Siga-nos!

Opinião

O preço de uma obra inacabada

O mesmo Espírito que vivificou Ele, também nos vivificará (Romanos 8:11).

Avatar

em

 “Qual de vocês, se quiser construir uma torre, primeiro não se assenta e calcula o preço, para ver se tem dinheiro  suficiente para completá-la? Pois, se lançar o alicerce e não for capaz de terminá-la, todos os que a virem rirão  dele, dizendo: ‘Este homem começou a construir e não foi capaz de terminar’.”  (Lucas 14:28-30)

Recentemente eu e minha família alugamos uma casa, como costumeiramente fazemos para o feriado de  carnaval.  Deixamos a cargo do meu cunhado para providenciar o lugar. E tal não foi a minha surpresa quando  percebi que a casa que havíamos alugado era a mesma onde havíamos feito anos atrás o retiro de jovens da Igreja. Aquele retiro foi marcante, pois na época era líder de jovens e fizeram uma homenagem surpresa para mim, depois do feriado de 07 de setembro.

Porém, naquele dia que chegamos para descansar o feriado de carnaval, o que mais me impressionou naquela casa foi o estado que ela se encontrava atualmente. A parte superior daquela casa  estava no mesmo estágio de construção do que daquele retiro passado,ou seja, inacabada.  Porém a parte que era habitável no térreo estava cheia de sujeira e mofos nas paredes. Enfim, aquele não seria o melhor lugar para “desfrutar” e “descansar” no feriado, na verdade aquele lugar nem ao menos deveria ser alugado, pois aquela casa estava inacabada.

Conversando com conhecidos do dono da casa, fiquei sabendo que aquela casa havia sido construída por um homem que havia aceitado Jesus, bem como, alguns da sua família haviam abraçado a fé. Entretanto, a perda de uma filha, através de uma doença rara e terminal acabaram abalando a estrutura daquela família inteira, acarretando no abandono da fé por alguns deles e dos projetos que elaboravam como aquela construção.

Sabe queridos, Jesus nos ensina que nossa vida espiritual precisa ser construída, cuidada e planejada.  Nossa vida espiritual não deve ser construída na empolgação de um projeto humano ou de auto-realização como o  relato acima descrito.

Nossa “construção espiritual” deve ser firmada na Rocha que é Cristo onde nenhum vento forte contrário ou maré alta poderá destruir. (Mt 7:24-27).  Os alicerces do verdadeiro cristão devem estar fundamentados em Cristo, cujos projetos jamais perecem.   A questão é que muitas das vezes os fundamentos de alguns cristãos não passam de alicerces humanos de auto-realização, quando na verdade, as bases do verdadeiro cristianismo exige certa renúncia e abnegação.

Como está escrito:

 Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me.
(Mc 8:34)

Jesus foi bem claro nesta passagem, quando nos mostrou a 2 coisas:

1) A chance de escolher andar ou não com Ele
2) A condição para segui-lo.

Quando disse:  Aquele que  “quiser ” vir após Ele  “deve” negar a si mesmo, estava justamente falando isso, dando-nos a chance de escolha e a condição pra andar com Ele.

O Senhor não nos obriga a andar com Ele, nem a obedece-lo, porém é necessário que entendamos isso se quisermos agradá-lo.

Mas por causa disso, de projetos sem a participação de Deus é que  muitos pessoas tem desperdiçado tempo e dinheiro em obras inacabadas.  Muitos são os que acabam esquecendo dos planos que o Senhor tem para suas vidas e poucos são os cristãos que entendem o propósito de um vida cristã de renúncia.

Amados, cada compartimento da nossa vida, do nosso coração deve estar limpo e pronto para o acabamento do Senhor. Devemos lembrar que a transformação que Deus faz é de dentro para fora e cabe a todo cristão se submeter ao Dono da Obra.  Como disse a irmã Iara Diniz de Paula: “Existe uma grande diferença entre fazer a obra do Senhor e obedecer ao Senhor da obra”.  Muitos acham que podem fazer a obra do Senhor de qualquer forma e de qualquer jeito, porém quando vem as provas é que vemos se ela estava realmente firmada e sem defeito.

