Siga-nos!

Internacional

Papa admite “vergonha” pelo passado violento dos cristãos

Essa é a primeira vez que ele reconhece o erro da Igreja na época das Cruzadas

Avatar

em

Publicidade

Durante o culto ecumênico que aconteceu nesta quinta-feira na Basílica de Assis, na Itália, o Papa Bento XVI reconheceu “com grande vergonha” que o cristianismo errou ao usar a violência em nome de Deus.

O pronunciamento aconteceu no evento que marca o 25º aniversário do Dia Mundial da Oração pela Paz, evento que dessa vez reuniu 300 líderes de várias religiões como cristãos, judeus, muçulmanos, hindus, zoroastristas, taoistas, xintoístas, budistas e até mesmo representantes de grupos ateus.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

“Reconhecemos isso com grande vergonha. Mas está muito claro que isso [a violência] foi um abuso da fé cristã, algo que evidentemente contradiz sua verdadeira natureza”, disse o papa se referindo as Cruzadas e o uso da força para difundir a fé no Novo Mundo.

Se referindo aos campos de concentração da II Guerra Mundial, Bento XVI exemplificou as consequências do que a ausência de Deus pode trazer e também condenou o terrorismo dizendo que negar a Deus pode gerar “Reconhecemos isso com grande vergonha. Mas está muito claro que isso foi um abuso da fé cristã, algo que evidentemente contradiz sua verdadeira natureza”.

Com informações VEJA

Publicidade