Siga-nos!

Sociedade

Mulher que fez dois abortos relata doenças físicas e emocionais

“Ninguém fala sobre o trauma emocional, e espiritual. E é isso que eu gostaria que alguém tivesse me contado”, afirma Chandra Jarrett.

em

Chandra Jarrett. (Foto: Reprodução / CBN News)

Quem olhava para Chandra Jarrett não imaginava que ela guardava para si o sofrimento de ter praticado dois abortos, um segredo profundo e doloroso que ela não dividia com ninguém.

Em entrevista ao programa “Prayer Link”, da CBN News, Chandra falou sobre o primeiro aborto que praticou revelando que descobriu a traição do marido, resolveu se vingar e engravidou do amante.

“E o pensamento de ter outro filho pelo outro homem, eu conhecia a Palavra, eu cresci na igreja, mas eu não conseguia lidar com o peso de ter esse filho entrando nesse relacionamento complicado. E assim, por semanas eu ponderei e chorei. E antes que eu soubesse, o tempo tinha passado e eu tinha quase 20 semanas”, disse ela que resolveu interromper a gravidez.

Dois anos depois, ela fez um segundo aborto, mas a decisão lhe trouxe uma grande dor. “Nos primeiros dois anos chorei muito”, relevou. Ela foi encaminhada para um terapeuta, mas não se sentia a vontade de confessar o que fez, ninguém de sua família sabia dos procedimentos.

“Ficava doente a cada quatro ou seis semanas”, declarou ela que só se sentiu melhor depois que começou a participar de um estudo bíblico voltado para mulheres que já abortaram.

“O Espírito Santo começou a mexer em mim sobre o meu aborto em 2010”, disse ela. “Eu nem sabia que existiam (estudos bíblicos para mulheres que abortaram). Entrei naquela aula em 8 de novembro de 2010, e naquela noite enquanto estava sentada lá, o Espírito Santo me disse: ‘Há três coisas associadas ao seu aborto: sua doença, seu choro e sua depressão'”, lembrou.

Foi naquela noite que sua cura começou. Depois daquele dia, os sintomas que sentia como vômitos, diarreia e dores de cabeça cessaram.

“Eu não conseguia funcionar… não podia ir trabalhar. Eu não podia cuidar do meu filho. Foi um trauma. Meu corpo ficou realmente traumatizado pela experiência do meu aborto”, contou ela.

Chandra, que agora é diretora de um centro local de gravidez em risco na Virgínia, escreveu sobre sua história no livro intitulado “O que eu gostaria de saber sobre o aborto”.

Seu objetivo com o livro é contar o que ninguém fala sobre o assunto. “Ninguém fala sobre o trauma emocional. Ninguém fala sobre o trauma físico. Ninguém fala sobre o trauma espiritual. E é isso que eu gostaria que alguém tivesse me contado”.

Também oferece à outras mulheres pós-abortivas a esperança de perdão que vem de um relacionamento com Deus.

“Você só se perdoa quando você acredita na cruz, o que Jesus fez”, diz Chandra. “Nós dizemos que se você não pode perdoar a si mesmo, então você está dizendo que o que Cristo fez na cruz não foi suficiente. E o que ele fez é o suficiente para cada pecado que cometemos, e ele morreu por esse pecado também, nós veremos nossos filhos”.

“Não podemos mudar o nosso passado, mas podemos mudar o nosso futuro. E é disso que se trata a cruz. Trata-se de entregar tudo a Jesus e dizer ao Senhor que eu quero que você me dê uma nova vida. Para redimir o que perdi e para me permitir sair de uma nova vida”, conclui.

Publicidade