Siga-nos!

estudos bíblicos

O que é graça preveniente?

O que o arminianismo entende por graça preveniente e a “ordem de salvação”.

Vinicius Couto

em

Mulher com as mãos em oração em cima da Bíblia. (Envato / halfpoint)

Recapitulando nossa série de artigos: falamos inicialmente sobre eleição corporativa de Deus segundo Sua presciência. Em seguida, sobre a expiação de Cristo por toda a humanidade. Em nosso terceiro ponto mostramos a inabilidade total do homem em se achegar a Deus.

Chegamos, agora, em nosso quarto ponto: a graça preveniente. Poderíamos renomear nossa série de artigos como “doutrinas da graça segundo o arminianismo”.[1]

Já vimos que calvinistas e arminianos concordam com a doutrina da depravação total e que sem a ação divina, o ímpio não tem condições de escolher Deus, pois está inclinado para o pecado.

Pensando nisso, vêm algumas perguntas em nossas mentes: como acontece a salvação? É um ato monergista ou sinergista? Discorreremos, no presente artigo, a respeito da ordem da salvação e sobre os conceitos de graça, graça preveniente e graça irresistível.

Artigo IV – Remonstrância

“Que esta graça de Deus é o começo, a continuação e o fim de todo o bem; de modo que nem mesmo o homem regenerado pode pensar, querer ou praticar qualquer bem, nem resistir a qualquer tentação para o mal sem a graça precedente (ou preveniente) que desperta, assiste e coopera. De modo que todas as obras boas e todos os movimentos para o bem, que podem ser concebidos em pensamento, devem ser atribuídos à graça de Deus em Cristo. Mas, quanto ao modo de operação, a graça não é irresistível, porque está escrito de muitos que eles resistiram ao Espírito Santo.”

Ordo salutis

Ambas as posições (calvinista e arminiana) possuem sua lógica. A teologia calvinista começa seu raciocínio pela corrupção humana em Adão. Esta depravação total, não apenas da vontade, mas do pensamento, atos e emoções do homem, é um impedimento para o próprio homem de se achegar a Deus. Porém, Deus já havia decretado desde a eternidade, salvar alguns destes pecadores que não merecem a salvação, visto que “todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm 3.23).

Se Deus já havia elegido essas pessoas, pois está no controle de tudo, Ele consolida Seu plano através do sacrifício de Cristo por essas pessoas. Realmente não faz sentido Cristo morrer por outras pessoas, se essas outras pessoas não serão salvas, seria desperdiçar o Sangue de Jesus. Visto que nem mesmo os eleitos são capazes de se voltarem para Deus, é necessário que uma obra divina os liberte do domínio do pecado. A esta obra, os calvinistas chamam de “graça irresistível”. Uma vez que a pessoa irresistivelmente está em Cristo, ela não cai desta graça.

Em contrapartida, a lógica arminiana toma outro rumo: somos sim, eleitos. Não individualmente, mas corporativamente. Não segundo a vontade soberana de Deus,[2] mas segundo Sua presciência. Deus está no controle de tudo, sem controlar tudo. A eleição da Igreja é baseada no amor de Deus que excede todo entendimento (Ef 3.19), o qual “amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

Jesus “é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” (1 Jo 2.2). Jesus morreu por todas as pessoas e isso torna a salvação potencial a todas as pessoas.

A eleição é condicional, “quem crer (…) será salvo, mas quem não crer será condenado” (Mc 16.16), pois “todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (Rm 10.13). Todavia, o homem foi afetado pela queda de Adão e a humanidade está corrompida pelos efeitos do pecado, não havendo “quem entenda” ou que “busque a Deus” (Rm 3.11). Somente um ato gracioso de Deus para convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo. Chamamos esse ato de “graça preveniente”. Se o salvo pode cair dessa graça ou não, será assunto para nosso último artigo.

Ambas as lógicas nos levam a uma sequencia salvífica também diferente. A essa sequencia chamamos de ordo salutis, expressão latina cujo significado é “ordem da salvação”. Hoeksema, teólogo calvinista, define a ordo salutis como “o arranjo ou a ordem na qual os vários benefícios da salvação em Cristo são aplicados ao pecador eleito.”[3] O erudito arminiano, Olson, conceitua-a como “uma tentativa de colocar em ordem lógica e não cronológica, os eventos que antecedem, que ocorrem durante e que sucedem a salvação inicial de uma pessoa”.[4]

