Siga-nos!

Vida cristã

Pastor ensina sobre a importância de ajudar o próximo

Dino Rizzo ministrou na Inspire Brasil Online.

Michael Caceres

em

Pastor Dino Rizzo. (Foto: Comunicação IC)

O pastor Dino Rizzo, pastor associado da Church Of The Highlands, em Birmingham, Alabama (EUA), e pastor executivo da Association of Related Churches (Associação de Igrejas Relacionadas), foi um dos convidados para a Inspire Brasil Online, conferência da Rede Inspire.

Com 35 anos de experiência no ministério, Rizzo falou sobre questões envolvendo o evangelismo e o trabalho das igrejas diante da sociedade, demonstrando que é possível a Igreja se engajar na comunidade para fazer a diferença.

A mensagem do pastor foi baseada na “Parábola do Bom Samaritano”, que se encontra narrada em Lucas no capítulo 10, partindo do versículo 35.

O foco da mensagem foi apresentar a ideia sobre como os acontecimentos atuais têm levantado debates sobre o valor da humanidade, o valor das pessoas.

“Você tem visto a vida pelas lentes da interrupção, inconveniência, problema, ou você vê como um convite, uma oferta, uma porta aberta?”, questionou o pastor ao falar sobre as mazelas sociais de nossos tempos.

Durante a mensagem, Dino destacou que as pessoas estão lidando com racismo, dor e doenças, e que isso deve ser visto como uma oportunidade para alcançá-las.

Quem é o meu próximo?

A pergunta feita pelo perito na Lei no diálogo descrito em Lucas 10.25-37, descreve a intenção daquele homem em tentar limitar quem seriam as pessoas que deveriam ser acolhidas por ele. Rizzo ensina que na verdade ele estava perguntado para Jesus sobre quem são as pessoas que deveriam ter valor para ele, que deveriam ser alcançadas e amadas.

“Ele queria descobrir, talvez, o quão pequeno esse grupo poderia ser. Jesus respondeu e contou uma história”, destacou, apontando para a passagem bíblica. Um dos destaques da passagem descrita pelo pastor foi o fato de Jesus ter colocado um samaritano como aquele que ajuda ao necessitado no caminho.

Rizzo diz que Jesus não poderia ter escolhido uma palavra pior, pois não havia na cultura judaica uma figura tão antagônica, tão adversa ao que os judeus gostariam de ouvir naquele momento, mas a escolha da figura do samaritano teria ocorrido com um propósito.

O líder evangélico destaca que Jesus queria dar enfase a atitude daquele homem, que ficou conhecido como “bom samaritano”, lembrando ainda que Ele orientou para que o perito da Lei agisse da mesma forma, ao afirmar: “Vá e
faça o mesmo”.

A questão sobre quem é o próximo e como é possível engajar pessoas para fazer a diferença na sociedade foi respondida por Dino Rizzo com uma afirmação simples, mas desafiadora: “Vá e mostre misericórdia!” Não é possível fazer a diferença ignorando as necessidades das pessoas, conforme ensinou.

Perspectivas transformadas

Transformar as perspectivas em relação as pessoas é fundamental para o líder da Association of Related Churches, que acredita que devemos ver as pessoas feridas e as transformações na sociedade como oportunidades, como uma porta aberta e não como um atraso.

“Precisamos entender que, se você e eu nos permitirmos apoiar no amor de Deus, o próprio amor de Deus transformará nossa perspectiva das situações, circunstâncias e dos acontecimentos que nos cercam”, explicou.

O pastor diz que Deus quer que as pessoas parem de olhar para tudo que os cerca como um problema e passe a olhar como oportunidades de fazer algo pelo próximo, uma oportunidade para amar as pessoas e cuidar delas em meio a situações difíceis.

Qual sua posição

Dino Rizzo lembra que como pessoas também estamos sujeitos a sermos afetados pelas situações que nos cercam, que há problemas que atingem a todos e que cada um deve saber sua posição, que não precisa ser necessariamente a de vítima.

“Como vamos escolher viver enquanto líderes e enquanto igreja num mundo cheio de tumulto, dor e problemas?”, questionou.

O pastor ensinou que o sacerdote na parábola bíblica escolheu limitar o seu amor, decidiu que iria se envolver com aquela pessoa, talvez porque o homem na estrada não era como ele. O norte-americano lembra que é mais fácil amar pessoas parecidas conosco.

Por outro lado, o levita que passou pelo homem no caminho escolheu limitar o seu tempo e, portanto, passou sem ajudar ao necessitado. “ Não coloque limites em seu tempo e em sua entrega para amar”, enfatizou.

Enquanto isso, o samaritano escolheu amar, não colocou limites para o seu amor e nem para o seu tempo, mas parou e estendeu a mão ao necessitado, fazendo ainda mais do que poderiam esperar dele, fazendo algumas escolhas listadas pelo pregador:

  1. Seu amor não olharia para o outro lado
  2. Seu amor não andaria na outra direção
  3. Seu amor iria se envolver

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Trending