Siga-nos!

opinião

O tempo do reverso

Virou moda mostrar  os heróis como vilões e vice-versa.

Artur Eduardo

em

Dráuzio Varela abraça trans condenado por estupro de criança
Dráuzio Varela abraça trans condenado por estupro de criança (Foto: Reprodução/YouTube)

Estamos vivendo precisamente este tempo. Observou, prezado(a) internauta, como  pululam cada vez mais informes, mídias, textos, propagandas, tudo enfatizando o oposto, o  contrário? Explico: há um tempo, no bilionário mercado do entretenimento, virou moda mostrar  os heróis como vilões e vice-versa, os vilões como heróis. Os heróis, alguns dos quais se  consagraram como forças morais irredutíveis, atualmente são mostrados como “não sendo tão  bons assim”. Fraquezas morais e deficiências de caráter marcam heróis conflituosos, cuja  atuação em HQ´s e no cinema fariam corar de vergonha os seus próprios criadores, há tempos.  Todavia, esta inversão em mídias de entretenimento é apenas a ponta do iceberg quando o  assunto é o reverso. Em várias outras áreas tem-se visto o mesmo fenômeno.

A chamada “indústria da lacração” ou do “cancelamento” também está fazendo  história negativa com apelo ao reverso. Exaltando movimentos pseudorevolucionários, como  os de cunho racial, promovem, agora, um “racismo reverso”: brancos estão sendo alvos de  racismos em todo o mundo ocidental, a fim de que um ilusório “senso de compensação” seja  visto como justo e merecido. Promovendo, então, a discriminação às avessas, a “indústria da  lacração” destaca artistas, pessoas da mídia, políticos etc., a que promovam um sentimento  inadequado e piegas de arrependimento generalizado: dos brancos, por serem brancos; ou dos  homens, por serem homens. Não é isto o que temos visto cada vez mais frequentemente na TV?

O reverso também está presente no modus operandi das instituições de ensino.  Observe-se as universidade federais. Aumentam os casos de teses e dissertações que  glamourizam a ignorância, o amoral, sob a égide de fazerem precisamente o contrário: afirmam defender a importância do saber e da moral. Quando vemos um aumento de “estudos  científicos” (de caso) que legitimam a liberação das drogas, ou de associações intelectualoides  do conservadorismo com o fascismo, por exemplo, tudo sob o viés da ideologia, sabemos que  há um plano para se estabelecer o reverso como normal.

Por fim, observamos um tanto admirados a posição de alguns que, outrora, eram  conhecidos por defenderem o Evangelho. Um dos pilares da apologética cristã é a defesa do  Evangelho. A inviolabilidade de sua mensagem essencial é um preceito que garante, inclusive,  sua transmissão eficiente, isto é, apta àquilo a que se propõe: a salvação do homem. Como,  então, pessoas de dentro das fileiras da Igreja defendem abertamente posições, “em nome da  ”, que contrariam o que a fé apregoa? Como é possível falarmos, por exemplo, num “evangelho sem Bíblia” ou com “a Bíblia dizendo o oposto do que o que ela realmente diz”?  Como é possível falarmos em Igreja sem a Bíblia? Sim, se para defendermos o que a Bíblia diz  sobre a Igreja é necessário “modificar a Bíblia”, então estão obviamente usando a Bíblia para  delegitimá-la e, com isso, enfraquecer a própria Igreja!

Numa era tão confusa quanto a nossa, a exortação de Jesus sobre “discernir os sinais  dos tempos” (Mt. 16:3) parece-nos mais do que urgente. É urgentíssima. Esta é a única forma  de não sermos arrolados com as violentas transformações que acontecem diante de nossos  olhos. Sabermos sobre “o tempo” significa conhecermos valores e tendências, e, a partir destas,  delinearmos o que pode e será posto em prática. Também significa prepararmo-nos com as  melhores respostas e estratégias, como Igreja, para respondermos sobre a “razão da esperança” que há em nós (1 Pe. 3:15). O tempo do reverso é um tempo de desafios. Alguns destes, prevejo,  deverão se revelar entre os maiores que a Igreja terá de enfrentar. E, repito, eles não estão vindo.  Chegaram e se posicionam para dominarem todos os aspectos da vida humana.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Bacharel em Teologia e Filosofia. Pós-graduado em Gestão EaD e Teologia Bíblica. Mestre e Doutorando em Filosofia pela UFPE. Doutor em Teologia pela FATEFAMA. Diretor-presidente do IALTH -Instituto Aliança de Linguística, Teologia e Humanidades. Pastor da IEVCA - Igreja Evangélica Aliança. Casado com Patrícia, com quem tem uma filha, Daniela.

Trending