Siga-nos!

Internacional

Número de crianças vítimas de abusos em rituais de exorcismo cresceu 20% na Inglaterra

Crianças são submetidas a espancamentos, queimaduras, cortes e até restrições alimentares para serem “libertas” de demônios

em

Ayesha Ali foi morta em ritual (Foto: Reprodução/Facebook)

Quase 2.000 crianças foram vítimas de abusos vinculados à fé ou crença na Inglaterra devido a crenças em bruxaria ou possessão e isso tem aumentando a preocupação das autoridades sobre os casos.

Segundo o jornal Independent, as tentativas de exorcismo são violentas contras as crianças, muitas foram abusadas fisicamente com espancamentos, queimaduras, cortes e até restrições alimentares como parte de rituais de exorcismo.

Conselhos britânicos registraram 1.950 casos entre 2018 e 2019, aumento de 20% em relação ao ano anterior e um aumento de um terço em relação ao mesmo período dos anos entre 2016 e 2017.

O Centro Nacional de MGF, responsável por apurar o abuso infantil relacionado à bruxaria, disse que o aumento foi “alarmante e inaceitável”.

“Embora seja positivo que os casos sejam encaminhados e as crianças afetadas recebam os cuidados e a proteção de que precisam, muito mais precisa ser feito para acabar com essas práticas prejudiciais”, disse o chefe Leethen Bartholomew.

Ele disse ao The Independent que não está claro se o abuso infantil vinculado à fé ou crença está vendo um aumento no mundo real ou se as autoridades melhoraram a maneira como o identificam e registram.

“É uma questão global – no Reino Unido acontece em diferentes religiões e até temos casos em que as famílias não têm nenhuma crença religiosa”, disse Bartholomew. “Pode ser difícil de identificar.”

Muitas crianças são submetidas a esses rituais de exorcismos quando na verdade possuem deficiências físicas, doenças mentais, habilidade incomuns e ou apenas um mau comportamento.

As características podem ser tratadas como evidência de possessão, espíritos malignos ou bruxaria, provocando intervenções abusivas por membros da família ou líderes religiosos.

“Sabemos que houve alguns líderes religiosos e organizações envolvidas, mas alguns dos abusos acontecem no contexto familiar. Eles diagnosticam e procuram resolver o problema eles mesmos. ”

Bartholomew alertou que, apesar das ondas de horror e indignação pelas mortes de crianças por crenças de bruxaria, houve “muito pouca pesquisa” sobre o fenômeno na Grã-Bretanha.

O caso mais famoso de violência infantil por questões religiosas é o de Victoria Climbie, morta em 2000 com desnutrição e hipotermia após dias de fome, amarração, espancamento e queimadura em uma tentativa de exorcismo.

A pequena, na época com oito anos, foi assassinada por uma tia que acreditava que ela estava possuída por um espírito maligno.

Publicidade