Siga-nos!

Estudos Bíblicos

O reinado de Davi

Tiago Rosas

em

A Lição de hoje foca no apogeu do reinado de Davi: suas conquistas territoriais e políticas, bem como suas reformas administrativas e religiosas, que somente engrandeceram ainda mais o povo de Israel. É uma Lição com muita história e informação, e, no entanto, com importantes aplicações práticas, especialmente para os que exercem posição e liderança na Igreja do Senhor. Meditemos atenciosamente em cada ponto deste estudo, claro, com a Bíblia sempre em mãos!

I. Davi é constituído rei

Com a morte de Saul, após quarenta anos de reinado, chegou a hora do “homem segundo o coração de Deus”, que fora outrora ungido pelo profeta Samuel, agora assumir o trono em Israel. Mas ainda assim não seria fácil nem imediato, pois no meio do caminho estava Isbosete, um dos filhos de Saul, que ainda governou Israel (norte) durante dois anos (2Sm 2.10).

O reinado de Davi começaria modesto: apenas sobre a tribo de Judá (sul), que era a sua tribo, com capital em Hebrom, de onde Davi reinou durante sete anos e seis meses, numa espécie de estágio para o reino sobre as demais tribos de Israel, que teve duração total de quarenta anos. De fato, em Davi se cumpriu as Escrituras que dizem: “O teu princípio, na verdade, terá sido pequeno, porém o teu último estado crescerá em extremo” (Jó 8.7).

1. Três motivos para sua escolha

Após os sete anos de governo sobre Judá, os próprios líderes “de todas as tribos de Israel foram a Davi” para fazê-lo rei sobre todo o povo, confirmando assim a promessa de Deus para Davi e os propósitos do Senhor para Israel. Mas não foi sem razão que os líderes tribais procuraram o filho de Jessé para lhe confirmarem o trono. Ao menos três razões foram apresentadas:

(1) “Somos sangue do teu sangue”, disseram eles (2Sm 5.1). Noutras palavras, Davi tinha legítimo direito ao trono pois era “hebreu de hebreus”, e não um estrangeiro a cobiçar o poder. Como previa a Lei de Moisés, o rei escolhido deveria “vir dentre os seus próprios irmãos israelitas” (Dt 17.15). Apesar das divisões por tribo, Davi e os judeus eram um só povo com todo o Israel! Na obra de Deus não pode ser diferente: somente aqueles que são da nossa família espiritual é que podem liderar sobre o povo de Deus. A tragédia de muitas igrejas é confiarem lideranças a pessoas que fizeram adesão à igreja, mas não passaram pela conversão a Jesus Cristo. São membros da igreja local, mas não são membros da igreja universal dos santos! Têm seus nomes no rol de membros, mas não ainda no livro da vida. São até simpáticos, mas não santificados; são desinibidos, mas não cheios do Espírito. Fracassarão eles e os que por eles são liderados!

(2) “eras tu quem liderava Israel em suas batalhas” (2Sm 5.2). Davi não estava caindo de paraquedas no governo, pois além de seu “estágio” de sete anos no governo de Judá, ele tinha um histórico de serviços prestados a todo o povo de Israel. Embora Saul outrora visse Davi como um concorrente a ser abatido, o povo na verdade via Davi com estimas, como um valente de Deus, um verdadeiro capitão dos exércitos do Senhor! Trazendo para os nossos dias, reflitamos: quantas pessoas almejam posições de liderança na obra de Deus, mas não trazem as marcas das provações e aprovações da parte do Senhor? Sequer foram experimentados para o ministério, mas veem nos cargos uma forma de serem exaltados e promovidos. Os tais não podem dizer como Paulo: “trago as marcas de Cristo” (Gl 6.17). Marcas de lutas, marcas de vitória sobre as tentações, marcas de serviços prestados à igreja do Senhor, marcas de perseguições superadas pela fé e perseverança, marcas de um discipulado bem-sucedido. Ninguém que não tenha marcas como essas está autorizado para liderar o povo de Deus!

(3) “O Senhor te disse: você pastoreará Israel, o meu povo, e será o seu governante” (2Sm 5.2b). O povo de Israel conhecia as promessas de Deus para Davi quanto ao governo, e agora estava consciente de que não devia mais protelar a decisão de fazê-lo seu rei sobre todo o território. Portanto, além de Davi ser um hebreu legítimo e de ter um histórico de serviços prestados ao seu povo, ele tinha uma promessa de Deus. Isso significa que era a vontade de Deus, não a vontade do povo apenas, nem um sonho do próprio Davi, que ele fosse feito rei de Israel. Na obra de Deus hoje é bom que cada um exerça o dom que foi dado por Deus e busque conhecer qual é a vontade do Senhor para sua vida (Ef 5.17), ao invés de ambicionar coisas altivas (Rm 12.16), para que não tem nem o preparo, nem o chamado!

