Siga-nos!

Mundo Cristão

Pastor batista defende que trans devem ser tratados com pronome de sua escolha

Em seu podcast, ele levantou a questão dos transgêneros e a forma como eles devem ser tratados nas igrejas.

em

O pastor James David Greear, atual presidente da Convenção Batista do Sul (Estados Unidos), ensinou que os cristãos devem tratar transexuais usando o pronome escolhido pela pessoa.

Em seu podcast, o religioso falou sobre o conceito de hospitalidade de pronome, ciente de que muitos cristãos entram em conflito neste assunto.

Greear entende também que “a igreja muitas vezes falhou em ser o santuário das pessoas feridas na comunidade LGBTQ” e diz que é necessária que a Igreja reconheça e se arrependa disso.

“Por trás de cada caso de disforia de gênero há uma pergunta sobre a oração sem resposta”, disse ele.

Durante o podcast o pastor fala sobre vários temas relacionados ao transgenerismo, incluindo a verdade científica de que há apenas dois sexos e que isso é genético e que não pode ser alterado.

“Independentemente das cirurgias de redesignação sexual que as pessoas realizam ou dos suplementos hormonais que tomam, elas sempre terão o sexo genético que fizeram na concepção”, escreve o pastor em seu site ao citar dois livros sobre o assunto.

Sobre o uso do pronome, ele fala sobre generosidade ao dizer que os cristãos devem tratar a pessoa trans pelo pronome que ela escolheu. Greear cita o livro de Andrew Walker sobre o assunto que diz: “Minha posição é que, se uma pessoa transexual vier à sua igreja, não há problema em se referir a ela pelo pronome preferido”.

O pastor diz que é melhor usar o nome próprio da pessoa repetidamente. “Mesmo que isso pareça estranho”. Pois nos EUA os nomes “não são objetivamente baseados em gênero”.

Ele cita também o estudo Preston Sprinkle, que chefia o Centro de Fé, Sexualidade e Gênero, que fala sobre hospitalidade de pronomes para ensinar que é uma forma de demonstrar o amor de Cristo para uma pessoa, chamando-a pelo pronome que ela escolheu.

“Acredito que todos os cristãos podem e devem usar pronomes que refletem as identidades de gênero expressas de pessoas trans, independentemente de nossos pontos de vista sobre a ética da identidade de gênero. Se uma pessoa se identifica com você como ‘ela’, espero que você considere um ato de amor semelhante a Cristo chamá-la de ‘ela’ por respeito”.

Publicidade