Siga-nos!

igreja

Pastor de megaigreja decide se afastar do púlpito para combater “pecado do orgulho”

Todd Wagner reconheceu que deixou de ouvir sua equipe de liderança.

Michael Caceres

em

Pastor Todd Wagner
Pastor Todd Wagner (Reprodução/Facebook)

O pastor Todd Wagner, da Watermark Community Church, em Dallas, no Texas (EUA), igreja que ele fundou há duas décadas, decidiu se afastar do púlpito para combater o que chama de “pecado do orgulho”. Wagner enfatizou que pecado de um pastor não precisa ser “escandaloso” para justificar uma saída do púlpito e que sua decisão é temporária.

“Pela primeira vez em 20 anos, estou me afastando do que costumo fazer para poder fazer o trabalho árduo. Portanto, não fique procurando algum escândalo. Nem pense que isso é escandaloso. O que é escandaloso é quando um cristão brinca, ignora ou dá boas-vindas ao pecado, respeitável ou não”, disse Wagner à sua megaigreja.

Ele disse que o orgulho mata e que ouviu os amigos que lhe descreveram sobre esse comportamento e por isso decidiu se afastar, após ter conversado com os anciãos da igreja. O pastor explicou que não é o tipo de pessoa que só pensa em si ou que se aplaude em frente ao espelho.

“Agradeço a Deus por ter amigos para me ajudar. O orgulho mata. E  eu descreveria o que os amigos me falaram como sendo orgulho. Esse é o pecado. E é muito interessante porque você sabe que eu não penso em mim ou me iludo pensando que não sou uma pessoa orgulhosa porque nunca me olho no espelho e aplaudo”, explicou.

Wagner afirmou que desde junho conversa com os anciãos da igreja sobre como poderia corrigir seu comportamento, afirmando que os membros precisavam perdoa-lo por várias coisas, incluindo a necessidade de desacelerar em suas atividades.

“Preciso de seu tempo para pedir seu perdão por várias coisas. Primeiro, por não estar mais cedo e mais atento a mim mesmo especialmente durante esta temporada, mas por um tempo, talvez até anos eu soube que precisava apenas desacelerar. E fui encorajado a desacelerar, até tive oportunidades de desacelerar e, no entanto, nos últimos meses, tudo que fiz foi acelerar”, disse ele.

Sobre o período em que ficará afastado do púlpito, Wagner explicou que não se trata de uma licença remunerada, mas uma mudança em suas atividades, deixando de ensinar e liderar por um período, a fim de “pedir que o Senhor” o restaure.

“Não é uma licença remunerada para que eu possa ler, escrever e relaxar como recompensa por 20 anos de serviço. É um descanso temporário de ensinar e liderar e qualquer outra coisa no caminho de permitir que o Senhor me fortaleça, me restaure, e leva-me a um arrependimento cada vez maior”, disse.

Segundo o The Christian Post, o pastor reconheceu ter chegado a um ponto no ministério em que simplesmente não ouvia o suficiente a sua equipe de liderança e falhou em liderar “com a graça usual em meus relacionamentos com meus amigos mais próximos”.

“Tenho sido baixinho e irritadiço, às vezes estou invalidando, sou impaciente, o suficiente para que as pessoas percebessem a diferença e pior, não as ouvi quando me perguntavam e diziam coisas como ‘… você está bem?'”, ele lembrou.

Trending