2. Davi como pastor e chefe

Davi não seria um déspota cruel, opressor do seu próprio povo, antes seria um governante (ou chefe) e, antes mesmo disso, seria um pastor para Israel.

Como pastor, ele reconduziria as ovelhas de Israel de volta à adoração genuína a Deus, sem aquela autolatria promovida por Saul em sua soberba (1Sm 15.12), e trataria com zelo aos seus irmãos, como o pastor que cuida amorosamente das suas ovelhas. Aquele que outrora cuidava das ovelhas de seu pai Jessé, agora cuidará das ovelhas de seu Pai Yavé!

Aliás, por esta ser a vontade de Deus e a expectativa do povo, é que entendemos a real gravidade do pecado de Davi ao cometer deliberado adultério com Bate-Seba e o porquê das tão graves consequências que lhe abateram a família e o reino: é que ao adulterar com a mulher e matar o marido dela, Davi estava pervertendo sua chamada que era para cuidar como um pastor, e não devorar como um lobo impiedoso. Observe que na parábola contada pelo profeta Natã para confrontar Davi, Bate-Seba é comparada a uma “cordeira” (2Sm 12); como pastor de Israel, Davi deveria ter protegido Bate-Seba, ao invés de tê-la usado para saciar sua concupiscência. Ainda que naquela circunstância Deus tenha perdoado Davi, a desgraça não se apartou de sua casa.

3. Entrando em aliança com o povo

O texto de 2Samuel 5.3 nos informa que Davi fez uma aliança com todo o povo de Israel, mediada pelos seus anciãos, isto é, líderes das famílias. Como confirmação dessa aliança, Davi foi ungido rei pela terceira vez. A primeira vez tinha sido em ambiente doméstico, quando o trono era uma realidade ainda bem distante (1Sm 16.12,13); a segunda vez foi a unção para o reino de Judá, em Hebrom (2Sm 2.3,4). De fato, assim faz todo sentido o verso deste famoso Salmo de Davi: “unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda” (Sl 23.5). A cabeça de Davi, como um cálice, transbordava de tanta unção que fora derramada sobre ele. Seu reino foi afirmado, confirmado e selado pelo Senhor por meio destas três unções!

Diferentemente de outros reis insensíveis que viriam após ele, como seu próprio neto Roboão, o qual recusara ouvir os apelos do povo para um reforma tributária que lhe fosse favorável (e devido a esta recusa acabou desfazendo a unidade do povo e do reino), Davi entendia que precisava estar aliançado com o povo para poder governar sobre ele. Davi age de fato como um pastor e líder, buscando garantir a harmonia com o povo sobre o qual Deus agora lhe colocara como rei.

II. Consolidação do reino de Davi

1. A edificação de Jerusalém

Uma das primeiras empreitadas de Davi, após o início de seu reinado em Israel, foi derrotar os jebuseus que habitavam em Jerusalém e transformar essa cidade na capital política e religiosa do seu povo.

Com a conquista de Jerusalém, ela recebeu o apelido de “Cidade de Davi” (2Sm 5.6-10). Davi, com a benção do Senhor dos Exércitos, realizou grandes edificações nesta cidade, e a tornou tão importante que até hoje é a mais importante cidade de Israel, na qual Jesus Cristo se assentará para governar em seu reino milenar (Is 2.1-3; 60.1-3), pois essa é “a cidade do grande Rei” (Sl 48.2). Não é à toa que a cidade celestial onde os salvos irão habitar na eternidade é chamada de “nova Jerusalém” (Ap 21.2).

2. As reformas religiosas

A conquista de Jerusalém ofereceu a Davi um santuário único para adoração coletiva de Israel. Logo o novo rei providenciou para que a arca da aliança, que até então não tinha parada fixa em lugar algum, fosse trazida à Jerusalém, estabelecendo com isso a cidade como local da vida religiosa da nação.

