Siga-nos!

Sociedade

Padre será investigado por “LGBTfobia” ao criticar ativismo judicial durante missa

Ministério Público viola local de culto e liberdade de expressão.

em

Paróquia Nossa Senhora do Rosário. (Foto: Google Maps / Eduarda Coelho Silva)

Um padre virou alvo de um inquérito civil aberto pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) por suposta conduta de “LGTBfobia” durante uma missa, no Recife.

O religioso teria criticado o “ativismo judicial” do Supremo Tribunal Federal (STF), que legislou no lugar do Congresso ao tipificar casos de violência contra comunidades LGBT como racismo.

A investigação teria sido aberta após denúncia ao MP feita por ativistas do grupo LGBT Leões do Norte contra o padre Rodrigo Alves de Oliveira Arruda, vigário na Paróquia Nossa Senhora do Rosário.

O promotor Maxwell Anderson de Lucena Vignoli, da 7ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania do Recife, aponta que o inquérito tem como objetivo apurar as circunstâncias “de possíveis violações dos direitos da população LGBT”.

Assim como a grande maioria dos líderes religiosos, o padre estava preocupado com a usurpação de competência do Poder Judiciário e se referiu à Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) número 26 como “ativismo judicial”.

Para o religioso a medida se qualificou como uma “mordaça, pois a sociedade não poderá ter a expressão de teor religioso contrário ao que essas pessoas [LGBT] pensam”.

Segundo o G1, o padre foi notificado da denúncia e deverá responder diante do MPPE. O caso é o primeiro desde que o Supremo decidiu pela tipificação do crime de homofobia de acordo com a lei sobre racismo.

Publicidade