Deus não exige pessoas perfeitas, mas usa pessoas dispostas  a serem usados por Ele . A questão é que não sabemos os custos de uma construção complexa que é o viver cristão, mas devemos nos esforçar em agradar a Deus , pois sabemos o preço que foi pago pelo Dono da Obra. (1 Co 6:20;7:23; AP 1:5)

É claro que na caminhada cristã não é fácil para alguém sofrer de perdas como foi no caso do dono daquela construção inacabada. Porém é necessário entender que o preço de andar na fé nem sempre envolve realizações pessoais. Vemos isso na vida de Jó e suas inúmeras perdas.  Também quando enxergamos a vida de Abraão conseguimos visualizar um homem que teve a disposição sair da zona de conforto de sua vida, bem como, negar o seu próprio filho para seguir ao Senhor.
Tanto Jó, como Abraão foram pessoas dispostas a se negar por obediência a Deus.

A abnegação traz a verdadeira transformação e conversão, não apenas uma adesão ou convencimento.  Essa é a diferença entre um crente regenerado e convertido para um cristão nominal e convencido.

Diz as Escrituras que certa vez um homem resolveu seguir Jesus, mas fez um pedido inusitado a Cristo, que era de enterrar seu pai primeiro. A resposta do Messias foi:

“Segue-me , e deixa os mortos sepultarem seus mortos (Mt 8:21-22).

Amados, o objetivo de Cristo nunca foi desagregar famílias ou destruí-las, mas edificá-las através de um novo fundamento. O que Cristo estava dizendo para aquele homem é que a obra que Ele estava fazendo Nele era maior que qualquer outro projeto humano. Os planos que o Senhor tem para nossa vida é bem maior daquilo que podemos imaginar (Jr 29:11).

Muitas pessoas costumam culpar Deus pela tragédia que são  acometidos,esquecendo muitas vezes que o inimigo de nossas vidas veio roubar, matar e destruir. (João 10). E que foi ele, Satanás que incitou a pecar e que tivéssemos uma vida finita e limitada.

Porém, o Criador do universo nos deu Seu filho para tivéssemos vida eterna (João 3:16).

Aparentemente a morte do Filho do Homem significava uma obra inacabada, mas foi através dela que o plano do Senhor se concretizou em nossas vidas (Colossenses 1;22; ). A  obra de Cristo poderia ser motivo de zombaria e fracasso, mas ao final se tornou sinal de triunfo e vitória.  A morte Dele não foi o fim de uma obra terrena,mas a consumação de uma obra celestial de imortalidade que se iniciava, onde Ele é o Primogênito(Cl 1:18; Ap 1:5; 2 Tm 1:10) . O mesmo Espírito que consumou a obra na vida Dele também consumará a nossa obra Nele.

Como está escrito:

O mesmo Espírito que vivificou Ele, também nos vivificará (Romanos 8:11).

Por isso, não podemos deixar de “completar” aquilo que foi construído por Deus em nossa vida espiritual. Precisamos perseverar na fé em Deus. Também não podemos deixar que áreas que estão em bom estado sejam consumidas pela infiltração do pecado oculto. Numa construção espiritual de nada adianta disfarçar o mofo consumido pela iniqüidade e pecado, com uma pintura superficial de boa aparência.  Devemos pintar as paredes do nosso coração com o sangue do Cordeiro que tira de vez todo mofo e sujeira do pecado e do passado. (1 Jo 1:7). Precisamos rebocar as rachaduras do rancor com a argamassa do perdão.  Nessa construção espiritual somos pedras vivas , edificados como casa espiritual de Deus nesta Terra e como templo do Seu Espírito , ( 1 Pe 2:5; 1 Cor 3:16;)

Nessa construção devemos, acima de tudo, crescer em Deus  como está escrito:

No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor.
No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito. (Efésios 2:21-22)

Meu desejo é que possamos consumar aquilo que o Senhor começou em nossas vidas.

Pois aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo;(Filipenses 1:6

 

Publicidade