Siga-nos!

vida cristã

Pais processam escola por promover ideologia de gênero para crianças

Escola teria ajudado alunos a criarem novas “identidades de gêneros”.

em

Escola
Escola (Foto: Reprodução/Unsplash)

Pais de dois alunos de uma escola de ensino médio de Massachusetts, nos Estados Unidos, estão processando a instituição por supostamente incentivar seus filhos a adotar novas “identidades de gênero” sem seu conhecimento ou consentimento.

Stephen Foote e Marissa Silvestri, ao lado de Jonathan Feliciano e Sandra Salmeron, entraram com a ação em 12 de abril em um tribunal distrital federal de Massachusetts com a ajuda da Child and Parental Rights Campaign e do Massachusetts Family Institute.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

As organizações ajudam os pais a lidarem com questões relacionadas à ideologia de gênero e os direitos dos pais.

O processo acusa vários funcionários da escola Baird Middle School, incluindo a superintendente interina Lisa Nemeth, ex-superintendente Todd Gazda, a diretora da Baird Middle School, Stacy Monette, a conselheira escolar Marie-Claire Foley e o ex-bibliotecário Jordan Funke.

De acordo com o Christian Post, Foote e Silvestri alegam que desconheciam a “transição” de seu filho e filha, referidos como GF e BF, respectivamente, no processo. Eles dizem que ficaram sabendo depois que a professora de sua filha, Bonnie Manchester, lhes disse em dezembro de 2020 que sua filha estava lutando com sua autoestima.

A professora encaminhou aos pais um e-mail no qual sua filha de 11 anos afirmava ser “genderqueer”, citando seu novo nome e pronomes como “ele/ele”.

Os pais entraram em contato com a escola, solicitando que a escola se abstenha de discutir o assunto com seus filhos e permita que eles “dirijam os cuidados de saúde mental de seus filhos”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A denúncia afirma que Foote e Silvestri “têm sinceramente crenças religiosas de que os seres humanos são criados homem ou mulher e que a ordem natural criada em relação à sexualidade humana não pode ser alterada independentemente de sentimentos individuais, crenças ou desconforto com sua identidade e realidade biológica, como homem ou mulher”.

Os pais afirmam que deixaram claro que forneceriam à filha a ajuda de que ela precisava de um “profissional de saúde mental”, mas acreditam que a escola desrespeitou suas instruções.

Foote e Silvestri afirmam que sua filha “mudou seu nome preferido pelo menos duas vezes desde dezembro de 2020” sem seu conhecimento e afirmam que a escola continua a abordar BF por “qualquer iteração de seu nome que ela indicou que prefere”, apesar de seu pedido para não fazê-lo.

A ação também alega que o filho do casal “se identificou como transgênero e pediu para ser chamado por um nome feminino”, acusando a escola de ajudá-lo a esconder essa informação de seus pais.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O outro grupo de pais, Feliciano e Salmeron, afirmam que “são deliberadamente impedidos de verificar se seus filhos estão sendo aconselhados secretamente e afirmados em identidades de gênero discordantes sem seu conhecimento ou consentimento”.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending