Siga-nos!

Mundo Cristão

Pastor que fugiu para Turquia após prisão e tortura no Irã teme deportação

Ele ficou na prisão de Evin, a pior prisão iraniana e corre o risco de voltar para ela.

em

Esmaeil Falahati. (Foto: Arquivo Pessoal)

O pastor Esmaeil Falahati, um ex-muçulmano que veio a Cristo aos 23 anos e plantou igrejas em Teerã por uma década, disse ao The Christian Post que ele e sua família estão correndo o risco de serem deportados.

Eles fugiram para a Turquia após ele ser preso e torturado no Irã. Sua conversão e sua atividade como pastor o levaram para a prisão de Evin, a pior prisão daquele país. Se ele for deportado da Turquia, poderá passar pelos mesmos problemas novamente.

Falahati é um homem condenado a cumprir anos de prisão porque pregou o Evangelho de Jesus Cristo a uma comunidade de ex-muçulmanos que tentam viver sua nova fé em paz, mas as autoridades não permitem.

“Fui torturado e interrogado sobre meus serviços”, disse o pastor ao The Christian Post, acrescentando que perdeu muito peso e sofria de problemas médicos durante a prisão.

Durante sua prisão, em agosto de 2015, sua esposa e sua família também foram presas, torturadas e interrogadas por 12 horas por apoiar seu caso.

Em 9 de setembro de 2015, Falahati foi libertado temporariamente sob fiança pelo Tribunal Revolucionário. Ele disse que os guardas disseram que seria melhor ele deixar o Irã ou corria o risco de ser ferido.

Assim eles conseguiram chegar na Turquia e lá buscaram refúgio, descanso este que pode acabar a qualquer momento.

“Não recebemos nenhum serviço prestado a outros refugiados”, disse Falahati. “Não temos segurança, identidade e nacionalidade apenas pelo crime de ser cristão. Parece que estamos em uma prisão maior”.

Desesperado, ele pede ajuda para não sair da Turquia. “Atualmente, meu caso está aberto neste tribunal e, assim que eu voltar ao Irã, minha sentença será aplicável”, disse.

“[O governo] fornece bons serviços para afegãos, sírios e iraquianos porque eles são muçulmanos”, argumentou Falahati. “Mas ele me trata como um pastor cristão iraniano com desprezo e ódio porque eu era muçulmano antes e agora sou cristão”.