Embora tenhamos uma sequencia lógica, não há uma cronologia que pode facilmente ser delineada, pois os acontecimentos são simultâneos, ou seja, “não ha intervalo de tempo na obra da salvação em nossos corações — com a única exceção da santificação, já que ela é um processo iniciado na conversão, mas que só encontrara sua consumação nos novos céus e terra.”[5]

Na elaboração de Calvino, teríamos a ordem da salvação da seguinte forma:

  1. União Mística;
  2. Fé;
  3. Arrependimento;
  4. Reconciliação;
  5. Regeneração e
  6. Justificação & Santificação.[6]

Strong seguiu quase que o mesmo raciocínio, exceto que separou a justificação da santificação e afirmou o seguinte arranjo:

  1. Eleição;
  2. Vocação;
  3. União com Cristo;
  4. Regeneração;
  5. Conversão (arrependimento e fé);
  6. Justificação;
  7. Santificação e
  8. Perseverança.[7]

Mais próximo ainda de Calvino está Berkhof, que seguiu ordenou a salvação da seguinte maneira:

  1. União Mística;
  2. Regeneração e Vocação Eficaz;
  3. Conversão (arrependimento e fé);
  4. Justificação;
  5. Santificação e
  6. Perseverança dos santos.[8]

A Confissão de de Westminster, principal declaração de fé utilizada pelas igrejas reformadas, ou melhor, calvinistas, e principal declaração adotada oficialmente pela IPB (Igreja Presbiteriana do Brasil), enumera em seus capítulos de X a XVII (exceção do XVI que fala de boas obras), sua ordo salutis:

  1. Vocação Eficaz;
  2. Justificação;
  3. Adoção;
  4. Santificação;
  5. Fé Salvadora;
  6. Arrependimento e
  7. Perseverança dos santos.

Do lado arminiano podemos citar a ordem de Olson:

  1. Graça eletiva de Deus em Cristo de todos os que creem nele;
  2. Expiação de Cristo, reconciliando todos os pecadores da morte;
  3. Graça preveniente dada por Deus aos pecadores por meio da Palavra (chamando, convencimento, iluminação, capacitação);
  4. Conversão (arrependimento e fé) capacitado pela graça preveniente;
  5. Regeneração, justificação, adoção, união com Cristo, habitação do Espírito Santo;
  6. Santificação e
  7. Glorificação.[9]

John Wesley cita em seu sermão “Sobre a realização da nossa própria salvação”, uma ordo simplificada:

  1. a Graça preveniente (salvadora);
  2. a Graça convencedora (arrependimento e fé);
  3. a Justificação e
  4. a Santificação. [10]

Obviamente que podemos acrescentar aqui a presciência como sendo o primeiro item e a glorificação como sendo o último.

Ward, teólogo wesleyano, enumera a ordo da seguinte forma:

  1. Presciência divina;
  2. Graça Preveniente;
  3. Graça Convencedora;
  4. Graça Justificadora (Santificação Inicial);
  5. Regeneração;
  6. Crescimento na Graça;
  7. Inteira consagração;
  8. inteira Santificação;
  9. Crescimento na Graça e
  10. Glorificação.[11]

Podemos retirar dessa lista os itens 6, 7, 8 e 9. Os itens 6 e 9 porque tratam de um crescimento espiritual, não necessariamente um evento que caracterize a salvação, mas o efeito da mesma e os itens 7 e 8 porque são doutrinas mais específicas do wesleyanismo a respeito da segunda bênção ou batismo no Espírito Santo.

Estes últimos principalmente não devem fazer parte desta lista porque senão teremos que admitir que todos os cristãos têm de passar por essa experiência e tenho certeza, como bom teólogo nazareno, que não era isso que Ward queria dizer em sua exposição.

Pode parecer à primeira instância que, “a ordem dos tratores não altera o barulho”,[12] mas a ideia desse processo salvífico é importante, pois como comenta o reverendo Ronald Hanko, a ordem da salvação “descreve a obra do Espírito de Deus em nós”.[13]

Olson complementa sua importância na área missiológica, pois seu impacto é diretamente proporcional ao nosso entendimento e atuação na evangelização dos perdidos, visto que “sem arrependimento e fé, capacitados pela graça preveniente, não se pode ser totalmente salvo”.[14] Outro exemplo de sua importância é o caso da justificação, a qual “deve preceder a santificação, caso contrário temos a doutrina Romana da justificação pelas obras.”[15]

Conforme vimos, a principal diferença entre a ordem da salvação nas teologias arminiana e calvinista se dá no tocante à regeneração. Para os calvinistas ela se dá antes do novo nascimento e para os arminianos, depois.

