi-lo, afirmou: “todo aquele que vai preparar alguma coisa por Deus recebe uma unção”.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

Bolsonaro concordou e participou do momento de intercessão. Taufik tocou então o shofar e afirmou que estava anunciando no reino espiritual a vitória do capitão reformado.

Naquela altura, as pesquisas ainda colocavam o ex-presidente Lula em primeiro lugar na corrida eleitoral que nem havia começado ainda. Sete meses depois, Taufik conta ao Gospel Prime que sua iniciativa é resultado de muitos anos de intercessão pelo país.

“Havia muitos anos que o Espírito de Deus já nos revelava que alguém seria levantado por Deus para a redenção e resgate da nossa nação. Perseveramos em intercessão até que percebemos que Jair Bolsonaro estava sendo preparado pelo Senhor para esta finalidade”, assegura.

O líder evangélico já acompanhava a atuação do parlamentar e sentiu o desejo de conhecê-lo pessoalmente. Isso só ocorreu naquele 7 de março. “Havia a necessidade de uma unção específica […] No dia anterior, o Senhor Jesus trouxe ao meu coração a ordem para que levasse comigo o óleo de unção específico, vindo de Israel e o shofar (a trombeta bíblica) e que eu teria a oportunidade de ungir o futuro Presidente do Brasil”, relata.

Continua depois da Publicidade

Taufik explica que precisou aguardar muito tempo na porta do gabinete, até ser recebido. “Ninguém havia sido informado do procedimento ao qual eu estava prestes a realizar, nem o próprio Bolsonaro. Com humildade e resignação, ele não apenas submeteu-se àquele ato de fé, como também creu naquele ato profético com emoção”, garante.

Naquela altura era impossível prever o que aconteceria ao longa da campanha. Muitos analistas políticos apostavam que Bolsonaro tinha um “teto” de aproximadamente 20% dos votos e sua vitória, considerado o tamanho do partido e a falta de alianças, era altamente improvável.

O pastor confessa que manteve a fé que havia cumprido um propósito divino, embora convivia com “as incertezas” do processo eleitoral quando a mídia mantinha a narrativa que a maior probabilidade era a vitória de Lula ou alguém indicado por ele. Curiosamente, o ex-presidente foi preso em 7 de abril, exatamente um mês após Bolsonaro ser ungido por Taufik.

Pequeninho como Davi

Continua depois da Publicidade

O líder do ministério Esperança de Israel, com sede no Distrito Federal, explica que no momento em que ungiu o então pré-candidato do PSL o via como um “Davi” e por isso reproduziu o ato do profeta Samuel, apontando um novo rei que demoraria para ser reconhecido.

“No Livro de 2 Samuel, capítulo 23, é mostrado o desejo e a satisfação de Deus pelo governo do justo. O próprio Davi afirma que quando um justo governa no temor de Deus, será como a luz da manhã ao sair do sol de uma manhã sem nuvens”, lembra.

Para Taufik, existem paralelos entre a história do rei bíblico e Bolsonaro. “Davi era humilde, sem dinheiro, mas valente e destemido. Ninguém acreditava que os ‘gigantes’ desta nação pudessem ser vencidos, como o sistema Globo de televisão e o sistema montado nos anos do PT”, compara.

Duzentos e trinta e seis dias depois do que Taufik Hilal chama de “ato profético”, os brasileiros vão às urnas e todas as pesquisas indicam que o peselista sairá vitorioso. Sua campanha foi franciscana, mantida principalmente com o uso das redes sociais. No meio do caminho o candidato sofreu um atentado à faca e correu risco de morte. Ao longo de todo esse processo, manteve a fé, continuou intercedendo e conta que também pediu votos para Bolsonaro.

“Tenho a convicção de que cumpri as determinações do Deus Altíssimo”, encerra

Assista!

Continua depois da Publicidade

Publicidade