Siga-nos!

Mundo Cristão

“O púlpito que silencia não é o púlpito de Deus”, denuncia pastor

Teólogo cita Jeremias 23 como texto-chave para a Igreja nos dias de hoje

Publicado

em

Publicidade

Após a divulgação de uma pesquisa recente do Instituto Barna sugerindo que os pastores estão sendo pressionados a não tratar com questões morais, o teólogo e pastor Shane Idleman, da Westside Christian Fellowship, na Califórnia, decidiu cobrar uma postura diferente de seus pares.

“Sou um ávido leitor de livros sobre reavivamentos e despertares espirituais escritos por aqueles que realmente os experimentaram. Ironicamente, muitos, se não todos, dizem que devemos pregar e proclamar a Palavra de Deus com autoridade, se quisermos experimentar o verdadeiro avivamento”, argumenta o teólogo.

Porém, ele vê que a cultura moderna influenciou os pregadores. “A verdade sem entusiasmo, a moralidade sem emoção, o ritual sem alma, contribuem para uma Igreja sem poder. Autoridade não é uma palavra terrível e desagradável, é uma palavra poderosa. Quando Deus dá autoridade às pessoas para proclamar apaixonadamente e com amor a Sua Palavra, as almas são convertidas, as vidas mudam e as famílias são restauradas. Infelizmente, isso está faltando em nossos dias”, avalia.

O pastor Idleman acredita que o púlpito que silencia “não é o púlpito de Deus” e que a Igreja deveria olhar para o passado e os grandes exemplos de homens de Deus que mudaram a história de seus países com pregação e oração.

“Onde estão os homens com poder intransigente e autoridade nos púlpitos de hoje? Sei que há alguns, e valorizo o seu ministério, mas como um todo, isso está em falta na Igreja. Falta-nos autoridade e o poder do Espírito Santo. A pregação, em certo sentido, apenas libera a arma de fogo que Deus carregou no lugar silencioso, já dizia Calvin Miller. E D. Martyn Lloyd-Jones nos ensinava que pregar é a teologia que vem através de um homem que está em chamas”, elenca.

Segundo Idleman, “faríamos bem em revisitar Jeremias 23 regularmente. Embora essa passagem tenha sido escrita principalmente para os falsos líderes daqueles dias, o princípio ainda se aplica a nós e devemos permanecer firmes no conselho de Deus: Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o SENHOR… Assim direis, cada um ao seu próximo, e cada um ao seu irmão: Que respondeu o Senhor? e que falou o Senhor?
Mas nunca mais vos lembrareis do peso do Senhor; porque a cada um lhe servirá de peso a sua própria palavra; pois torceis as palavras do Deus vivo, do Senhor dos Exércitos, o nosso Deus (Jeremias 23:1-35,36).

Publicidade

Publicidade