Apesar de sua intenção de edificar um templo ao Senhor e dos preparativos que deixou, foi mesmo seu filho Salomão quem levou a cabo tal empreitada. Todavia, foi Davi o grande responsável pela reforma no culto levítico (como se pode ver nos capítulos 23 a 26 de 1Crônicas), especialmente por sua ênfase dada à música. Como lembra-nos Champlin, “Davi era um musicista consumado (1Sm 16.14-23), e anelava por melhorar o aspecto musical do culto divino. Davi veio a ser uma espécie de patrono da hinologia judaica” [1]. Ressalte-se que mais da metade dos 150 Salmos é da autoria de Davi, compositor, tocador e cantor, ou como ele mesmo se apresenta, “o doce salmista de Israel” (2Sm 23.1, Viva; ou “cantor dos cânticos de Israel”, NVI).

3. A suprema aliança davídica

O sétimo capítulo de 2Samuel registra para nós a aliança que Deus firmou com Davi, quando este demonstrou interesse em construir um templo ao Senhor. Por boca do profeta Natã, Deus disse a Davi:

“Eu te tomei da malhada, de detrás das ovelhas, para que fosses o soberano sobre o meu povo, sobre Israel. E fui contigo, por onde quer que foste, e destruí a teus inimigos diante de ti; e fiz grande o teu nome, como o nome dos grandes que há na terra (…) Quando teus dias forem completos, e vieres a dormir com teus pais, então farei levantar depois de ti um dentre a tua descendência, o qual sairá das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino (…) Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será firme para sempre” (vv. 8-16)

Observemos que enquanto Davi pretendia edificar uma casa ao Senhor, é o Senhor quem promete edificar a casa de Davi, julgando e aprovando a intenção do coração do novo rei de Israel. Como bem notou Strauss, “Com um jogo de palavras, Natã fala a Davi que ele não edificaria uma ‘casa’ (i.e., um templo) para o Senhor; pelo contrário, o Senhor edificaria uma ‘casa’ (i.e., uma dinastia) para Davi”. Acrescenta ainda este comentarista que “Davi recebe a promessa da perpetuidade de sua descendência, a bondade eterna de Deus (apesar das falhas do[s] filho[s] de Davi e a disciplina aplicada pelo Senhor), um relacionamento pai – filho singular entre o Senhor e o descendente de Davi e um trono eterno para Davi”[2].

É claro que a promessa de um trono eterno para Davi (2Sm 7.16) não poderia ter cumprimento literal nele mesmo, já que o próprio Davi veio a morrer. Essa promessa só faz sentido se a aplicarmos ao “filho de Davi”, Jesus Cristo, o Filho de Deus encarnado segundo a descendência de Davi (Mt 1.1). Ele é o verdadeiro “Rei dos reis e Senhor sobre senhores”, aquele cujo reino durará para sempre (Dn 2.44; Lc 1.33; Ap 12.10). Como escreveu o evangelista pentecostal Jimmy Swaggart,

Davi era um tipo de Cristo; portanto, Cristo começou seu ministério público quando tinha 30 anos [Davi começou a reinar com 30 anos, 2Sm 5.4]. reinou sobre os poderes das trevas, mas não sobre Israel. Um dia muito em breve ele reinará, não só sobre os poderes das trevas [subjugando satanás e libertando os que creem], mas também reinará sobre Israel também e, de fato, sobre todo o mundo.[3]

III. A grandeza política do reinado de Davi

1. As realizações militares

Muitos capítulos da Bíblia, inclusive alguns Salmos, registram vitórias sucessivas do rei Davi sobre exércitos inimigos. Porém, o capítulo 8 de 2Samuel sintetiza para nós os exércitos vencidos por Davi: “da Síria, de Moabe, dos filhos de Amom, dos filisteus, de Amaleque e (…) de Hadadezer, filho de Reobe, rei de Zobá” (v. 12).

Antes que viesse o governo de paz de Salomão, um “banho de sangue” precisou ocorrer sob o comando de Davi para que fosse pavimentada a estrada da quietude em Israel. Inimigos que por muitas vezes assolaram o povo do Senhor agora estavam sendo subjugados pelo exército de Israel, comandado pelo monarca Davi, a quem o próprio Deus dava vitórias por onde quer que ele fosse (2Sm 8.6,14).

Vencendo estes inimigos, Davi, em demonstração de sua gratidão e fé em Deus, consagrava ao Senhor tudo o que era precioso (2Sm 8.10,11).

2. As administrações de Davi

Quanto à administração, Davi também demonstrou-se habilidoso, aplicado e justo, como demonstra esse texto bíblico: “Davi reinou sobre todo o Israel; julgava e fazia justiça a todo o seu povo” (2Sm 8.15, NAA). Dentre os levitas, por exemplo, Davi instituiu seis mil governadores e juízes para cuidar das demandas comuns do povo (1Cr 23.4).

