Siga-nos!

Israel

Papa critica Israel e diz que Jerusalém está sendo “ferida pelos homens”

Encontro para debater a paz no Oriente Médio pede que Israel reconheça a Palestina

Publicado

em

Papa critica Israel
Publicidade

O papa Francisco liderou o encontro ecumênico em favor da paz no Oriente Médio neste sábado (7), na cidade de Bari, sul da Itália. O evento teve dois momentos, uma celebração religiosa, onde a homilia ficou a cargo do pontífice, e uma reunião a portas fechadas, onde a imprensa não teve acesso.

A fala do pontífice foi cifrada, ao mesmo tempo que fez condenações sobre a situação de guerra naquela parte do mundo, evitou nomear quem seriam os responsáveis. Mesmo um ouvinte atento, precisa se esforçar para entender as correlações.

O local escolhido foi a igreja que guarda as relíquias de “São Nicolau”, venerado tanto pela Igreja Católica quanto pelos ortodoxos, que enviaram representantes de primeiro escalão para o encontro. Conta a tradição que Nicolau foi um bispo na Ásia Menor (atual Turquia) que costumava distribuir comida aos necessitados, dando origem – séculos depois – à figura mítica do Papai Noel.

O papa decidiu reunir cerca de 20 bispos católicos e patriarcas ortodoxos para, segundo o Vaticano, uma reflexão sobre a “dramática situação” no Oriente Médio, que “aflige tantos irmãos e irmãs na fé”. No que classificou de admoestação, Francisco disse que estavam ali para rezar pela paz e lembrar “das nossas Igrejas, dos povos e das inúmeras pessoas que vivem em situações de grande sofrimento”.

Ao falar da perseguição aos cristãos no Oriente Médio, mandou um recado, dizendo: ‘Estamos com vocês”. Destacou ainda que “naquela esplêndida região, adensou-se, especialmente nos últimos anos, uma espessa cortina de trevas: guerras, violências, destruições, ocupações, fundamentalismos, migrações forçadas e abandono… Tudo isso sob o silêncio de tantos e a cumplicidade de muitos. Ali, a presença de nossos irmãos e irmãs na fé corre grande risco”.

O papa também ressaltou que o desaparecimento dos cristãos iria “desfigurar a própria face da região, pois um Oriente Médio sem cristãos não seria o Oriente Médio”.

Publicidade

Contudo, não nominou quem são os responsáveis pelos fundamentalismos, mantendo seu costume de nunca denunciar os radicais islâmicos mesmo que, comprovadamente, são eles quem procuram exterminar os cristãos e outras minorias na região.

Críticas a Israel

Prosseguiu dizendo: “Hoje, rezamos unidos, para implorar do Senhor aquela paz que os poderosos da terra ainda não conseguiram encontrar. Que ressoe o grito do salmista ‘reine a paz entre vocês’, entre os irmãos que sofrem e todos os povos e crenças, de modo especial, para Jerusalém, Cidade Santa amada por Deus e ferida pelos homens!”.

Novamente evitando citar nomes, deixa subentendido que, ao falar sobre a situação de Jerusalém, refere-se a posição do governo de Israel, que se nega a entregar a porção Oriental como capital de um futuro Estado da Palestina, algo defendido por Francisco em outras ocasiões. 

Em um segundo momento, o líder máximo dos católicos deixou mais clara sua crítica a Israel, enfatizando que: “Não são as tréguas, com a construção de muros e provas de força, que trarão a paz, mas a escuta e o diálogo”. Para e seguida, fazer um apelo contundente: “Basta com as ocupações de terras, que dilaceram os povos!”.

O muro ao qual ele se referiu é o construído pelo governo de Israel para delimitar claramente a fronteira com os territórios palestinos. Curiosamente, o Vaticano foi parcialmente cercado por muros no século 9, por ordem do papa Leão IV e continuam em pé até hoje.

A parte sobre “ocupações de terra” ecoa o discurso histórico da Autoridade Palestina sobre a presença de israelenses nos territórios disputados.

Os eufemismos foram deixados de lado por Francisco quando asseverou: “Somente uma solução negociada, entre Israelenses e Palestinos, firmemente desejada e favorecida pela Comunidade das Nações, poderá contribuir para uma paz estável e duradoura e garantir a coexistência de dois Estados para dois Povos”. Com informações de Reuters e Vatican News

 

Publicidade