Estes creem que o Senhor atua inicialmente com a graça preveniente e então capacita o homem a crer. Depois de receber a Cristo é que ocorrem os demais pontos da nossa ordo salutis (arrependimento, fé, regeneração, justificação, adoção, união com Cristo e habitação do Espírito Santo). Aqueles, por sua vez, creem que primeiro Deus regenera o homem, o qual somente depois do novo nascimento é que recebe fé para se arrepender, sendo justificado e santificado.

A tese calvinista é mais primordialmente baseada em Rm 8.29,30, entretanto, Paulo não está interessado ali em formar uma ordo, mas em dar um panorama da obra de Cristo e seus efeitos para com os redimidos. Ademais, se colocarmos a fé depois do novo nascimento, contrariaremos não as palavras de Armínio, Wesley ou outro teólogo, mas a própria Palavra de Deus, como podemos observar em passagens escriturísticas como Mc 1.14,15; At 2.38; 11.21 e principalmente Rm 10.9-15.

Inevitavelmente, se a fé vem depois do novo nascimento, não há necessidade de pregar o Evangelho, pois com ou sem a pregação a pessoa será salva em algum momento em função dos decretos divinos.[16]

Referências
[1] Gostaria de fazer uma ressalva sobre esse ponto. Tradicionalmente, temos as doutrinas arminiana e calvinista como os pressupostos ortodoxos sobre as doutrinas da graça. Embora ambos os pontos de vista sejam praticamente opostos, são aceitos como teologicamente corretos pelos eruditos. Atualmente, há vários pregadores que vêm ensinando uma visão da graça que não se encaixa em nenhuma das duas vertentes teológicas. Um desses pregadores é um pastor cingapuriano chamado Joseph Prince, autor do Best-seller, “Destinados a Reinar”. Vale muito a pena alertar aos pastores, líderes e mesmo irmãos na fé que, os ensinos de Prince são recheados de questões heterodoxas e é uma distorção das doutrinas da graça. Para maiores informações, consultar COUTO, Vinicius. As heresias de Jospeh Prince. Disponível em: http://www.cacp.org.br/as-heresias-de-joseph-prince/.
[2] Refiro-me aqui à ideia de que Deus soberanamente elege alguns para a salvação e outros para a danação. Obviamente que, a vontade soberana de Deus é constatada em toda a Bíblia (cf Is 43.13; Jó 42.2).
[3] HOEKSEMA, Herman. Reformed Dogmatics. 2004, Volume 2, Reformed Free Publishing Association, p. 16.
[4] OLSON, Roger. Na Arminian Ordo Salutis (Order of salvation). Disponível em: http://www.patheos.com/blogs/rogereolson/2013/08/an-arminian-ordo-salutis-order-of-salvation/. Acesso em 07/03/2014.
[5] FERREIRA, Franklin; MYATT, Alan. Teologia Sistemática: uma análise histórica, bíblica e apologética para o contexto atual. 2007, Vida Nova, p. 737.
[6] Ibid, p. 738.
[7] STRONG, A. H. Teologia sistemática. Volume 2, 2007, Hagnos, pp. 1399-1558.
[8] BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. 2012, Cultura Cristã, pp. 383-504.
[9] OLSON, Roger. Op. Cit., idem.
[10] BURTNER, Robert W.; CHILES, Robert. E. (org.). Coletânea da Teologia de João Wesley. 1995, Colégio Episcopal, p. 130.
[11] WARD, David B. Wesleyan Theology of Salvation and Preaching. Disponível em: http://wesleyansermons.com/2013/08/26/wesleyan-theology-of-salvation-and-preaching/. Acesso em 07/03/14.
[12] Trocadilho com a frase que aprendemos no ensino fundamental para as operações matemáticas de multiplicação: “a ordem dos fatores não altera o produto”, ou seja 8 x 3 é a mesma coisa que 3 x 8.
[13] HANKO, Ronald. Doctrine According to Godliness. 2004, Reformed Free Publishing Association, pp. 185,186.
[14] OLSON, Roger. Op. Cit. Idem.
[15] HANKO, Ronald. Op. Cit., p. 186.
[16] Vale ressaltar que, os calvinistas não ensinam que a pessoa é salva sem a pregação do Evangelho. Para eles, a pregação é meio que Deus escolheu. Todavia, é inevitável que não raciocinemos conforme propus quando analisamos a ordo calvinista.

Ministro ordenado da Igreja do Nazareno. Doutorando em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo. Mestre em teologia pela Faculdade Batista do Paraná, graduado em teologia pela Faculdade Nazarena do Brasil e em administração de empresas pela Universidade Castelo Branco.

Trending