Champlin acrescenta:

(…) um império substancial foi estabelecido sob as ordens de Davi. Estendia-se desde Ezion-Geber, no extremo sul, no golfo de Aqabah, até a região de Hums, perto da cidade-estado de Hamate, no extremo norte. Trechos bíblicos, como 1 Crônicas 22:17 até o fim, comentam sobre as habilidades diplomáticas e militares de Davi, e, ocasionalmente, há vislumbres sobre a sua espiritualidade. A arqueologia tem demonstrado que Davi empregou ideias estrangeiras em sua organização governamental, especialmente modelos egípcios e fenícios. Assim, encontramos o mazkir (cronista) e o saphar (escriba) que tinham funções importantes (2Sm 8:16). Davi também reorganizou o exército (…)[4]

3. O culto público

Como já fizemos menção, os capítulos 23 a 26 de 1Crônicas registram as reformas que Davi realizou em sua velhice quanto a adoração no tabernáculo do Senhor. Ressaltamos agora que Davi fora, como a leitura destes capítulos bíblicos evidenciam, bastante organizado e metódico, para garantir que o culto ao Senhor fosse ao mesmo tempo norteado pela Lei do Senhor entregue a Moisés, mas também espontâneo, alegre e envolvente.

Neste sentido, merece atenção a nota de rodapé constante na Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal (CPAD), quando comentando o texto de 1Crônicas 24.1ss, diz assim:

O serviço no Templo era altamente estruturado. Isso, porém, não trazia qualquer impedimento ao Espírito de Deus. Antes, fornecia um contexto ordenado para a adoração (observe a passagem de 1Co 14.40). Às vezes pensamos que o planejamento e a estruturação não são atividades espirituais e, por essa razão, podem atrapalhar a espontaneidade da adoração. Mas a ordem e a estrutura podem nos dar a liberdade necessária para que respondamos a Deus. A ordem conduz a glória de Deus, quando experimentamos a alegria, a liberdade e a calma. Isso acontece quando planejamos sabiamente, com antecedência.

A igreja evangélica hoje é multifacetada, e cada denominação em sua região do país tem características próprias na organização do culto. Entretanto a ordem e a decência continuam sendo imprescindíveis ao culto genuinamente cristão e espiritual. Desordem, irreverência, barulho sem sentido, secularização do culto (com importação de elementos e personagens mundanos), sincretismo religioso (isto é, mistura de crenças e comportamentos de religiões diferentes) e exaltação do homem em detrimento do Senhor são marcas de um culto carnal, não de um culto que se presta a adorar ao Rei da glória! Como disse Paulo, sobre o culto cristão, “faça-se tudo com ordem e decência” (1Co 14.40).

Conclusão

Ainda que Davi não tenha sido perfeito em seu reinado – e quem foi? – veio a ser o rei-referência para todos os demais que viriam após ele. Não Saul, nem seu filho Isbosete, mas Davi é que foi tomado como o rei cujo reino era o padrão a ser seguido, especialmente pelo coração daquele ungido de Deus estar no Deus que o ungiu. Como vimos neste estudo, há muitas lições práticas para aprendermos sobre liderança eclesiástica com o rei Davi.

_________

Adquira o novo eBook Reflexões contundentes sobre Escola Bíblica Dominical, de Tiago Rosas, autor deste estudo que você acabou de ler. Preço promocional de lançamento: R$ 14,99. É só clicar na palavra EBOOK, e efetuar o pagamento. Se preferir, contate-nos pelo WhatsApp: (83) 98708-7983

_________

[1] R.N. Champlin. Enciclopédia de Bíblica, Teologia e Filosofia, 11° ed., vol. 2, Hagnos, p. 21

[2] M.L. Strauss em Novo Dicionário de Teologia Bíblica, Vida, p. 659

[3] Jimmy Swaggart, comentário da Bíblia de Estudo do Expositor (SBB), em 1Samuel 5.4

[4] Ibid., pp. 20-1

Casado, bacharel em teologia (Livre), evangelista da igreja Assembleia de Deus em Campina Grande-PB, administrador da página EBD Inteligente no Facebook e autor de quatro livros: A Mensagem da cruz: o amor que nos redimiu da ira (2016), Biblifique-se: formando uma geração da Palavra (2018), Reflexões contundentes sobre Escola Bíblica Dominical (versão e-book, 2019), e Poder, poder pentecostal: reafirmando nossa doutrina e experiência, à luz das Escrituras Sagradas (lançamento previsto para final de 2019).

Publicidade